terça-feira, 10 de janeiro de 2017

LIVROS || O Livro do Hygge


«Para a miúda mais hygge de sempre», era o que dizia no post-it que estava colado na capa deste livro, que recebi quando cheguei do trabalho e pensava precisamente nele e em quando o iria adquirir. Vê-lo nas minhas mãos foi o ponto alto desse dia e num instante enfiei-me em mantinhas para iniciar a minha leitura.

Para quem não sabe o que significa hygge e o porquê de toda esta hype em torno deste livro, hygge,(cuja sonância parece igual ao som que eu fazia quando levava cotoveladas no estômago, durante os jogos de basquetebol) é uma forma de bem-estar quotidiana. São os pequenos prazeres do dia-a-dia que nos fazem felizes. São os momentos reconfortantes que dividimos na nossa própria companhia ou com as pessoas que amamos. Aliás, a tradução crua desta palavra dinamarquesa para o português é "Aconchego" e acho que é um bom ponto de partida para a compreensão deste estilo de vida.


O Livro do Hygge, escrito por nada mais, nada menos que o presidente do Hapiness Research Institute, Meik Wiking, desconstrói esta palavra de forma a que possamos compreender e conhecer o que é esta conduta de vida. Mas o objectivo não se centra apenas em conhecer; Meik, ao longo do livro, mostra-nos como podemos ser hygge em qualquer recanto do mundo, globalizando esta procura de aconchego e bem-estar em todos os dias do nosso quotidiano.

Tenho estado numa fase mais inclinada para literatura mais leve e inspiradora. Não que os livros com histórias estruturadas não possam ser, também, leves, mas estou a gostar, por agora, de me deixar ficar nesta leitura mais suave e de conhecer diferentes histórias e/ou formas de se estar na vida. E O Livro do Hygge é tudo de bom e tudo o que precisava, neste momento. Foi o meu primeiro livro de 2017 e estou felicíssima que o seja por ser tão inspirador, para mim.


Além da minha clara identificação por tudo o que é hygge e de todos os conselhos e definições que constam ao longo das páginas, uma das coisas que adoro neste livro é que tenha tantas referências à cultura dinamarquesa - e não faria sentido de outra forma -. Apesar do propósito ser globalizar a sensação hygge, o termo nasceu na Dinamarca e Wiking faz questão de fazer muitas referências ao quotidiano dinamarquês, aos pequenos pormenores do dia-a-dia do seu país e ainda refere alguns dos lugares de Copenhaga que ele considera mais hyggelig, sem que o livro se torne num exemplar turístico. E eu acho isso incrível porque são referências tão especiais e específicas que nunca iríamos encontrar num qualquer guia turístico da Dinamarca mas que faz parte da vida e do quotidiano de um dinamarquês (e para uma aficionada por viajar e lugares novos, como eu sou, isto é absolutamente fascinante). Faz com que conheçamos a cultura dinamarquesa numa perspectiva mais familiar e menos outsider. Detalhes desde o que gostam de fazer quando chegam a casa, quais os seus programas preferidos aos fins de semana ou até o que fazem os miúdos na época do Natal.

O livro tem referências soberbas, também, em relação à gastronomia, decoração, música e moda, sempre de uma forma completa, muito descontraída e acompanhada de uns quantos gráficos de estatística muito diferentes e interessantes. A capa é um amor absoluto e ao longo das páginas encontram inúmeras fotografias inspiradoras, com um toque muito rústico, orgânico e natural.


O Livro do Hygge foi uma leitura que me acrescentou em vários sentidos. Não só me senti mais próxima da realidade dinamarquesa como também me fascinou a existência desta palavra que sempre fez parte da minha vida e eu nunca havia encontrado uma forma de a definir. É como se as coisas ganhassem uma dimensão mais profunda e especial. Pela fase de vida que estou a viver e pelos meus próprios traços de personalidade, ler este livro foi um prazer que me inspirou e que quero recomendar a qualquer pessoa que adore beber chá numa mantinha enquanto ouve a chuva lá fora. E se acrescentariam a este cenário o som da trovoada e um cafuné da vossa pessoa amada, então este livro é obrigatório para vós.

Autor: Meik Wiking
Número de Páginas: 288
Disponível na WOOK (ao comprares o livro através deste link, estás a contribuir para o crescimento do Bobby Pins)

16 comentários:

  1. Ando de olho neste livro há já algum tempo e esse teu último parágrafo confirmou que tenho razão para estar curiosa :)

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia esse livro mas agora fiquei com uma mega vontade de o ler. Parece ser super interessante!!

    Já sigo o teu espaço!!

    Beijinhos!!
    Black Rainbow / Instagram

    ResponderEliminar
  3. Parece-me uma ótima leitura! Fiquei curioso!

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia mas fiquei cheia de vontade de o ler!

    ResponderEliminar
  5. Aconselho-te "O Meu Oriente", da Jessica Athayde. Antes via este livro como mais um produto apenas para ficar bem no mercado e nas prateleiras das livrarias, como tantos outros de várias atrizes que de escritoras nada têm, mas li-o num só dia e posso dizer-te que me acrescentou imenso, pela perspetiva dela, pela viagem em si, pela abordagem que faz da ansiedade e da alimentação, pela forma de estar na vida e pelas aprendizagens que nos transmite. Um dia que tenhas curiosidade, aposta! Também é de leitura super leve, com várias imagens, letra grande q.b e de muito fácil leitura. E é muito, muito bom :)

    ResponderEliminar
  6. Adorei a maneira que descreveste o livro.
    Apesar de teres dito muito do livro, ao mesmo tempo, não disseste nada e isso interessa-me!
    Se era tua intenção deixares a curiosidade pairar no ar, parabéns! Conseguiste :)

    beijinho *

    http://cristiana-tavares.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Já temos ouvido falar muito e bem, e hoje já foi para a lista de compras ;)
    Sem dúvida que vem parar cá a casa mais tarde ou mais cedo!

    104.

    ResponderEliminar
  8. Não conhecia esse livro nem o movimento mas parece-me bastante interessante. Gostei do significado de Hygge e acho que poder conhecer uma cultura assim nesses aspectos familiares e não tão turísticos deve ser super interessante. Especialmente porque eu quando viajo adoro perder-me nas cidades sem planos nem guias só a absorver o ambiente.

    Beijinhos

    http://buongiornoprincipessa3.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  9. Vi esta sugestão de livro da Activa do mês de Janeiro e fiquei logo cheia de vontade de o ler. Depois do teu post, é quase imperativo!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Eu respeito imenso o estilo de vida escandinavo. É também o estilo de vida que quero adoptar para mim, sem dúvida. Vou procurar adquirir este livro porque fiquei curiosa. (:

    ResponderEliminar
  11. Aii que vontade com que fiquei de adquiri-lo!! Identifico-me em muitos aspetos com essa maneira de pensar e estar na vida, e pela tua descrição, penso que este é daqueles livros que preciso MESMO de ter na vida!
    Obrigada pela partilha Inês! Beijinhos!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)