quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

1+3 || Carta Para a Inês de 15 Anos


Escrevo-te com a certeza de que lerias esta carta no curto espaço de tempo que te sobra para te equipares e apanhares o cabelo numa trança. Escolhi-te a ti porque sei perfeitamente como te sentes e o quanto gostavas que alguém do futuro te desse algo palpável com o que esperar e sonhar.

Ainda estou um pouco perdida

Perdoas-me por isso? Sei perfeitamente que me idealizavas de outra forma e com mais sucesso do que o que arrecado, hoje em dia. Receio que talvez o teu primeiro impacto seja a desilusão. Não precisas de mo cobrar porque é algo que já faço insistentemente (e luto para não o fazer). Mas estou a dar o meu melhor e a aprender com o meu pior. Não perdi a fé de que vai correr tudo bem. Ainda te vais orgulhar de mim.

Abraça muito a Laika

Faz isso por mim, fazes? Abraça-a muito, sufoca-a de abraços, beijinhos, festinhas e declarações de amor. Aproveita cada minuto com ela e permite-te sempre a dar mais uma festinha, mais um biscoito, mais um abraço. Quando achares que já a amaste demais por hoje, ama mais um pouco.

Esse rato careca gordinho que só sabe dizer ba-ba

Vai ser um miúdo incrível e não vais conseguir lembrar como era a tua vida antes dele surgir. Vais adorar cada fase e etapa. Não te preocupes: ele vai gostar de ti.

Pensa bem na área que estás a escolher 

Não te precipites. Olha melhor para o que estás a excluir porque vais querer resgatar mais tarde. Não é um aviso de arrependimento mas é um aviso de que a tua caminhada profissional vai ser uma maratona. Começa a aquecer.

Esse nome que paira na tua cabeça... 

Esse Bobby Pins... vai nascer. Vale a pena a espera porque será um projeto incrível e do qual te orgulharás muito.

Vais viajar muito!

Sei que é algo que te inquieta porque a sensação permanece em mim. Damos por nós a olhar para tantos lugares incríveis e a perguntar ‘será que um dia os vou ver com os meus próprios olhos ou só os irei conhecer pelas histórias dos outros?’. Não te vou estragar a beleza de descobrires quais são os lugares que vais pisar mas prepara-te: vais conhecer muitos destinos incríveis.

Vais encontrar o amor muitas vezes

E de muitas formas. Num beijo apaixonado, num abraço da mãe, no companheirismo de amigos de verdade. Aproveita cada momento e aprende com cada gesto de amor. Acima de tudo, nunca tenhas medo de amar, seja quem for. Não tenhas medo de te entregar, de ir mais além e de dizer que gostas. Há sempre nobreza no amor.

Isso de estranho que sentes...

Chama-se transtorno de ansiedade e não estás sozinha. Não nasceste com defeito. Não és anormal. Há milhões de pessoas no mundo com o mesmo peito pesado que o teu e, embora saibamos que isso não é animador, quero que saibas isto para não te sentires isolada. Mas vai melhorar. Posso dizer-te que ficámos muito melhores a lidar com esse monstro!

O teu sonho

Sei que te idealizas a trabalhar nutrição no ramo da neurologia ou cardiologia e fiz questão de cumprir o teu sonho. Não conseguiria prosseguir o meu caminho sem te dar aquilo que sempre achaste que serias boa a fazer. E vais ser muito boa. Vais ajudar dezenas de pessoas. Vais fazer a diferença.

Miminhos do futuro

Vais poder ir à internet pelo telemóvel. Vais usar lentes (juro, não estou a gozar. E gostava de te dar um par agora mesmo, sei que teria melhorado muito a tua auto-confiança). Vais ter um estilo sem ser apenas fato de treino. Vais amar Lisboa como uma Lisboeta (juro, de novo! Eu sei que odeias Lisboa mas... o amor acontece!). Vais celebrar um aniversário em viagem, como sempre sonhaste, e vais regressar a um sítio que adoramos. Não vais fazer Erasmus (sei que é duro mas prefiro que tenhas já essa desilusão. Para onde vais, não há protocolos). Vais ter saúde e os teus também (alguns sustos, nunca nada de grave).

