domingo, 21 de maio de 2017

EVENTOS || Cine-Concerto Harry Potter e a Pedra Filosofal


Comprámos os bilhetes em Janeiro e, desde então, fomos riscando o calendário, com expectativa, até chegarmos ao grande dia. O bilhete foi um certo tiro no escuro, porque não tínhamos lugares marcados e eu confesso que não sou muito fã da acústica do MEO Arena. Mas nem essas dúvidas impediram-nos de dar pulos de entusiasmo e alegria, como se fôssemos crianças.

Acompanhando o primeiro filme que deu início a uma saga tão acarinhada por tantos, Harry Potter e a Pedra Filosofal, esteve a Orquestra Filarmónica das Beiras, com mais de 100 músicos, a interpretar todas as músicas integrantes do filme, ao vivo. E foi um dos melhores concertos que tive o privilégio de assistir.

Quem é amante de música, como eu sou, compreende a importância deste elemento em filmes, especialmente em Harry Potter, cuja instrumentalização ainda acompanha muito a dinâmica do filme. As composições de John Williams - criador da banda sonora - sempre circularam pelos meus ouvidos e nunca passaram despercebidas durante o filme, tivesse eu a idade que tivesse. Estava, portanto, com muitas expectativas em relação à riqueza da instrumentalização, do timing - porque se se atrasassem um tempo, a música e a acção do filme já não iam bater certo - e da própria beleza que a Orquestra podia proporcionar. E não saí desiludida; tudo nos tempos perfeitos, a música envolveu o MEO Arena e trouxe ainda mais beleza para um filme que eu sei de cor e marcou a minha infância. 

Um outro detalhe que gostaria muito de salientar, foi o comportamento exemplar da plateia; num pavilhão inundado de pessoas, a Maestrina Sarah Hicks não só dominou com uma brilhante destreza e elegância a Orquestra, como também conquistou um silêncio absoluto do público, que só se insurgia para aplaudir no início, intervalo e fim do filme e nas cenas de comédia. Isto foi muito importante para que toda a experiência fosse mais bonita. Muita gente disse-me que não ia porque achava que não ia ser nada de especial; um grande erro. A fusão do cinema com um corpo tão gigantesco de músicos a tocar obras que conhecemos de cor foi envolvente, poderosa e arrebatadora. Em inúmeros momentos eu esquecia o filme e admirava todos os elementos que, lá em baixo, brilhavam. Eles conseguiram elevar a qualidade do filme e despoletar emoções mais fortes a cada acontecimento; ninguém ficou indiferente à abertura icónica e, por dezenas de vezes, eu e a Raquel segredávamos "Estou tão arrepiada!". E estávamos. O jogo de Quiddich ganhou outra intensidade, embora soubéssemos quem seria a equipa vencedora; o Voldemort rastejante na floresta proibida foi aterrorizante, como há muito tempo não o era; o jogo de Xadrez dos Feiticeiros fez os nossos corações vibrarem com a potência dos instrumentos de percussão. E a cena final, tão apoteótica, fez-me soltar umas lágrimas de emoção (eu admito!).

Eu gosto muito mais de música do que de cinema, não é segredo. Eu adoro ver orquestras, acompanhar bandas sonoras e compositores. Mas Harry Potter faz parte da minha geração, do meu crescimento. Sou fã ferranha. E não queria perder uma oportunidade destas por nada. Foi uma experiência mágica e cheia de beleza, que qualquer grande amante de música instrumental (e fã de Harry Potter) ficaria sem palavras. Harry Potter e a Pedra Filosofal foi o único, de todos os filmes da saga, que nunca tinha assistido no cinema. Hoje eu agradeço que a primeira vez tenha sido assim, desta forma.

8 comentários:

  1. Confesso que não fui por ter sido o primeiro filme, de que não gosto muito. Mas adoraria ver "O Prisioneiro de Azkaban" assim :)

    ResponderEliminar
  2. O meu filme preferido da saga é justamente o primeiro. Adoraria ter ido. :)
    Beijinhos grandes e muitas felicidades!

    bloomblogue.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Ainda pensei em ir mas acabou por não se proporcionar! Mas já imaginava que seria um concerto memorável! Se voltar a haver um concerto destes tenciono ir :)

    ResponderEliminar
  4. Eu só não fui porque já estavam esgotados os bilhetes mais baratos e só esses é que davam para mim este mês. Pedi folga antecipadamente para ontem e tudo e ... nada, infelizmente não consegui ir :(

    ResponderEliminar
  5. Se eu estivesse em Portugal, teria bilhete para ir. Tenho imensa pena de não ter conseguido :( Deve ter sido brutal!

    ResponderEliminar
  6. Que maravilha! Arrepiei-me só de ver os vários instastories que me foram aparecendo, e agora ao ler o teu relato...que pena não ter visto e ouvido ao vivo. Deve ter sido uma experiência lindíssima!

    Jiji

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)