quarta-feira, 6 de setembro de 2017

DAILY || A Belka foi à praia pela 1ª vez!


Por falta de organização e preparação, nunca chegámos a levar a Laika à praia. Sou naturalmente uma miúda muito ligada ao litoral - afinal de contas, todos os lugares que marcaram o meu crescimento e a minha vida tinham costa e eu passava a vida na areia e a enfrentar as ondas do Oeste e do Norte - portanto, era importante, para mim, tê-la levado. Teria proporcionado momentos de enormes gargalhadas e seria, certamente, inesquecível. Mas não aconteceu.

Este foi um desejo que imediatamente decidi realizar com a Belka, desde que a acolhemos. O tempo começava a passar e via-a crescer cada vez mais e a janela de oportunidade a diminuir. Não me sentia confortável em fazê-la passar por todo o processo de uma viagem de carro - por mais curta que fosse - em adulta e gigantesca. Queria aproveitar enquanto ainda tinha porte de cachorro para que tudo fosse mais fácil.

Durante a viagem, a rádio presenteou-nos com a letra da música da Miley; "I never came to the beach, or stood by the ocean". Ela mentia, mas para a (nossa) Belka, era verdade. Ela nunca tinha tocado na areia, sentido a brisa do mar, ou visto sequer o oceano.
Talvez muitos leitores olhem para todo este momento com uma certa indiferença e estranheza de que eu considere tão importante. Aliás, talvez olhem com a maior estranheza do mundo o quanto eu a considero e o quanto me importo com ela, na minha vida. Mas para quem sente a mesma ligação e companheirismo com animais como eu sinto, compreenderá a importância e o amor que sinto por estes momentos.

Fiz questão de ser eu a levá-la e fiquei emocionada quando a vi parar com firmeza para observar as ondas possantes de Santa Cruz. Não teve medo da areia (a Laika iria demorar muito mais tempo a tocar neste novo solo) e a sua expressão de Calimero abriu-se com uma língua de fora satisfeita, um focinho muito activo a cheirar todos os novos odores e uns olhos rasgados e satisfeitos.


Teve muito medo do mar e a espuma branca assustava-a, mas isso não a impedia de se aproximar para tentar compreender o que era aquele grande monstro que lhe molhava as patinhas. Também teve medo das penas das gaivotas que pousavam perdidas na areia e que voavam na sua direcção ao sopro do vento. Fugia delas, ladrava-lhes e tentava passar uma coragem que não tinha.

A certa altura, arriscámos soltá-la e deixá-la brincar. Desmanchei-me em lágrimas de felicidade por poder correr com ela junto ao mar, por sentir o vento no rosto enquanto brincava à apanhada com ela. Deliciei-me por poder cair na areia e rebolar com ela, por ensiná-la a escavar na areia, por ver o seu focinho coberto de areia. Quanto mais solta se sentia, mais feliz ela ficava, rebolando, saltando, cheirando tudo e regressando de volta aos meus braços para me picar para corrermos mais, brincarmos mais, rebolarmos mais.


O plano não era ficarmos durante muito tempo na praia mas, a certa altura, o cansaço venceu-lhe e adormeceu deitada na areia. Não fomos capazes de a acordar. Ela exalava satisfação por estar deitada num solo quentinho, com os raios solares a aquecerem a sua barriguinha cheia de manchinhas, por sentir a brisa fresca a poupar-lhe do calor do verão. Adormeceu profundamente e chegou até a ressonar! E nós ficámos ali, perto dela, a conversar até que ela acordasse.



Foi um dos dias mais felizes da minha vida. Não só porque estive num dos lugares onde sou mais feliz com a minha companheira. Eu levo muito a sério a ideia de proporcionarmos momentos felizes aos nossos patudos. Se eu posso e tenho condições para dar uma família, eu dou. Se posso mimá-la um pouco mais, eu mimo. Se posso proporcionar-lhe um momento mais feliz e inesperado, eu tento. E eu queria muito que ela conhecesse um ambiente diferente, desafiante e novo, que ela nunca antes sonhara que existia. Fico com um aperto no coração quando me recordo que há inúmeros patudos e pessoas que nunca conheceram o oceano, o mar. E eu queria que a Belka soubesse que existe - mesmo que o tema. Eu também já o temi.

Ela faz-me muito feliz e ajudou-me em alguns momentos muito difíceis deste ano. Se eu posso retribuir e deixá-la feliz também - como a deixei, ela adorou a praia - sinto-me menos waste of space do que me sentiria se guardasse o oceano só para mim. Dos 23 desejos realizados (24 com o mergulho, em abril), acrescenta-se este. Dos mais especiais.

