quinta-feira, 21 de setembro de 2017

DAILY || Coffeehouse Feeling

Ao longos dos anos fui-me apercebendo da importância de incluirmos nas nossas rotinas - carregadas de responsabilidades, afazeres e pessoas a atender - momentos que, embora simples, façam a diferença na hora de desacelerar do dia, de abstrair de pensamentos stressantes e que nos fazem felizes simplesmente por existirem em toda a sua simplicidade e pureza. São importantes para nos relembrarmos que não há mal algum em reservarmos um momento do nosso dia para sermos quem quisermos, como quisermos e dá um sabor especial ao final dos dias.

Um desses momentos que eu adoro, ao final do dia, é de transformar o meu lugar numa coffeehouse. Gosto de meter jazz a tocar num volume baixinho, mas envolvente, de fazer uma chávena de chá - um clássico de Inês, certo? - e de ler uma revista recheada de conteúdos. Sim, poderia ser um livro, mas eu gosto da revista por um pormenor maravilhoso: a sua leveza. Seja qual for a revista que escolher, adoro esse momento porque sei que não vai ser violento nem exigente; só quero poder relaxar e saber das novidades, ler conteúdos interessantes, muitos deles enriquecedores, mas simples e que me façam, efectivamente, terminar a leitura ao fim de meia-hora, por a revista ter acabado. Um outro detalhe maravilhoso nesta rotina é o facto de ser tão offline. Talvez o Spotify seja o meu melhor amigo na hora de colocar uma playlist de jazz mas, de resto, tudo é numa realidade muito menos agitada. O tempo desacelera, a luz do dia começa a ficar dourada e a deslizar pelo sofá, a revista é de papel e não há luzes, notificações inconvenientes ou tempos limites para me debruçar sobre cada artigo e tudo tem um sabor mais natural e agradável.

Gosto de apanhar o meu cabelo, sentar-me à chinês no sofá com a revista pousada no colo e a caneca numa das mãos. Nunca a agarro pela pega porque o calor morno da loiça aquece toda a palma da minha mão e relaxa-me, quase como um efeito terapêutico (sabiam que os japoneses adoram este ritual? É por isso que as chávenas deles não têm pega). E vou lendo enquanto trauteio baixinho as músicas. Não sou esquisita ou elitista com os assuntos ou revistas que escolho. Só quero um momento para ser muito feliz e plena. São 30 minutos do meu dia que adoro fazer quando o final da semana se aproxima e que me ajudam a desligar da correria e iniciar uma rotina mais imprevisível, mais alegre, mais Inês, mais caseira ou com as minhas pessoas. Não a dispenso porque me faz feliz. E não podemos permitir que as rotinas e os compromissos levem de nós aquilo que nos faz felizes. Por mais simples que sejam esses momentos.


9 comentários:

  1. É fácil esquecer-nos de nós na correria do dia-a-dia e só quando estamos à beira da exaustão é que pensamos no nosso bem-estar. Mas já vamos um pouco tarde.
    Como tu, considero as notificações e os lembretes constantes dos nossos dispositivos stressantes, só que ainda não consegui desligar-me deles... nem mesmo ao fim do dia. Tenho que começar a adoptar esse hábito, porque parece-me um óptimo final de tarde.

    ResponderEliminar
  2. Como eu adoro esses momentos! Costumo fazer o mesmo, antes de dormir, com um livro. Ajuda mesmo a estar em paz. :)

    ResponderEliminar
  3. Adoro estes momentos. E sabes o que faço? Vou mesmo para uma coffeehouse ou para um jardim e simplesmente fico lá, a pensar, a relaxar. :)

    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  4. Estou em plena faculdade, à espera que a minha professora chegue, e ler esta publicação desligou-me, por momentos. Senti-me calma, serena, a respiração compassada e leve, e não há palavras para te agradecer por esta reflexão tão necessária e certeira. Concordo plenamente contigo e acho, de igual forma, bastante importante quando dedicamos minutos a nós e somente a nós. O chá nunca falta, a música nem se fala, tudo o resto é conversa! E é tão reconfortante, ajuda-nos a crescer imenso... Um bem bastante necessário! ♡

    LYNE

    ResponderEliminar
  5. Não só é bom, como é muito necessário fazer essa pausa. Tirar um tempo, alguns minutos que seja, para nós e para nos desligarmos de tudo o resto. Funciona mesmo como um recarregar de baterias, depois de um dia mais ou menos trabalhoso. Um grande beijinho :)

    ResponderEliminar
  6. Inês, tal como fazes para os filmes e livros, podias fazer posts sobre as tuas músicas, em especial do jazz que tanto falas :)

    ResponderEliminar
  7. Inês, tu és tão hygge! É que foi mesmo inventada para ti, tenho sempre a sensação hygge quando vejo um conteúdo teu (tanto no blog como nas tuas fotos!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou derretida com este elogio amoroso, muito, muito obrigada! :)

      Eliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)