Gosto muito de ti

Perdoo-te todos os erros, amo todas as tuas fragilidades. Acho-te bonita como és. Gosto de ti porque não seria quem sou hoje sem as tuas passadas. Porque não estaria onde estou hoje se não fosse por ti. Não vou perder o teu gosto pela vida, o teu sentido de humor, a forma bonita como observas o amor, a tua paixão pela leitura e pelos Coldplay... Há muito de ti em mim. E que bom! Gostava que te visses da forma como eu te vejo.

O amadurecimento não traz certezas

Pelo contrário, só traz dúvidas. A cada passo e conquista que dou, a cada resposta que alcanço, surgem novas dúvidas, inseguranças e incertezas. Aquela fixação radical típica da tua idade em que achamos que temos as respostas todas do mundo é uma ilusão. Mas eu sei que, embora teimosa nalgumas ideias, já tens consciência de que muito de ti são perguntas. Lamento dizer-te que o envelhecimento não traz mais clareza. Mas isso faz com que tenhamos mais abertura de espírito para confrontarmos outras realidades, oportunidades e opiniões. Isso torna-nos mais tolerantes e capazes de aprender.

E por fim, deixo-te um miminho de uma artista do futuro, a Maro. Dedico-te esta letra inteirinha, com muito amor. 


P.S. - Há sempre boas notícias ao virar da esquina.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020

AMOR || Cinco.


A minha história preferida é a nossa. É daquelas boas, que arrancam sorrisos e suspiros. O nosso estranho aperto de mão resultou numa aventura que já dura cinco anos e, embora eu pouco tempo de antena lhe reserve por aqui, não podia deixar de assinalar esta data. Porque é o meu número preferido; porque sempre suspirei com admiração quando outros casais atingiam este marco; e porque (a razão mais especial) são os nossos cinco anos.

Cinco anos é infinitamente pequeno na vastidão do tempo e mesmo assim parece uma vida. É fantástico observar o quanto crescemos, individualmente e enquanto casal. É incrível pensar no quanto éramos miúdos (mais do que ainda somos) e que juntos já partilhámos tantas etapas, fases de vida, vitórias e derrotas. Confesso que não consigo esconder o orgulho que sinto por saber que, mesmo que algumas das nossas fases de vida não tenham acontecido ao mesmo tempo, fomos maduros o suficiente para as abraçar como nossas. Mantivemos a empatia e dedicação em cada momento e isso foi fundamental. Já não somos as mesmas pessoas que se conheceram naquele dia na cantina e, de uma forma surpreendentemente mágica e que não quero (nunca!) desvendar o truque secreto, amámos e apaixonamo-nos por cada nova versão de nós. Quão sortudos somos?

Fazemos uma relação na instabilidade do início da vida adulta parecer fácil. Fazemos uma relação à distância parecer fácil. Porque, de mãos dadas e segurança no que queremos, é fácil.

Uma mão cheia de aventuras, aprendizagens, decisões, gargalhadas, partilhas, boas notícias e dores divididas. De expressões faciais lidas como ninguém, de cumplicidade, de muito sentido de humor, surpresas, presentes sem preço e abraços firmes quando o mundo desaba. Cinco anos a preparar cada momento a dois como se fosse o primeiro. De apoio incondicional a cada sonho, projeto ou prova. Cinco anos de mestria a tirar croquetes a mais para o outro não passar vergonha por ir à mesa dos salgados pela 13ª vez.

Gosto de nós e admiro-nos. O que conseguimos criar, as barreiras que ultrapassamos, os esforços que, pelo outro, não custam nada e significam tudo. Gosto que sejamos uma equipa e que nos acrescentemos sem nos engolirmos. Cinco anos a amar-me, admirar-me e a respeitar as minhas fragilidades. 

Ele faz todos os clichés parecerem novidade. As juras de amor não serem pirosas. As declarações não serem demais. E a vida parecer mais doce, mesmo quando insiste em ser amarga. Todas as músicas de amor falam sobre nós e não faz sentido amar de outra forma que não a instruída por Álvaro de Campos: ridiculamente. Amar é abrir as portas de uma casa cá dentro de nós que nem sabíamos que tínhamos. E entrar noutra com os pés bem limpinhos no tapete de entrada. Ele é a minha casa em qualquer lugar e, na impossibilidade de desdobrar tudo o que sinto por ele e pela nossa história, reservo-lhe um último agradecimento pela nossa relação harmoniosa, amizade sólida e companheirismo. O futuro é sempre incerto mas tenho a certeza de que estou grata por dividir a minha existência com ele. Ele sempre disse que eu tenho mais jeito para escrever do que ele mas, nesta história, quero que sejamos sempre os dois a segurar na caneta.

