quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

LIVROS || A Cabana


Lembro-me, como se fosse ontem, de quando comprei este livro, em 2009, numa feira do livro que decorria dentro da minha escola. Comprei-o totalmente às cegas, sem ler contra-capas ou opiniões, simplesmente intrigada pelo título misterioso. Depois, quando cheguei a casa, observei o livro com mais atenção e senti uma pontada de desilusão. Não era o tema que correspondia às minhas expectativas e acabei por o adiar, até ficar nos confins da biblioteca.

No ano passado, eis que dei com o cartaz da adaptação do livro, nos cinemas. Nunca esqueci o título e recordei-me imediatamente do livro e do facto de nunca o ter lido. Assim que cheguei a casa, procurei-o e debrucei-me nele. Acho que a única coisa que posso dizer é: ainda bem que a Inês de 2009 arrumou o livro num canto. A Inês de 15 anos não iria compreender, na sua totalidade, a filosofia profunda desta história. 

A Cabana conta-nos a história  aparentemente verídica ou, pelo menos, o indivíduo assim o garante  de Mackenzie, vitima de uma depressão profunda causada pelo assassinato da sua filha mais nova, Missy. Inesperadamente, recebe um convite muito invulgar e inacreditável: Deus convida-o para se encontrarem na cabana onde Missy foi brutalmente assassinada para que possam ter uma conversa.

Este tipo de narrativas correm sempre o risco de tornarem-se fantasiosas, confusas e desinteressantes para alguém que não se identifica nem pratica nenhum tipo de religião, como é o meu caso. Mas eu gostei muito desta leitura. A história em si é inesperada e, na minha opinião, transcende a nossa imaginação, não desiludindo. As reflexões contidas nos diálogos superam a discussão da religião enquanto instituição, e discutem-na enquanto filosofia. Não é necessário seguirmos uma religião em particular para compreendermos profundamente algumas das ideias debatidas. É uma introspecção muito interessante.

Por outro lado, levanta questões acerca de certas incongruências da própria religião. É fácil identificarmo-nos com as dúvidas e incertezas de Mackenzie, aliás, eu própria também já levantei as questões que ele aponta em inúmeras discussões sobre o tema. Mas, como venho a dizer há algum tempo, eu gosto de ouvir, ler e ver argumentos contrastantes aos meus. Ideias opostas às minhas. Só assim conseguimos levar o nosso conhecimento mais além e eu apreciei ver respostas às minhas perguntas que, em outras ocasiões, não recebiam nada mais do que silêncios. Nem sempre consegui aceitar completamente todas as respostas  e não há problema porque, pelo menos, agora conheço essas respostas, e isso é igualmente importante para formarmos opiniões justas e alimentarmos conflitos argumentativos estimulantes  mas admito que muitas das respostas pareceram-me razoáveis e aumentaram a minha tolerância para determinados assuntos. Compreendi tudo, mas nem sempre concordei. Porém achei verdadeiramente interessante.

Não sei se esta será uma história, de facto, verídica, mas é inegável que se trata de uma reflexão extraordinária, estimulante para o nosso pensamento e muito interessante. Oferece-nos novas formas de observarmos questões como o bem e o mal, sermos boas ou más pessoas, sermos ou não justos. E isto é só uma pequena ponta do véu. É muito mais do que um livro sobre Deus e sobre os princípios de uma religião. É um livro sobre sermos humanos e a forma como nos comportamos uns com os outros e connosco próprios. Com um twist mágico. Recomendo muito, especialmente se tiverem uma linha de pensamento igual à minha  no sentido de procurarem abranger mais opiniões e perspectivas diferentes da vossa. Estou muito curiosa para ver como fizeram a adaptação de um livro assim.

Autor: WM. Paul Young
Número de Páginas: 246
Disponível na WOOK (ao comprares o livro através deste link, estás a contribuir para o crescimento do Bobby Pins)

5 comentários:

  1. É incrível como tu e os livros que lês têm sempre uma história de amor/amizade/encantar por trás, como terem estado 9 ANOS sem se ver e depois ter existido sintonia!
    Já tinha visto o trailer do filme, mas, talvez dê uma vista de olhos no livro primeiro :)

    ResponderEliminar
  2. Agora fiquei curiosa - precisamente por ter uma visão do mundo semelhante à tua. Como poderemos compreender o próximo, discutir ideias, explicar o nosso próprio ponto de vista, se não soubermos os argumentos do outro lado? :) Ainda lhe deito os olhos...

    Jiji

    ResponderEliminar
  3. Great post dear, so nice and interesting, love it!
    Have a nice day! ♥

    New review post is on my blog. ♥
    Visit me here: http://thestoryofagothic.blogspot.rs/
    Maleficent ♥

    ResponderEliminar
  4. É preciso um timing certo para os livros, a idade e a fase da vida são fulcrais para a forma como absorvemos a história.
    Este parece muito interessante e envolvente. Deixaste-me (mais uma vez) super curiosa ;)

    ResponderEliminar
  5. Fiquei bastante curiosa, de facto! Tenho uma sorte por estar rodeada de pessoas que, mesmo praticando a religião, têm uma visão bastante abrangente do mundo. Ainda assim, é sempre bom quando somos nós a irmos atrás da informação! Terei este título em conta, com certeza!

    Beijinhos,
    LYNE, IMPERIUM

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)