domingo, 21 de janeiro de 2018

PASSAPORTE || Parques de Sintra


Adoro a Serra e os parques de Sintra. Os cheiros, os sons, a imensidão, o nevoeiro que, por vezes, surge e torna todo o ambiente mais assombrado. Claro, as histórias, lendas e boatos ajudam — e admito que me arrepio com algumas delas — mas, em geral, a área natural de Sintra é o local perfeito para (literalmente) me perder e deixar encantar. Não sou louca por campismo, mas adoro uma boa caminhada.

Uma das melhores particularidades destas extensões de Natureza é o facto de serem gratuitas o que, tendo em conta que nos estamos a referir a Sintra, é um alívio para a carteira. Adoro calçar as minhas sapatilhas de trilha, meter a mochila atrás das costas e ter o telemóvel pronto para captar uma imagem deslumbrante. Entre lagoas, barragens, cascatas e arvoredos, é nestes parques que encontro a paz que, muitas vezes, me falta.

Adoro o som crocante dos meus pés a calcarem os caminhos, dos pássaros que se comunicam, sempre melodiosos, dos cheiros térreos e naturais. Adoro quando o Sol consegue encontrar uma brecha no meio dos arvoredos e deixa os seus raios iluminarem os caminhos de uma forma muito gentil. As lagoas são sempre calmas e serenas, onde o reflexo se mistura com a realidade. Grutas pequeninas, escadas à escala de duendes e pequenos tesouros escondidos no meio da Natureza, que ninguém sabe muito bem precisar a localização e que se tornam numa recompensa para os corajosos e aventureiros que decidem explorar mais além.

Há todo um ambiente de mistério e tons escuros que nos faz esquecer que estamos no nosso país. Portugal privilegia-nos com tantos espaços naturais, mas nenhum tem a identidade de Sintra, com o seu ar sombrio e encantado, cheio de miradouros escondidos.

Regresso à civilização sempre de bochechas rosadas, joelhos sujos de terra por escorregar, as solas das sapatilhas numa lástima, mas sempre renovada. Passear pelos parques de Sintra — passear a sério, a pé, a sujar, a subir por onde não há escadas, a descer de pernas dobradas e mãos esticadas, embrenhar na imensidão — é uma experiência única e libertadora. É um outro mundo à nossa disposição. E à nossa espera.

8 comentários:

  1. Ando à imenso tempo a planear um passeio por Sintra... deve ser mágico! Que 2018 seja o ano em que finalmente piso essas terras! :)

    Beijinhos
    Andreia, ALL THE BRIGHT PLACES

    ResponderEliminar
  2. O parque de Sintra é tão bonito, fui lá em pequena, mas quero tanto lá voltar!

    ResponderEliminar
  3. Eu sou completamente apaixonada pela serra de Sintra.

    ResponderEliminar
  4. É um dos primeiros sítios que quero mesmo conhecer em Portugal. Falam tão bem e vejo tantas imagens e fotos bonitas que a minha curiosidade é imensa :)

    ResponderEliminar
  5. E assim fiquei com vontade de voltar ao Gerês - é a minha "Sintra" :)

    Jiji

    ResponderEliminar
  6. Uma das minhas recordações mais antigas é em Sintra, à entrada do parque onde comprei uma daquelas coisas de fazer bolinhas de sabao.
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
  7. Eu quero imenso explorar melhor Sintra. Desde que visitei o Palácio da Pena que pretendo regressar e perder-me nos Parques de Sintra e visitar todos os tesouros que nos apresenta. (:

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)