A nós.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

LIVROS || Invisible Influence


O neuromarketing é um dos ramos que mais me fascina por toda a sua componente comportamental e psicológica. É uma área da qual gostava de investir mais o meu conhecimento e, desde que a Carolina o recomendou, o Invisible Influence estava na minha lista de livros a ler.

Invisible Influence é um livro que explora a forma como o ser humano é influenciado, desde aspetos mais comerciais e triviais a grandes decisões e etapas de vida. Vivemos um pouco na ilusão de que, no geral, somos pouco influenciáveis e que as nossas decisões partem de uma iniciativa própria e espontânea quando, na verdade, a ciência tem provado o contrário. Desde o que escolhermos vestir, que carro optamos por comprar, que carreira profissional decidimos seguir ou até a pessoa com quem iniciamos uma relação, todas estas decisões passam por uma cadeia de influências que nem imaginamos.

Quão influenciáveis somos? Diríamos a resposta errada (mesmo sabendo a certa) só porque os outros dizem-na também? Mudaríamos de opção só porque os outros querem o mesmo? Podemos antecipar tendências e sucessos? O ambiente influencia as nossas decisões de vida? Sabemos identificar quais aspetos vão gerar imitação em massa e quais vão gerar a necessidade de diferenciação? E como é que as marcas poderão tirar proveito de cada uma destas particularidades? Numa narrativa fluída e repleta de casos práticos e histórias verídicas, Jonah Berger dá a resposta a cada uma destas perguntas de forma pragmática e muito acessível. 

O livro é curto mas fiz questão de fazer uma leitura vagarosa para consolidar bem a informação. Foi uma aprendizagem incrível que me permitiu ter muita consciência dos meus próprios comportamentos. Não é um livro exclusivamente interessante para quem esteja no ramo da publicidade, muito pelo contrário; recomendo totalmente a qualquer pessoa que tenha curiosidade em saber que operações psicológicas moldam os nossos hábitos de consumo e as nossas escolhas pessoais.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliados.

domingo, 16 de fevereiro de 2020

INSTAGRAM || @biteback2030

São poucas as contas relacionadas com nutrição que eu opto por acompanhar nas redes sociais, mas uma das minhas preferidas é integrante do projeto Bite Back 2030, uma iniciativa britânica que se propõe a defender um mercado e uma indústria alimentar mais transparente e com opções mais seguras e saudáveis para os jovens. O direito à saúde em qualquer condição social e/ou financeira, a vontade de remar contra a corrente de alimentos processados ou campanhas enganosas e a necessidade de não baixar os braços e de agir são alguns dos valores da missão. 

Se procuram um feed harmonioso, coeso e com estímulos visuais idílicos de uma alimentação saudável e orgânica, talvez esta não seja a conta ideal, mas a verdade é que @biteback2030 tem feito a diferença na literacia em saúde, mais em específico, literacia em nutrição. Elucidar o público em relação a porções, rótulos, estratégias de marketing e políticas alimentares através de conteúdo real, prático e acessível tem feito a diferença no movimento. Mais do que alertar para más políticas alimentares, é importante que as pessoas compreendam de que forma essas estratégias estão a ser feitas e manipuladas para que também elas possam posicionar-se. 

Com o devido espírito crítico (sempre!) e a adaptação da realidade britânica aquilo que são as nossas circunstâncias em Portugal, @biteback2030 é uma conta que considero extremamente didática e que faz um serviço de saúde pública incrível. Sendo uma defensora da educação alimentar e de fazermos um consumo consciente — mesmo que seja a consciência de que o que estamos a comer não é saudável —, esta conta tem correspondido às minhas expectativas.


sábado, 15 de fevereiro de 2020

PASSAPORTE || Fim-de-semana na Serra da Estrela


Um regresso inesperado e planeado na própria semana de partida. A escapadinha perfeita, num lugar para onde regresso as vezes necessárias. E se em 2018 estivemos lá com rota programada, previsões de neve e uma ideia mais definida do que queríamos fazer, desta vez seguimos ao sabor do vento.

