sábado, 10 de março de 2018

PASSAPORTE || Universidade de Coimbra


Acho que nunca cheguei a partilhar convosco, mas Coimbra sempre foi uma cidade que me esteve atravessada. Uma generosa fatia dos meus familiares tirou a licenciatura em Coimbra e, ao longo dos anos, várias foram as histórias e aventuras que fui ouvindo na cidade mais académica de Portugal, pelo que o meu maior desejo era estudar lá e fazer parte da percentagem de histórias incríveis. Tive um sabor muito amargo e carregado de desilusão quando, durante o secundário, comecei a pesquisar que Universidades tinham o meu curso e descobri que Coimbra não estava na lista (nem a outra cidade que estava nos meus planos). O meu coração partiu-se e acabei por estudar na cidade que menos gostava, na altura — odiava Lisboa —. 

Não tenho nenhuma história por Coimbra — e acho que quase toda a gente tem uma história em Coimbra —, o que me fez passear pela Universidade com uma sensação muito pouco vivida, mas acabei por criar a minha própria história naquele momento, naquela viagem. Criei a minha história por Coimbra assim que a pisei.

Todo o meu passeio foi acompanhado pelas memórias que me tinham contado e das próprias memórias da minha companhia, o que tornou toda a visita muito familiar e carinhosa. É inegável que Coimbra respira espírito académico e que a cidade continua com uma identidade cativante graças a todos os estudantes que lhe dão vida e às histórias para contar, ao longo de todos os largos, praças e pólos.

Tenho de confessar que o meu olhar de fora (imparcial e sem o afecto resultado da rotina e das vivências naquele lugar) ficou um pouco desapontado com alguns pormenores, como o local onde a Monumental Serenata ocorre — agora já não me espanto quando me dizem que só foram à Serenata da primeira vez — e as condições de alguns departamentos e faculdades. Nem tudo pode ser perfeito mas, de facto, nem isso tira o encanto académico de Coimbra.

No final das contas, não me arrependo, de todo, de ter estudado na capital porque me permitiu fazer as pazes com ela (e adorá-la da forma como adoro, hoje). Tive todas as experiências académicas que desejava porque sim, é possível ter uma experiência e ambiente académico em Lisboa (ainda que as pessoas de fora e as relutantes de dentro gostem de azedar que não, é possível, só têm de saber celebrá-la nos locais certos) e não sinto que tenha perdido nada, mesmo quando sinto que deixei escapar uma outra vida paralela onde, também eu, teria feito parte da aventura académica de Coimbra. Fica para uma outra realidade.

9 comentários:

  1. Conheço muito mal Coimbra, o que é uma vergonha. Mas as tuas publicações estão a dar-me imensa vontade de a visitar!
    Mesmo que a tua experiência académica tenha sido diferente da da tua família e da que idealizaste durante o Secundário, decerto ganhaste muitas outras coisas diferentes que não poderias ganhar de outra forma! :)

    ResponderEliminar
  2. Acho que o que traz a magia aos lugares é as memórias que se criam e as pessoas que delas fazem parte.
    Tenho a certeza que eu não estaria perdidamente apaixonada por Coimbra se não fossem as minhas pessoas e as minhas memórias. Seria apenas uma cidade bonita para visitar que nada mais diria ao meu coração. Por isso, acredito profundamente que no teu coração está Lisboa, pelos mesmos motivos que no meu está Coimbra. E é perfeitamente normal e aceitável, independentemente do que terceiros possam comentar, pois os locais têm o valor que têm para nós conforme as experiências e as pessoas que vamos tendo o privilégio de viver e de conhecer.
    Um beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Apenas tive uma vez em Coimbra, há muitos anos e tenho poucas recordações do local (só mesmo a subida e ver a estátua de D.Dinis coberta de papel higiénico), mas é um sítio que gostava de voltar.
    Por onde anda a Sofia?-Instagram

    ResponderEliminar
  4. Great post darling, so nice and interesting!
    Have a nice weekend! ♥

    New post is on my blog: Visit me, Malefica

    ResponderEliminar
  5. Tal como tu, também não morria de amores pela capital no entanto, desde que passei a visitá-la mais assiduamente, apaixonei-me por uma cidade que pensava detestar.

    ResponderEliminar
  6. A nossa Universidade oferece pouquíssimos cursos, é certo. É por isso que Coimbra tem tantos institutos politécnicos e escola superiores como a de saúde, de educação, enfermagem, entre outros. Eu gosto imenso de viver cá em Coimbra e um dos meus sonhos é, precisamente, poder estudar nesta minha cidade mas não posso discordar quando te referes ao avançado estado de degradação em que se encontram certos locais.
    Ah! E sim - a zona da Sé Velha é muito mais pequena do que se pensa. :P
    Beijinho grande.

    https://apenasfrancisca.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  7. Inês, tu que estiveste em Coimbra há pouco tempo: alguma recomendação fabulosa para almoçar ou jantar? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sílvia, ambas as minhas passagens por Coimbra foram rápidas e nenhuma incluiu uma refeição principal na cidade, pelo que não te posso recomendar nenhum lugar em particular :/

      Eliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)