quinta-feira, 12 de julho de 2018

PASSAPORTE || Nobel Peace Center


O Prémio Nobel da Paz é o único prémio Nobel atribuído fora da Suécia — neste caso, é atribuído em Oslo, Noruega. Um despreocupado passeio pela capital fez-nos compreender que existem dois edifícios ligados ao Prémio Nobel da Paz; um onde realmente é feito todo o trabalho relacionado com o galardão — e onde a entrada a turistas é proibida mas que, por equívoco, nos deixaram entrar e valeu pelo passeio rápido pelo interior bonito e a visita à biblioteca — e o Nobel Peace Center, um museu totalmente dedicado ao único prémio atribuído pelo país.


Confesso que não sabia o que esperar de um museu relacionado com o prémio Nobel, mas o que encontrei foi tudo menos o que imaginava; modernismo será a palavra certa para o definir, já que é um museu totalmente actual, tanto na vertente interactiva como no conteúdo das exposições — permanentes e temporárias — que reúne.


Os bilhetes são autocolantes amarelos com nomes de personalidades ou projectos que venceram o Nobel da Paz, o ano em que venceram e a data da nossa visita. Por coincidência do Universo — que eu desde já agradeço — calhou-me o autocolante da Malala Yousafzai, que tive todo o gosto em usá-lo ao peito.

Os temas das exposições têm um objectivo muito claro: fazer reflectir. São temáticas que acabam por ligar diferentes tipos de paz, o que me deixou verdadeiramente inspirada e surpreendida por se lembrarem destes detalhes. Aqui não falamos apenas da 'Paz Mundial' — seja lá o que isso for e se alguma vez a tivemos —: falamos de paz interior, paz entre sociedade, entre família, amigos, nações. Guerra, resolução de conflitos, ideias de paz e concretização irreais transmitidos por celebridades e pelo consumo, culto sexual e ostentação são muitos dos assuntos que podem encontrar nas paredes do museu, aliados a fotografias de programas de televisão conhecidos, documentários que podem assistir e testemunhos surpreendentes.




Existe ainda uma ala dedicada às crianças — onde estas podem compreender um pouco melhor do que se trata o prémio Nobel —, uma sala dedicada à vida e currículo de Alfred Nobel (e que, a meio, transmite o som de bombas a explodir a um volume assustador, para que compreendamos o que aqueles que não vivem em paz sentem na pele — e, acreditem, é aflitivo como nunca antes tinha escutado, mesmo em filmes ou outras produções —) e ainda uma sala encantadora completamente escura, iluminada por mil fibras ópticas coloridas com ecrãs digitais onde podem ver os rostos e a história de todos os vencedores do prémio. Foi a minha preferida.



Vale a pena ainda visitar a loja do museu que tem não só recordações do próprio espaço como peças de design em retalho à venda — os meus mapas estavam à venda por lá, por exemplo!

3 comentários:

  1. Estes teus posts acerca da Noruega fazem-me querer imenso fazer a mala e viajar para lá também!!

    Beijinhos,
    incontro-verso.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Nunca tinha visto fotografias do seu interior e também nunca esperaria algo tão moderno! Obrigado pela partilha!


    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

    ResponderEliminar
  3. Fico sempre fascinada com os teus posts de viagens... e estes sobre a Noruega não são excepção! Só tenho pena de não poder viajar mais, mas é algo que tenciono mudar assim que me for possível :) Mil beijinhos, querida Inês *.*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)