domingo, 5 de novembro de 2017

ISTO É TÃO INÊS || Mais 5 Factos Sobre Mim


Não sou baptizada. Mais do que uma vez, aqui e nas redes sociais, referi que tinha uma madrinha e um padrinho, mas a verdade é que não sou baptizada nem cumpri qualquer tipo de protocolo religioso. Os meus pais não têm qualquer tipo de laço com a religião e sempre fizeram questão de dizer que não me iriam baptizar a não ser que fosse uma vontade minha  pois eu, ao contrário deles, poderia construir um laço com a religião que eles teriam de respeitar (e tal não aconteceu) . Porém, ambos valorizam muito o propósito original (e muitas vezes esquecido) de ter padrinhos: são uns segundos pais, aqueles que, se algo acontecer aos nossos pais, vêm-nos socorrer e cuidar. Por isso, eles queriam garantir que eu teria padrinhos, mesmo que sem qualquer tipo de cerimónia religiosa. Nem foi necessário pedir porque, quando nasci, tanto a minha madrinha como o meu padrinho (que não se conheciam antes de eu nascer) gritaram, ao entrar no quarto do hospital "Sou madrinha/padrinho!".
Fun fact: Tal como o meu pai, o meu padrinho também não é religioso mas ambos ofereceram-me o medalhão da padroeira dos aviadores, sem terem combinado. Simplesmente compraram e, mais tarde, aperceberam-se de que tinham comprado o mesmo medalhão.

Detesto que me toquem nas têmporas. Da mesma forma que entro em aflição no que toca ao assunto "unhas", também entro em aflição com as têmporas. Uma vez mais, é irracional e incontrolável, não tenho qualquer razão lógica para justificar esta ansiedade com que fico cada vez que vejo alguém a tocar nessa zona da cabeça. É tão mole e tão frágil que fico com a sensação que não há osso nenhum ali, que posso mergulhar o meu dedo pela pele e essa ideia causa-me arrepios, embora seja completamente irreal. Estão a ver aquelas imagens muito relax dos spa de pessoas a receber massagens na cabeça? Fico de tal forma ansiosa que chego a ficar enjoada. E nem pensem em sequer equacionar tocarem-me nessa parte da cabeça. Eu sei, I'm a freak. Quando julgarem que são estranhos, lembrem-se da miúda que tem ansiedade com unhas e têmporas e sentir-se-ão melhor.

Invento muitas palavras. Este é, talvez, o facto sobre mim que oculto melhor no Bobby Pins, o que é curioso, visto que isto é um meio de comunicação e uma página onde escrevo. Mas a verdade é que quem me conhece sabe que invento palavras. Não é inventar formas de pronunciar uma palavra de forma diferente, é neologismos mesmo. E, normalmente, vocês não chegam ao significado através da palavra. É um facto tão natural em mim que, por vezes, estou a conversar com alguém que não sabe deste facto sobre mim e refiro essas palavras com a maior naturalidade e a pessoa do outro lado fica às cegas, até eu me lembrar que nunca lhe expliquei o que é que aquela palavra significa, para mim. O melhor de tudo é que as palavras são mesmo pertinentes  por exemplo, eu desconhecia o termo hygge mas já tinha uma palavra precisamente para a mesma coisa  e as minhas pessoas acabam até por adoptá-las, fazendo parte do seu próprio vocabulário, o que fica muito engraçado. Por aqui, no blog, não imaginam a quantidade de vezes que tenho de reler alguns textos com mil olhos para garantir que não está aqui nenhum neologismo ou a dificuldade que eu tenho em não usar as minhas palavras para descrever uma sensação, ou referir um adjectivo. Mas seria totalmente inviável fazê-lo no Bobby Pins porque iria ter de estar constantemente a explicar o que cada palavra queria dizer e iria quebrar toda a cadência da publicação. Mas ficam a saber isto, para um encontro futuro! Não tenham medo de dizer "desculpa, disseste o quê?". Por exemplo, o que vocês acham que poderá significar a palavra "garatixo"?

Oiço excepcionalmente bem. E isto não é um facto que retirei do meu auto-conhecimento ou exagero, foi um diagnóstico médico. Eu tenho uma audição excepcional, apurada e muito sensível.
Apesar de uma excelente audição poder parecer um benefício, nem sempre é bom ouvirmos o que gostaríamos de não estar a ouvir e isso não me impede de ter "audição selectiva", de vez em quando *gargalhada maquiavélica*.

Não consigo andar por casa sem ter o cabelo apanhado. É automático, assim que entro em casa, apanho o cabelo. É impensável, para mim, andar com o cabelo solto em casa. Não acho prático ou confortável, embora eu raramente saia para a rua de cabelo apanhado  a ironia . Costumo apanhá-lo num coque e mantenho-o assim até ir dormir, altura em que finalmente o deixo à solta. Aliás, o meu estado natural em casa é sempre de coque e óculos a meio da cana do nariz, estado este que só foi visto, na rua, quando estava a arder em febre e na fase final da época de exames, ou seja, em raríssimos momentos públicos!

