quarta-feira, 14 de junho de 2017

FAMÍLIA || Olá, Belka!


Apesar do enorme vazio e dor que a partida da Laika nos deixou - que ainda perdura e que, sinceramente, sinto que ficará comigo, para sempre - sabíamos que queríamos continuar a ter patudos na nossa família. Eu sei que esta não é uma visão tão comum assim, especialmente quando perdemos os nossos melhores amigos; há várias formas de ir lidando com a dor e com a saudade e nem toda a gente suporta voltar a ter um companheiro porque o que partiu é insubstituível. E é. Nunca vão encontrar outro igual. Mas eu gosto de ver as coisas duma perspectiva mais alegre: eu tive condições para proporcionar à Laika a vida mais regalada e feliz possível e quero poder proporcionar isso a mais um patudo. Quero dar, uma vez mais, uma família a uma amiguinha.

Confesso que não sabia muito bem como iria lidar com todas as emoções, mas quis participar em todo o processo e, quando a ninhada nasceu, fomos visitá-los. Eram cachorrinhos tão pequeninos que pareciam porquinhos da Índia, minúsculos e frágeis, com uma mãe gigante e protectora a cuidar deles. Não sabia como escolher; a única vez que tinha participado num processo semelhante, tinha sido a Laika a escolher-me; poupou todo o meu trabalho. Como me iria decidir entre todas as fofuras que ali estavam?
O meu pai e a senhora do canil foram pegando em alguns para os vermos mais de perto. Eu dava festinhas em todos eles, mas eram tão bebés que nem reagiam; permaneciam quietos e aconchegados nas mãos, a dormir. Até que o meu pai pegou nela e a magia aconteceu; no meio de todos aqueles pequenos dorminhocos, ela, de olhos bem fechados, levantou a muito custo a cabeça, farejando na minha direcção, e esticou as duas minúsculas patas dianteiras para mim. O meu coração derreteu por completo e peguei-lhe imediatamente ao colo, onde ela se aconchegou no meu peito, pousou a cabeça no meu antebraço e, com a língua mais microscópica que eu já tinha visto, deu-me uma lambidela. Mais uma vez, o meu trabalho foi poupado; ela é que me tinha escolhido e eu não me importei nada.

É uma Rafeira Alentejana, chama-se Belka e o nome não podia ser outro, espacial também. A Laika foi a cadela pioneira, a corajosa que se atreveu a ir ao espaço, onde nunca antes um ser vivo se atrevia a ter ido. Mas não regressou e morreu em órbita. Foi mundialmente famosa e acarinhada. Mas um segundo par de cadelas fez, igualmente, História no universo dos programas espaciais: Belka e Strelka; duas cadelas russas que conseguiram o impensável: foram ao espaço mas, pela primeira vez na História, regressaram. Foram os primeiros seres vivos a ir ao espaço e a regressar à Terra sendo, portanto, também muito emblemáticas.



Um mês depois, voltámos a visitá-la para ver como estava agora, mais crescida. Fomos acompanhando as fotos e vídeos que os criadores publicavam com tanta assiduidade e estávamos desejosos de poder vê-la mais autónoma, de olhos abertos e, com certeza, mais reguila. O meu coração acelerou quando a senhora a estendeu para os meus braços; ali estava ela, ao meu colo outra vez, com o seu olhar melancólico, as suas sardas no nariz e a mancha na cabeça igual à da mãe. Do nada, deu um pulo, meteu as patas nos meus ombros e aninhou a cabeça no meu pescoço, como num abraço. A melhor emoção do mundo. Como se fôssemos amigas desde sempre, desde a vida toda, e estivéssemos a reencontrar-nos e a pôr o amor em dia. Estou radiante por voltar a sentir esta alegria de ter uma companheira de quatro patas.


6 comentários:

  1. É super linda, Inês. Fico muito feliz por ti! :)
    Beijinhos grandes e muitas felicidades para ti e para a Belka.

    http://bloomblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. É linda, Inês! E o nome não podia deixar de ser especial. Tal como tu, também dei as boas vindas a um novo patudo pouco tempo depois de termos perdido o nosso Simão. E a dor da perda não deixa de existir, mas a possibilidade de lhes proporcionarmos uma vivência alegre e repleta de amor, é inigualável.
    Muitas felicidades para esta nova vida e muitos mimos para a Belka!

    ResponderEliminar
  3. Que cachorrinha mais fofinha, que amor! Fico tão feliz por voltares a ter uma companheira em casa! Tenho a certeza de que já conquistou um lugar especial na tua família e no teu coração :)


    A Sofia World

    ResponderEliminar
  4. É tão linda! Infelizmente, os únicos companheiros de quatro patas que tive/tenho são os do meu namorado, portanto apesar de gostar imenso deles e considerá-los parte da família nunca senti que fossem verdadeiramente meus até porque nunca vivi literalmente com eles. Lá em casa, dizem que sou a "tia" deles. No entanto, gostaria muito de um dia poder ter um patudo - como tu lhe chamas e que achei amoroso - em casa :)

    ResponderEliminar
  5. Há patudos com sorte e a Belka tomou a melhor decisão da vida dela! É de louvar que mesmo ficando com um buraquinho no coração desde que a Laika partiu que tenham continuado a achar que tinham imenso amor para dar e tenham dado a oportunidade de uma vida feliz a uma nova cadelinha. Ela é super fofinha e distinta! Vai ser engraçado ver a Belka a crescer, a descobrir o mundo e a tornar-se numa grande numa companheira para todas as ocasiões :)

    ResponderEliminar
  6. Mas que patuda mais bela! *-* Acho fascinante dares nomes às tuas cadelinhas conforme esses factos históricos e científicos. Muito original!
    Tenho a certeza de que a Belka será a mais sortuda por estar na tua família, e espero que vocês sejam muuuito felizes e vivam muitas boas aventuras! ♥
    Beijinho grande,

    LYNE

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)