quinta-feira, 25 de maio de 2017

PASSAPORTE || Voltei para os teus braços, Aveiro


O regresso não foi planeado, nem sequer esperado, mas necessário. Com o tempo a contar e muitos locais a atender, fomos para Aveiro para um dia em completa correria. Ainda assim, eu fui de coração sorridente. Ia regressar aos braços de uma velha casa.
Aveiro é sempre um espaço de refúgio, para mim, seja qual for o motivo de visita. Sinto que, em grande parte, se deve por ter marcado tão fortemente a minha infância e crescimento; a maioria das minhas recordações de infância, das minhas memórias de adolescente, as aventuras felizes, as asneiradas, as histórias que ficam para contar, foram em Aveiro, em Ílhavo, na Costa Nova, na Praia da Barra, na Vagueira...

E sempre que regresso, as coisas já não estão iguais mas a essência permanece, imutável; o sítio que me viu aprender a andar numa bicicleta azul, sem rodinhas, em cinco minutos - com o meu pai todo orgulhoso e vigilante -; os parques onde a minha mãe gramava pastilhas gigantes porque eu queria ficar horas ao baloiço; os lugares - agora fechados, por culpa do tempo que não volta atrás - onde íamos parar depois de uma noitada de tasquinhas; o Estádio, onde passávamos horas depois de um jogo; o Autocarro Bar, palco da maior parte das nossas noitadas; o Fórum, onde fizemos um combate de pipocas épico, minutos antes de o Harry Potter e o Príncipe Misterioso estrear.

Há qualquer coisa de puro, que eu deixei ali. Uma inocência que já não volta - e é natural que não volte, faz parte -, uma Inês novinha e doce, uma Inês adolescente e a aprender a conhecer-se. Quando regresso, abraço todas essas memórias e reencontro-me com os lugares que me fazem feliz.

Deu para fazer o essencial, rever a família, dar o apoio que a nossa pessoa necessitava, comer as coisas que mais tinha saudades, nos sítios que queria. Deu para me sentir mais Inês que nunca, porque é um local que respira o meu nome, onde adoraria morar. E despedir-me custa sempre, especialmente quando é um Olá curtinho. Fico sempre com o nó na garganta, o apertozinho no coração. Mas sempre tão feliz. Sou sempre tão feliz, em Aveiro. Cidade de muita gente e onde muitas pessoas da minha vida já lá passaram, em visitas longas, em visitas rápidas. Mas, a essas pessoas, eu peço que me permitam o egoísmo: Aveiro é minha. O meu lugar. O meu refúgio. O lugar mais Inês do mundo. Que me recebe sempre de braços abertos e de lágrimas nos olhos, dizendo-me "Oh Inês, tinha tantas saudades tuas, gaiata!"

8 comentários:

  1. Visitar a nossa "terra natal" tem sempre um sabor agridoce! :)
    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  2. Visitei Aveiro e a Costa Nova pela primeira vez há dois anos e fiquei apaixonada desde então. Tem muito de especial esta terra :)

    ResponderEliminar
  3. Sinceramente, penso que ainda não tenho nenhum sítio assim para mim mas adorava tê-lo! E que descrição bonita, deve ser incrível voltar a um sítio que te diz tanto e onde foste tão feliz como Aveiro! As tuas palavras aquecem me o coração!

    ResponderEliminar
  4. Aveiro foi um dos locais que mais me surpreendeu. Tão simples mas com uma beleza do caraças ;)

    ResponderEliminar
  5. Eu sou de Aveiro e simplesmente adoro a cidade!!

    Beijinhos
    That Girl | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar
  6. Quando regresso à minha cidade, o sentimento é o mesmo (;

    ResponderEliminar
  7. E eu percebo tão bem aquilo que escreves! Aveiro foi palco do início de uma história bonita e intensa da minha vida, guarda com ela a minha melhor amiga, agora em tempos universitários, marcou o início da minha etapa académica mais feliz e acertada e sempre que lá vou, sou feliz. Aconteça o que acontecer, eu faço sempre memórias bonitas em Aveiro. E juro que parece que se respira tranquilidade e paz naquela cidade! Pelo menos, para mim, assim o é. Aveiro é o meu refúgio feliz e tem um cantinho muito especial no meu coração. Pela beleza, pelas cores, pela simplicidade e pelo que me faz sentir. (E pelos ovos moles!!! Melhor doce de sempre).
    Recebe-me sempre bem, de braços abertos e deixa-me a mim, uma portuense que descobriu a cidade há poucos anos e cujo sotaque se destaca lá no meio, ser feliz!

    ResponderEliminar
  8. Percebo tão bem este post.
    Aveiro é a minha Hogwarts e tem todo o meu coração.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)