segunda-feira, 23 de abril de 2018

LIVROS || Feliz Dia do Livro!


No ano passado, a Sofia teve uma iniciativa incrível para celebrar o Dia do Livro e convidou-me (a mim mais algumas bloggers) a partilhar quais os livros que mais me marcaram. Este ano, voltamos a repetir a celebração, embora com um desafio diferente, mais semelhante a uma TAG que me deu muito prazer a responder — e a pensar —. No fim, o que importa é que consigamos trazer de volta a paixão de ter um novo livro na mesa de cabeceira, o prazer da literatura e a forma (comovente, por vezes) como um livro pode marcar e mudar a nossa vida (ou torná-la mais deliciosa e entretida). Uma vez mais, obrigada pelo convite e por te lembrares de mim, Sofia!



O livro que tenho há mais tempo
Já tinha livros antes sequer de nascer, mas com o tempo fui-me desfazendo daqueles com os quais não tinha mais nenhuma relação afectiva e sobraram dois muito especiais, que guardo na minha estante com o maior carinho.
O primeiro é de 1995 — um ano após eu nascer — e é uma edição especial da marca de fraldas Dodot. A minha mãe foi ao CascaiShopping de propósito para ter acesso a esta edição muito especial que incluía o nome das crianças e de alguns dos seus amiguinhos na narrativa do livro, uma história de embalar. Como eu só tinha um ano de vida, a minha mãe meteu o nome das minhas primas como os meus amiguinhos e garantiu, assim, um exemplar para mim.
Para os dias de hoje, talvez não seja uma personalização extraordinária, mas é o livro que vou guardar com mais carinho porque foi um miminho que a minha mãe quis criar para me introduzir ao mundo da leitura e das histórias antes de adormecer. Ela sempre quis que eu fosse uma leitora — e saiu muito bem sucedida na sua missão, como já podem concluir! —



O segundo é de 1998 e é a compilação dos clássicos da Disney. Conta com treze histórias que todos conhecemos muito bem (desde Rei Leão a Pocahontas) e é um dos livros mais especiais que tenho e dos quais sei que jamais me vou desfazer, não só por ser da Disney, mas porque foi este o livro que a minha mãe realmente lia para mim todas as noites, antes de eu adormecer. Escolhia religiosamente uma história para que a minha mãe lesse, e não importava que já a tivesse ouvido milhões de vezes, queria sempre ouvir uma vez mais.
Este livro guarda importantes marcos da minha infância, a começar porque eu ainda era muito pequenina e não sabia ler nesta época. Sentia muita necessidade de saber de cor as histórias para poder desvendar o código das palavras. Cheguei a saber a história dos 101 Dálmatas de cor e salteado para tentar aprender a ler sozinha. Saí totalmente falhada na missão, mas descobrimos todos, bem cedo, que tinha uma óptima capacidade de memorização, até do mais pequeno pormenor.
E um outro detalhe bonito que guardo deste livro é que, ao contrário da maioria das crianças, esta foi a minha primeira introdução às histórias da Disney, e não os filmes. Conheci a história do Dumbo, do Aladdin, da Dama e do Vagabundo anos antes de ter recebido as primeiras cassetes. Tudo isso torna o livro muito mais emblemático porque o imaginário Disney que, hoje em dia, nos faz recordar os filmes clássicos, naquela altura, vivia da minha imaginação e das gravuras. Só depois me deslumbrei com os filmes. Nos dias de hoje, seria impensável alguém dizer que descobriu os clássicos da Disney pelos livros e não pelos filmes. Acho que são estes detalhes que tornam a minha relação com os livros, desde muito cedo, profundamente importante para mim e para a minha imaginação.


O livro que tenho há menos tempo
O livro que tenho há menos tempo é O Sonho de Uma Outra Vida. Já falei sobre ele duas vezes pelo Bobby Pins, pelo que não me vou alongar — já não há muito mais que eu possa relatar sobre este livro a não ser que o recomendo, se tiverem interesse em conhecer um lado mais cru da Índia e desejam rebentar a vossa bolha confortável.



O livro que li mais vezes
Julgo que a maioria dos meus leitores já sabe que eu não sou apologista de reler livros. Com tantas histórias incríveis e autores geniais que existem por ler e tão pouco tempo, faz sentido revisitar uma história que já vive na nossa memória? Para mim, não (mas respeito e compreendo quem o faça, simplesmente é uma prática que não funciona comigo).
No entanto, abro sempre excepção a livros cujo conteúdo amadurece e transforma-se à medida que crescemos. Há livros assim (mas não todos os livros!!!), em que captamos algumas mensagens e pormenores em determinada fase de vida e, mais tarde, noutro patamar, voltamos a ler e encontramos outras tantas mensagens e conceitos que, anteriormente, simplesmente não existiam na nossa percepção e maturidade.
Como referi, são raros, e dentro desta categoria incluo O Principizinho, O Regresso do Jovem Príncipe e O Diário de Anne Frank, sendo que o que li mais vezes foi o último.


