domingo, 4 de março de 2018

PASSAPORTE || Céu Estrelado

Tínhamos acabado de jantar e estávamos a regressar a casa, passando por Gouveia, no meio da Serra. As curvas e contra curvas, a noite escura e carregada, a condução alternada entre as luzes médias e máximas para termos algum alcance do caminho. No meio da Serra, não existiam candeeiros, luzes ou qualquer tipo de iluminação que não a dos carros ou do próprio luar. Foi quando encostámos o carro numa área fora da estrada e ouvi 'olha para o céu'.

Sou uma privilegiada e muito grata por viver onde vivo. Longe do barulho das luzes, o céu nocturno que se apresenta na minha casa é absolutamente incrível e, passem os anos que passarem, não deixo de o admirar — e as minhas visitas fazem sempre questão de me relembrar o quanto eu tenho um céu maravilhoso, todas as noites —. Mas o que se apresentava perante os meus olhos era surreal e bom demais para ser verdade. 'Fecha os olhos e conta até dez muito devagar' e assim o fiz, para adaptar a minha visão à luz nocturna, o que me permitiu ver ainda mais estrelas.

O céu parecia um espectáculo do planetário. A zona onde estávamos a circular é uma das áreas com menor poluição visual e com nenhuma iluminação artificial, pelo que as estrelas ganham todo um protagonismo único que dificilmente encontramos em qualquer outro lugar — mesmo no refugio feliz e magnífico que é a minha casa —. Milhões de estrelas e pontinhos cintilantes decoravam o céu escuro e cada constelação tinha mais definição que a anterior — como se de uma projecção se tratasse —. Amante de estrelas e do espaço como sou, o meu queixo caiu e os meus olhos brilharam. Não queria acreditar no que estava a ver, no privilégio de estar ali, numa noite de inverno sem iluminação de cidade, com um céu limpo e atípico para a época, a ver tamanho acontecimento.

Ficámos a ver as estrelas por tempo indeterminado. Se dependesse de mim, hoje, ainda lá estaria. Lamentei centenas de vezes não ter uma câmara boa para captar tamanha obra de arte natural mas preservei com detalhes uma das memórias mais inesquecíveis de viagem que guardo. E isso chegou-me. Há coisas que guardamos só para nós.

6 comentários:

  1. Wonderful post, my dear, really interesting!
    Have a nice weekend! ♥

    New post is on my blog!
    Visit me, Malefica

    ResponderEliminar
  2. Como te entendo... Também sou fascinada pelas estrelas!! :)

    Admirá-las é um privilégio ao alcance de todos...

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  3. Eu adoro tentar fotografar as estrelas (já consegui mais ou menos uma vez, está no meu instagram)! A casa da minha tia tem algum “isolamento” lumnoso pelo que, em determinadas noites o céu fica super lindo. Acredito que na total escuridão deva ser ainda mais espetacular!
    Por onde anda a Sofia?-Instagram

    ResponderEliminar
  4. Como vivo no campo, a poucos quilómetros de Lisboa tenho o privilégio dessa visão maravilhosa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também vivo no campo - dezenas de quilómetros afastada de Lisboa -, mas mesmo assim a visão não é a mesma que a magnífica que pude ver na Serra (embora também seja maravilhosa :D)

      Eliminar
  5. Não descuro um céu estrelado, aliás, a primeira coisa que faço quando saio à rua de noite é olhar para cima e ver como estão as nossas amiguinhas estrelas. Vai ser sempre algo onde encontro conforto, calma, beleza e inspiração.
    O céu estrelado mais bonito que já vi foi no Gerês, numa noite de céu limpíssimo e luzes completamente desligadas: parecia de dia, dado o aglomerado de estrelas que se juntavam por cima das nossas cabeças. Ainda hoje, eu e a Di partilhamos esta memória com muito carinho.
    O céu estrelado com mais amizade a que já assisti foi cá em Braga, numa saída noturna com as minhas pessoas, deitados num relvado, sem horas e num dia em que a cidade ficou sem luz temporariamente.
    O céu estrelado familiar mais sentimental que já presenciei foi com as mulheres da minha vida no Sameiro e numa noite de Lua Cheia.
    Obrigada por me fazeres recordar. A vida é tão simples. Até estou a chorar, porque, não tenho atentado tanto quanto devia às minhas meninas e as estrelas fazem-me reflectir nestas coisas.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)