17 comentários:

  1. Fico tão feliz por ler sobre um momento tão feliz e especial na tua vida :)

    ResponderEliminar
  2. Não gozes comigo nem me aches estranho, mas sempre que falas ou mostras a Belka, eu lembro-me daquela música do Tarzan "You'll Be In My Heart"!

    ResponderEliminar
  3. Que post tão lindo!
    Compreendo completamente já levo a minha Lucy à praia desde novita e ela sempre adorou! Quando era mais nova corria atrás das ondas e tentava mordê-las - agora já não o faz porque os anos já não perdoam - mas continua a adorar estar dentro de água e de escavar buracos e posteriormente rebolar-se dentro deles! É uma felicidade imensa vermos os nossos bichinhos felizes!
    Beijinhos,
    http://www.anaslogic.com/

    ResponderEliminar
  4. Meu Deus!! Quanta ternura! Não aguentooooo!! Não vinha preparada para este post! Olha: <3 <3 <3 <3 <3 só tenho corações! <3 <3 <3 <3 <3

    Um beijinho dourado,

    Catarina

    ResponderEliminar
  5. Este amor que demonstras pela Belka (e já demonstravas com a Laika) é das coisas mais bonitas de sempre! Nota-se que é genuíno e puro e sentes essa ligação com todo o teu coração e emoção. E isso é tão bonito e só faz de ti uma pessoa ainda mais bonita! E as fotos deste dias estão lindas, já agora :)

    ResponderEliminar
  6. Entendo bem esse teu amor pelos animais. Adotei a Sasha há uma semana e pouco e quando ela crescer mais um pouco também tenciono levá-la à praia :)

    ResponderEliminar
  7. Fico com um sorriso enorme sempre que puplicas sobre a Belka. Consigo perceber o enorme carinho e amor que tens por ela. É muito bonito, Inês.
    Também tenho privilégio de viver perto do mar e sempre que posso é um dos passeios que faço com o Óscar, o meu companheiro de quatro patas :)

    ResponderEliminar
  8. Que coisa tão linda!!! Infelizmente também não tive oportunidade de levar a minha companheira à praia e vendo estas imagens e lendo tudo o que aconteceu contigo, fico com pena de não o ter feito!! Tenho de ver se trato deste assunto!!

    Beijinhos!
    Black Rainbow Instagram

    ResponderEliminar
  9. Que fotografias incríveis!
    Ainda bem que conseguiste esse desejo... é tão bom vermos os nossos melhores amigos felizes *

    ResponderEliminar
  10. É tão lindo a forma como falas da Belka. Nota-se amor nas tuas palavras. É igualmente bonito e terno quereres proporcionar bons momentos à tua "patuda". E não é nada de estranho a importância deste momento, afinal o cão (ou cadela, neste caso xD) é mesmo o melhor amigo que se pode ter, e merece todos os mimos, e uma ida à praia, para quem tem uma forte ligação ao mar, é das coisas mais belas da vida...

    ResponderEliminar
  11. Percebo bem, levar um cão à praia pela primeira vez é sempre especial, ainda por cima em Santa Cruz :)

    ResponderEliminar
  12. Que linda publicação! Também tenho um desejo enorme de levar o meu Toby à praia ou ao rio mas ainda não tive oportunidade. Antes tinha uma cadela chamada Nina - que infelizmente morreu - e levava-a imenso ao rio. Ela adorava e eu fica mesmo feliz por vê-la tão contente na água. :)

    https://batomebotasdatropa.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  13. Inn, as tuas publicações sobre a Belka deixam-me de lagrimas nos olhos. Adorava ter um patudo!

    ResponderEliminar
  14. E são momentos como este que vale a pena guardar no coração =)
    As fotografias estão todas lindas mas a fotografia em que ela está a rebolar, conquistou-me completamente.

    ResponderEliminar
  15. Adorei o post. :)
    Vê-se que gostas mesmo da Belka, e ela de ti.
    Compreendo bem, eu adoro animais, até dizem que exagero, mas gosto mesmo, e tenho pena de não poder ajudar todos os animais de rua. :(
    Essas fotos estão mesmo amorosas.
    Sê feliz com a patuda :)

    ResponderEliminar
  16. Que leitura deliciosa, Inês! Escrevo-te este comentário a sorrir, pois compreendo perfeitamente a ligação com a praia, embora não tenha crescido perto de uma. Todavia, há um não sei quê de extraordinário na areia, no mar, na brisa, que me torna numa pessoa mais feliz. E foste muito boa por teres proporcionado esse momento à tua patuda, pois acredito que algo nela se modificou para melhor, ao se reconhecer numa família tão aberta aos pequenos detalhes e experiências!

    Espero que tenhas mais oportunidades de a apresentar a outras atividades de igual importância para ti, e por mais sorrisos luminosos nesse rosto! Beijo grande,

    LYNE

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)