O livro que emprestei e não voltei a ver
Das duas uma: ou efectivamente sou muito disciplinada em relação aos livros que empresto, às pessoas que escolho para emprestar livros e corre tudo bem, ou a minha memória decidiu fazer-me esquecer os livros que nunca regressaram para mim para não ter um desgosto.
No entanto, emprestei o Diz-lhe Que Não a uma amiga minha e estou com a sensação de que não vou reavê-lo o que, muito sinceramente, não me preocupa nem me deixa desconsolada. Embora tenha achado o livro interessante e com um óptimo toque de humor, não me identifico com o percurso da autora na história, o que me faz sentir pouca familiaridade, ao contrário da minha amiga, que certamente encontra nas palavras da Helena um consolo e se reconhece nas ideias. Além disso, é uma amiga que tem zero hábitos de leitura, portanto, o facto de ela estar a ler, para mim, é muito mais importante e especial do que ela ficar com o meu livro ou não. Ela precisa muito mais daquele livro do que eu e tudo bem. Há livros assim. Eu ofereço-o, sem ela pedir.

O livro que já devia ter lido
Não me imponho este tipo de pressões ou de culpa por não ter lido determinado livro, porém, um que há muitos anos desejo ler e que ainda não adquiri — mas quero muito — é o do Stephen Hawkins, Breve História do Tempo e Cosmos, de Carl Sagan.


O livro com mais valor sentimental
Já falei deles, nesta mesma publicação. Sem dúvida que o livro da Dodot tem um valor sentimental enorme, mas um outro que jamais irei emprestar e que guardo com o coração todo, é O Diário de Anne Frank. Nem sequer empresto porque foi o único livro da minha vida inteira onde sublinhei, escrevi nas laterais os meus próprios desabafos ou debati algumas das reflexões de Anne. Está repleto de cavaleiros a marcar as minhas páginas preferidas e é o livro que sei que tem muito de mim lá dentro, em várias fases — porque as reflexões que sublinhei ou escrevi não foram todas feitas de uma única leitura ou idade —, o que faz com que encontre várias Inêses em várias etapas de vida e que, de alguma forma, se identificaram com a adolescente escondida no anexo.
Foi o livro que nunca dividi com ninguém, porém, quero dá-lo. Não sei se me faço entender porque parece confuso eu querer dar um livro que guardo de forma tão protectora, mas no fundo quero dar apenas a alguém que eu acho que pode verdadeiramente merecer o livro tal como ele está e compreender a importância do meu gesto, da minha doação. Não poderá ser uma pessoa qualquer nem uma decisão de ânimo leve. Eu vou oferecê-lo, um dia, depois de muito reflectir quem é que sei que vai guardar este livro de uma forma tão profunda como eu guardaria e compreender a Inês que está guardada no interior daquelas páginas.


O livro que foi uma autêntica pechincha literária
O imbatível Soulsurfer! Adquiri-o nas minhas férias de Verão, numa feira do livro da Bertrand no interior do Glicínias e estava ao preço (inacreditável) de 2 euros. Edição nova! O valor não faz jus ao livro, que achei maravilhoso, por sinal. Já escrevi sobre ele no blog, também.


(Ao comprares os livros através destes links da WOOK, estás a contribuir para o crescimento do Bobby Pins).

6 comentários:

  1. O Chip *.*
    A história por trás do livro da Dodot é maravilhosa! E acho que demonstra bem a capacidade que um exemplar tem para nos aconchegar.
    O Principezinho será sempre a minha história favorita, e faço questão de a reler todos os anos. Quero muito ler O Diário de Anne Frank

    ResponderEliminar
  2. Adoro o pormenor de o teu exemplar d'"O Diário de Anne Frank" estar cheio de marcadores! Só li o livro uma vez, no 8.º ano, acho, e acredito que é um daqueles livros que merece ser passado a alguém porque é uma história que marca quem o lê.


    Obrigada por teres participado! <3

    A Sofia World

    ResponderEliminar
  3. Da lista, só li "O Principezinho", e até já o reli também! A experiência foi completamente diferente e quero aguardar mais um ano para ver as mudanças nas minhas interpretações!
    Quero muito comprar e ler "O Diário de Anne Frank" e sinto que ando a pecar por me andar a arrastar com esta obra! Seja como for, tudo a seu tempo! \Õ/

    LYNE, IMPERIUM

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia o teu blog, mas este post trouxe-me cá e estou apaixonada! 😍
    O Diário de Anne Frank é um livro que quero muito ler, mas como sei que me vai partir o coração, ainda não o fiz
    Também tenho muita curiosidade em relação ao Principezinho, que é um daqueles livros que tenho vergonha de nunca ter lido 😅
    Beijinhos!

    Vanessa,
    http://www.acharofioameada.com/

    ResponderEliminar
  5. Eu também tenho esse livro da Dodot! Foi muito criativo da parte deles criarem um livro em que podíamos personalizar o nome das personagens, e a história passava-se na nossa própria cidade.
    Achei muito interessante o facto de não te importares de desprender de um livro e de te aperceberes que a tua amiga precisa mais dele do que tu. É muito altruísta da tua parte. Eu partilho muitas coisas, mas não consigo partilhar assim os livros, mesmo que nem goste muito deles. Por esta razão, empresto livros a poucas pessoas, só aquelas em quem confio mesmo.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  6. Participei neste desafio e só agora tive tempo de vir ler o que escreveste... e tive uma sensação super estranha quando vi o que escreveste na categoria do livro que leste mais vezes. Isto porque podia ser escrito exatamente por mim (e, por esse facto, o que escrevi na parte inicial dessa categoria foi idêntico). Vejo tanta gente a falar dos livros que leram imensas vezes, e às vezes até penso se será assim tão estranho eu não ter vontade de reler livros. Afinal, há gente como eu! *.*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)