domingo, 21 de outubro de 2018

1+3 || Sinto-me em Casa


Nos abraços da minha mãe. Com a 'sopa amarela' e a lasanha da minha avó. Com o carinho das pessoas que mais me querem bem — e que eu quero tanto o bem delas. No meu quarto, com as minhas coisas, a minha identidade. Sinto-me em casa quando abraço a Belka e penso na Laika. Quando chego a Aveiro, a Torres, a Lisboa ou a Sintra. Sinto-me em casa no Bobby Pins e em frente ao mar — seja ele qual for. Senti-me em casa em Oslo, Sevilha e Londres. 

Sinto-me em casa quando escuto 'amo-te'. Ou quando oiço violino. Quando toco ré e sol ao mesmo tempo nas cordas. Quando caminho por Santa Cruz e com o seu cheiro a maresia ou quando passeio pela Quinta da Regaleira e me recordo da minha história de amor. Quando adormeço a ouvir a chuva. No aeroporto. De cabeça encostada a ouvir os batimentos cardíacos de quem amo. 

Estou em casa quando piso um campo de basquetebol. Sinto-me... reunida. Provavelmente é aquilo que a pessoa com a fé mais pura sente quando entra numa igreja. Eu sinto-me ali, entre quatro linhas, reencontrada. E sinto-me em casa quando bebo Earl Grey ou quando oiço Coldplay, Novo Amor, London Grammar, Anavitória, Ludovico Einaudi. Sinto-me em casa a ler cartas escritas à mão e nas reuniões de família. Sinto-me em casa entre amigos, que são o meu chão, o meu tecto, as janelas por onde posso observar o mundo da forma que eles veem.

Sinto-me em casa quando leio um livro que diz o que sinto. Quando um amigo me ouve e entende o que quero dizer, não importa o quão disparatado seja. Sinto-me em casa quando escrevo e comunico. Quando vou ao nosso restaurante. Quando rio com gosto. Quando me dizem 'Isto é tão Inês'. 

Sou a minha casa. A minha pele, o meu cheiro, as minhas cores, as minhas sardas. As minhas (in)satisfações com o meu corpo. Os meus sonhos, os meus trejeitos, as minhas expressões. O tom da minha voz e as minhas sensações. São casa. Eu sou o meu próprio lar antes de abrigar ou procurar casa em qualquer outro lugar, pessoa, ou particularidade.

6 comentários:

  1. Simplesmente fantástico ��

    ResponderEliminar
  2. "Quando caminho por Santa Cruz e com o seu cheiro a maresia"
    Gosto de ler o teu blog Inês por várias razões mas quando escreves sobre Santa Cruz sinto-me compreendida. É a minha casa :)

    ResponderEliminar
  3. Este teu texto fez-me sorrir. Fez-me sentir em casa. Que palavras bonitas e que coração enorme tens. És linda :)

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso, aliás como sempre!

    * Intenso, genuíno, simples e cheio de memória. Parabéns! Incrível mesmo!

    ResponderEliminar
  5. Sinto-me em casa quando leio os teus posts.

    ResponderEliminar
  6. Por tudo o que conheço de ti (mais pelo mundo da Blogofera), isto é mesmo muuuuuuuito Inês *.*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)