Partilhem um facto sobre vocês comigo, nos comentários, sim?

31 comentários:

  1. Agora que penso, também tenho esse hábito de prender o cabelo. Não é mesmo prático andar com ele à solta por casa :p E se queres um facto sobre mim é que adoro colocar creme nos pés ahaha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto, mas adoro mais passar creme nas pernas, especialmente enquanto massajo os gémeos, é tão relaxante! :)

      Eliminar
  2. Não sabia que não eras batizada. Vendo a religião da mesma forma que tu vês, gostava de ter tido a opção de escolher, mas a minha família é muito católica e batizou-me logo.
    As minhas amigas são como tu, inventam muitas palavras. Quem ouve as nossas conversas do lado de "fora" não entende nada ahahahah xD.
    Eu também oiço excecionalmente bem, mas não é algo que sei por diagnóstico médico, é mesmo por autoconhecimento. No outro dia, o meu primo veio a minha casa, e eu ouvi-o a trancar o carro lá fora ( e eu moro no 3º andar) xD.
    Eu no inverno ando sempre de cabelo solto, mas no verão sou como tu, chego a casa e prendo-o logo.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito deste post e de ficar a conhecer-te um bocadinho melhor. Achei imensa graça ao facto de inventares palavras e não sei mesmo o que poderá ser "garatixo".

    E a foto está fantástica, transmite mesmo boa energia :)

    ResponderEliminar
  4. Gostei imenso deste post! Garatixo?!? Não faço a mínima ideia do que possa ser xD também destesto andar com o cabelo solto em casa, nem que seja só metade tem de andar apanhado ou se não já não é a mesma coisa!
    Um facto sobre mim: Detesto pés, tanto que mexam nos meus, como mexer nos dos outros e sou estudante de fisioterapia, agora imagina, ahaha!
    Beijinho, Ana Rita*
    BLOG: https://hannamargherita.blogspot.com/ || INSTAGRAM: @rititipi || FACEBOOK: https://www.facebook.com/margheritablog/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escolheste a profissão ideal para odiar pés :b mas também não morro de amores!

      Eliminar
  5. Vamos por partes:
    - a questão de não seres batizada mas ainda assim, teres padrinhos, é muito importante porque no caso de acontecer algo grave com os pais, os padrinhos ficam como teus responsáveis. Pergunta: não sendo batizada, é necessário ir ao Notário ou ao Registo Civil informar quem são os padrinhos na mesma, não é?

    - Têmporas e unhas. Que fun fact sobre ti!

    - Talvez percebesse o que significa "garatixo" dentro de algum contexto :p

    - Eu em casa também ando sempre de cabelo apanhado. Na rua ando com ele solto ou, quando o cabelo está mesmo em dia não, apanho-o.

    Eu estou aqui a pensar num facto sobre mim e de repente a única coisa que me vem à cabeça é que eu não consigo sair de casa sem o cabelo lavado, os olhos pintados e um pó (mesmo que não use base) só para "alisar" a pele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não fizemos qualquer tipo de cerimónia ou registo para apadrinhar. Simplesmente são meus padrinhos :)

      Eliminar
    2. Relativamente à primeira questão que mencionaste, julgo que estás a fazer confusão 😊 a questão dos padrinhos de batismo em nada se relaciona com quem, em termos legais, vai ficar responsável por ti caso aconteça algo aos teus pais, apesar de que é com essa intenção ou com esse pensamento que se escolhe os padrinhos de alguém para um “cargo” tão importante. A figura do apadrinhamento existe consagrada no código civil mas não tem nada a ver com hipóteses de batismos. A igreja só tem entra no campo do Direito no que concerne os casamentos e, mesmo aí, não é sem o olhar atento do Direito!
      Bem, desculpa ter sido tão chata mas não consegui evitar! Espero que não tenhas levado a mal este comentário 😊

      Eliminar
  6. Achei muito curioso o que os teus pais fizeram contigo em relação à religião. :)
    Um facto curioso que nunca mencionei na blogosfera é o facto da minha orelha direita ser em forma de coração. xD
    Beijinho grande.

    → nouw.com/kika

    ResponderEliminar
  7. Eu também invento muitas palavras, e sobretudo diminutivos e alcunhas para os meus amigos e professores. Dou por mim a ter de explicar a quem me refiro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alcunhas e diminutivos não é comigo, por acaso :)

      Eliminar
  8. Qual a tua palavra para hygge? :)

    ResponderEliminar
  9. Também não consigo andar por casa sem o cabelo apanhado, faz-me imensa confusão ter o cabelo na cara a tempo inteiro! ahah

    ResponderEliminar
  10. Não me identifiquei com nenhum, no entanto, achei todos eles muito engraçados, especialmente o facto em que crias palavras.

    https://norwegian-heart-portuguese-blood.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Ao contrario de ti eu não consigo andar com o cabelo preso só mesmo em caso de urgência xD Não sei se é pelo facto de ter o cabelo encaracolado e um pouco volumoso que ele não me incomoda.
    Segui o teu blog...se puderes visita o meu e se gostares segue <3
    Beijinhos