A aventura começou oficialmente em Viseu, numa paragem rápida para passear pelas ruas e revisitar alguns dos lugares mais emblemáticos, mas o destino final era a Serra da Estrela. Sem previsões de neve e com o clima a nosso favor — sem chuvas nem tempestades — aproveitámos este fim-de-semana para visitar o Parque Ecológico — que tem um preço simbólico e que, depois da devastação da última tempestade, bem merece a nossa visita e investimento — onde estivemos rodeados por uma fauna incrível. Os nossos destinos seguintes foram Gouveia e Seia mas, na verdade, onde passámos mais tempo não tinha localização definida a não ser coordenadas.

Dei muitos miminhos a cães Serra da Estrela — enquanto chorava de saudades pela minha —, voltei a vestir a minha parka amarela e caminhei pelas rochas, segui trilhos, encharquei-me várias vezes — cair nos riachos é comigo! — e descobri pérolas escondidas. Muitas vezes aproveitámos os sons reconfortantes da floresta e dos pássaros para partilharmos silêncios confortáveis, outras aproveitámos bem a companhia um do outro para tagarelar. Seguimos a dieta das sandes e das barritas nos intermédios mas, já cansados e bem sujos, aproveitávamos o refúgio da casa para acender a lareira, fazer uma refeição caseira e descansarmos. Fizemos da rotina algo só nosso, tirámos poucas fotografias e arrecadámos novas histórias de aventura para contar e recordar. 

Nunca é uma fuga ao caos do quotidiano ou à ansiedade mas, numa fuga com data de regresso, eles ficam para trás e não entram na nossa bagagem. Num Janeiro que se revelou alucinante e num Fevereiro que está a ser uma caixinha de surpresas, foi especial termos conseguido desligar-nos do mundo e reconectar às coisas que realmente importam: o património natural que temos, as conversas aleatórias entre caminhadas, as gargalhadas a cada pata na poça (literalmente) e a certeza de que, embora miúdos independentes, somos capazes de passar horas e horas na exclusiva companhia um do outro sem nos cansarmos. Fica aqui o pequeno registo fotográfico.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

FORMAÇÃO || Semana do Look Certo

Sou fã assumida da Youtuber Victória Rocha, cujo conteúdo do seu canal e do seu Instagram — que também é uma fonte de inspiração — é dedicado à moda de uma forma descontraída, criativa e acessível. O carisma e simpatia da Victória transparecem logo desde o primeiro vídeo e aproxima-nos enquanto público. Já estava rendida às suas plataformas digitais quando decidi aderir à Semana do Look Certo, um projeto criado e conduzido pela própria.

A Semana do Look Certo decorreu no início de Fevereiro e constituiu numa plataforma online gratuita onde a Victória partilhou quatro vídeos conduzidos pela própria e que se propunham a ajudar as mulheres a identificarem o seu estilo e a vestirem-se melhor. Com cada vídeo a protagonizar um tema diferente, Victória desconstruiu tudo o que aprendeu na sua licenciatura em moda e traçou um atalho para que todas nós identifiquemos qual é o estilo que melhor reflete a nossa personalidade e como reproduzir esse estilo naquilo que já temos no armário sem cometer excessos na carteira, um dos muitos erros que a própria chama a atenção durante estes quatro vídeos.

Sabiam que toda a gente tem, em média, entre 2-3 estilos (mesmo quem diz que não tem um estilo definido)? E como potenciar aquilo que já temos no nosso armário para refletir a mensagem que queremos passar quando nos vestimos? Qual é a nossa paleta de cores? Quais são os cinco mitos mais comuns relacionados com moda? E quais as ferramentas que podemos aplicar para aprimorarmos o olhar? Embora algumas ideias do vídeo possam ser um pouco repetitivas e a Semana do Look Certo seja, na verdade, um gatilho para um segundo projeto que a própria desenhou — o curso Se Enxerga, que aprofunda esta transformação de moda de uma forma mais personalizada — os vídeos são efetivamente didáticos e dão resposta às perguntas que supracitei. No final, temos acesso a um manual digital com a compilação de todas as ideias, conceitos e dicas partilhados em cada vídeo e ainda alguns exercícios, tarefas e desafios (algo que a própria também vai dinamizando nos vídeos). 

Aderi à Semana do Look Certo sem expectativas mas com a certeza de que não tinha nada a perder e saí muito surpreendida com os conceitos simples que aprendi. Fui capaz de consolidar alguns assuntos que já eram do meu conhecimento e reconquistei a segurança para refletir a imagem que quero passar. Descobri que os meus estilos principais são o casual e o clássico com apontamentos ocasionais de contemporâneo e romântico. Sinto-me mais consciente na forma como me visto. 

Por agora, o projeto terminou, mas podem assistir ao primeiro vídeo da Semana. Aconselho-vos a seguirem a newsletter ou as redes sociais da Victória para se inscreverem numa próxima sessão — ela divulga sempre as novas datas que estão por vir! Num ano em que me propus a conhecer melhor por fora, esta Semana do Look Certo chegou no timing perfeito.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

DIY || O Amor Está nas Pequenas Coisas...


... Que de pequenas nada têm. O ato singelo de uma jura de amor. A genuinidade da entrega e dedicação que temos por quem não quer menos do que o nosso bem. O significado que um pequeno 'amo-te' reserva na sua essência. O romantismo escondido num abraço, num beijinho na testa, num carinho de polegar na mão dada. No jantar feito sem termos pedido. Nos miminhos e surpresas simples que elevam o quotidiano. Nos cafunés depois de um dia não  — e depois de um dia sim também.

Dividir o lado bom da vida com quem estimamos quer-se simples, honesto e apaixonado (sem pudor!). E no mês do amor, vale tudo, desde os maiores atos de romantismo aos pequenos gestos de carinho. Todos traduzem o mesmo: que bom é ter-te aqui comigo.

Ao longo dos anos, tenho partilhado sempre algumas sugestões amorosas para o dia de S. Valentim e este ano não podia ser exceção. Porém, desta vez quis caprichar e decidi dar uma mãozinha aos preparativos de última hora, a quem não se vê a inundar o parceiro ou parceira com chocolates e peluches, a quem quer fugir da loucura dos restaurantes e a quem quer... só ter uma descupinha para assinalar a data, sem dramas. Preparei algo para vocês.

Foi um dos meus primeiros presentes para o Diogo, sem loucuras no orçamento mas com todo o meu coração. Fiz tantos que ainda hoje os conseguimos utilizar e confesso: é muito divertido surpreendermos o outro com um vale inesperado. No amor vale tudo e eu trouxe vales carregadinhos de amor. Para descarregarem, imprimirem e sinalizarem a data. Para dar o toque final ao presente já selecionado. Para desencantar um miminho de última hora. Ou até para enviarem por e-mail e tornarem a caixa de entrada da vossa pessoa muito mais gostosa de visitar. Não há originalidade no conceito mas foi preparado com carinho por mim (tudinho!). E quem não gosta de um vale? É para usarem e abusarem. Feliz São Valentim, meus pirosões!

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

BOBBY PINS || 6 Anos


Há seis anos, o Bobby Pins nasceu. Não veio com um propósito mas sim como sendo o propósito. Eu só queria comunicar, descobrir pessoas que tivesses gostos semelhantes aos meus, trocar ideias, sugestões e experiências. Queria divertir-me. Trabalhar em algo meu e ver até onde podia chegar. E estou tão contente com esta viagem.

A Inês que deu arranque a este projeto não é a mesma que lhe continua a dar vida, dia após dia, contrariando a tendência desta plataforma. Mas eu fico sempre feliz por saber que alguns de vocês foram crescendo comigo e que outros me apanharam a meio da jornada e gostaram de mim. Sinto-me honrada quando o meu círculo pessoal fala do meu blog como se fosse algo sério. Porque, para mim, é.