    Joie d Vivre | Instagram

    ResponderEliminar
  12. Quando li pela primeira vez a palavra "garatixo" veio-me à cabeça o sinónimo de barato. Não tem de certeza nada a ver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, Marcela, não tem nada a ver x)

      Eliminar
  13. Também pertenço ao clube dos não-batizados. Às vezes penso que tenho algum tipo de dislexia, principalmente quando escrevo no telemóvel. :p

    ResponderEliminar
  14. Ahah, adorei o facto de inventares palavras e não faço a mínima ideia do que será garatixo.xD Eu quando era pequena e comecei a falar comecei a pedir o "pitau" e ninguém sabia o que era até se aperceberem que era o biberão. Até hoje ninguém sabe onde terei ido buscar essa palavra que nada tem a ver com a original.xD

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando era pequenina, chamava o nariz de “liruliruli”. Só a minha mãe é que lá chegou, eu associava o nariz ao som que cantavam quando faziam beijinho à esquimó x)

      Eliminar
  15. Já tinha ideia de que não eras baptizada e que os teus "pais" tinham feito essa proeza do medalhão. Essas coincidências são mesmo engraçadas e dizem muito do quão bem eles se dão e se querem dar contigo.
    Isso das têmporas é mesmo peculiar, Eu, por outro lado, detesto que me toquem na parte debaixo do queixo. Não consigo explicar. Por exemplo, quando me pegam pelo queixo, mesmo que seja inocentemente e apenas para me chamar a atenção de algo, fico extremamente atrapalhada e furiosa.
    Em casa também ando sempre com qualquer coisita no cabelo, fita, totó, mola, etc. Só de vez em quando é que me esqueço ou não quero estragar o cabelo 😉
    Podias, um dia, fazer o dicionário da Inês. Ia, certamente, adorar ler essa publicação!!!
    Gosto tanto de ficar a conhecer um pouco mais de ti. Quem sabe um dia não te conheço mesmo!

    ResponderEliminar
  16. Temos um facto em comum: também não sou batizada, embora os meus pais estejam mais ligados à religião. Para ser sincera, não é algo que me afete, enquanto ser racional, apesar de respeitar o propósito de tal.
    Agora que paro para pensar... Eu já partilhei isto algures, mas até hoje, ainda não gosto de andar com chinelos dentro de casa, só de meias ou descalça. Outro facto: nunca chamei os meus pais de "pai" e "mãe" porque tal nunca me foi incutido. Trato-os por "tu" e pelas alcunhas, porém, sempre com muito carinho, eheh!

    novo blogue: "IMPERIUM"

    ResponderEliminar
  17. Eu tenho a mania de prender o cabelo, mas quando estou a fazer coisas específicas como estudar, escrever, trabalhar... é pura mania, mas sinto que me concentro melhor

    ResponderEliminar
  18. Cada vez mais gosto deste tipo de posts em que podemos conhecer particularidades das pessoas que nos escrevem :) E digamos que esses factos são até engraçados. Ao contrário de ti, eu adoro que me mexam nessa zona. Aliás, eu adoro que me mexam, ponto x) Seja nos braços, nos dedos, nos pés, cabeça, cabelo, etc. Juro que adormeço.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Partilho contigo o primeiro facto, tal e qual.
    E o de ouvir muito bem, o que traz os seus inconvenientes, às vezes.

    ❥ Biju da Ju,
    juvibes.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  20. Partilho o facto de ouvir bastante bem! É certo que não está comprovado a nível médico, mas a verdade é que, quem me conhece afirma que tenho "ouvido de tísico" porque oiço os sons mais difíceis de ouvir e quase imperceptíveis, antes que alguém se aperceba deles. Mas agora fiquei com curiosidade em fazer uma avaliação mais precisa :)

    ResponderEliminar
  21. "Eu sei, I'm a freak. Quando julgarem que são estranhos, lembrem-se da miúda que tem ansiedade com unhas e têmporas e sentir-se-ão melhor."

    Nós achamos sempre que as nossas manias são as mais estranhas de todas. :)

    ResponderEliminar
  22. A minha mania mais estranha é que só consigo beber leite da marca Gresso. Ainda não provei todas as outras para saber que gosto mais mas é a marca que sempre se bebeu em minha casa.

    ResponderEliminar
  23. Temos factos em comum!Também faço parte da família não baptizada, e os meus pais apesar de religiosos nunca tiveram aquele elo de ligação com a religião, e por isso quando eu "crescesse" se quisesse ser baptizada que eles me respeitavam, tal como eu a minha irmã tive teve essa opção de escolha, e hoje em dia só lhe falta o crisma, da minha família materna sou a ovelha negra pois não tenho qualquer ligação com religião.
    Quando chego a casa, apanho logo cabelo, para mim, é indispensável, fazer qualquer tipo de trabalho em casa com o cabelo solto ;).
    E também costumo inventar umas palavras ;).

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)