Esforço-me muito — mas sem me cobrar — para dar vida ao Bobby Pins e comovo-me sempre que descubro que alguém já não dispensa o meu blog da sua rotina. Que deposita credibilidade nas minhas sugestões ou posicionamentos. Que olha para este cantinho como uma (boa) companhia. A cada novo comentário, mensagem ou e-mail, sinto-me inspirada para continuar, com a certeza de que iria continuar a fazê-lo mesmo que o fizesse para ninguém. Vivo para escrever e partilhar as minhas ideias. O Bobby Pins é uma extensão do que sou, acredito e gosto.

O desejo para estes 6 anos é continuar. Experimentar sempre coisas novas mas manter-me fiel aos princípios iniciais do meu blog — esses, não mudaram. Continuar a trazer algo novo, mesmo que sejam pedacinhos singelos do quotidiano. Quando é sincero, tem sempre magia. 

O meu grande obrigada a todos os que fazem do Bobby Pins uma comunidade bonita. Obrigada por tudo o que representam num sonho que iniciei com esperança no olhar.

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

BODY TALK || Aussome Volume & Miracle Light da Aussie


No que toca a produtos de cabelo, não sou fiel a nenhum e gosto de me deixar surpreender pelas propostas das marcas. No entanto, costumo procurar produtos dedicados a fornecer volume ao cabelo (além de o deixarem saudável e cuidado, claro). Mantenho-me fiel à minha espuma de volume e ao meu texturizador, mas sentia necessidade de trabalhar o volume do meu cabelo logo desde o banho.

Foi a primeira vez que testei a marca Aussie e selecionei produtos de linhas diferentes: o champô Aussome Volume e o condicionador Miracle Light. O champô propõem-se a levantar a raiz e a deixar o cabelo com corpo e volume. É especialmente pensado para cabelos finos e com a raiz muito junta ao couro cabeludo — que é precisamente o meu caso. O condicionador, embora de uma linha diferente, tem uma premissa semelhante: cuidar e amaciar o cabelo sem o pesar, prometendo um cabelo mais leve e volumoso. Também é indicado para cabelos finos e lisos.

Nas primeiras utilizações, fiz questão de apenas aplicar estes dois produtos no meu cabelo para observar se realmente resultavam e se notava diferenças. O veredito é muito positivo. Com apenas a aplicação do champô e do condicionador, sinto o cabelo encorpado e volumoso, a raiz mais solta e o cabelo mais leve — uma leveza que só tinha conseguido experimentar quando ia ao cabeleireiro. Nunca tinha conseguido recriar em casa. O cabelo ganha mais vida e movimento. O brilho, suavidade e cuidado não ficam comprometidos com estes produtos, pelo contrário; continuo a senti-lo brilhante, saudável e macio. Como bónus, o cheiro frutado é maravilhoso — mas bem discreto após a secagem, ideal para quem não aprecia mistura de perfumes. Saber que posso atingir o efeito que aprecio no meu cabelo sem ter de adicionar mais passos na minha rotina foi o elemento diferenciador para me apaixonar por estas duas linhas da Aussie — que, se me permitem a sugestão, funcionam maravilhosamente bem em conjunto. A minha estreia com a marca australiana não podia ter corrido melhor. Recomendo!

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2020

DESAFIOS || O Aniversário Está a Chegar...!


Fevereiro é um mês muito especial para mim. Marca uma série de eventos especiais, entre eles, o aniversário do Bobby Pins. Encaminhamo-nos para o 6º ano de blog — 10 de Fevereiro, já apontaram na agenda? —, e, como já é tradição, gosto de preparar algo divertido para marcar a ocasião e conhecerem melhor que está deste lado, todos os dias, a preparar conteúdo por aqui. Para quem é recente, já fiz um Q&A de aniversário no Snapchat, desafio do Preferias, compilação de fotografias vossas (a minha preferida, até à data)...!

Para este ano, proponho um desafio já bem conhecido pelo universo do Youtube e Instagram mas que não me recordo de ter visto alguém arriscar pela blogosfera: suposições sobre mim! Deixo esta caixa de comentários aberta para partilharem algo que pressuponham que eu seja ou faça. Quanto mais criativo, mais divertido será. Ainda estou a ponderar como vou apresentar as respostas mas vou dar o meu melhor para que fique algo giro e dinâmico! 

Já sabem, até dia 10, partilhem aqui tudo o que acham que eu sou ou faço e responder-vos-ei se o vosso instinto está certinho ou não. Vamos celebrar juntos mais um aninho?