segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

DAILY || Hygge Sundays


Não é segredo nenhum que não gosto de Domingos. Não são o meu dia preferido da semana, digamos assim. Mas, curiosamente, guarda consigo uma das tradições familiares que eu mais adoro dividir com as pessoas que me completam.
Aos Domingos, à noite, quase nunca fazemos um grande jantar. Aliás, quase nunca cozinhamos jantar, aproveitamos sempre algo que já tenhamos confeccionado. Mas a grande estrela destes finais de dia de Domingo nem sequer é o jantar desenrascado e sim as torradas com chá, à lareira.
Por volta das seis da tarde, com o céu escuro lá fora, acendemos a nossa grande lareira e metemos a água a ferver. Compramos sempre pão caseiro todos os Domingos de manhã para que o possamos cortar às fatias e torrar, à tarde. Da cozinha vem sempre um cheiro a chá a ferver, pão a torrar e da sala o cheiro da lenha a arder. É uma das sensações mais acolhedoras que guardo, na minha vida.
É a única refeição em que nos permitimos ficar no sofá, em frente à lareira. Desimpedimos a mesa de apoio e colocamos o chá num bule bonito. Todos temos uma missão; um escolhe qual é a série ou filme que vamos assistir, outro está encarregado de escolher as maiores canecas que temos no loiceiro e o último traz a manteiga (a normal e a de amendoim), a compota, o queijo-creme e a nutella e muitas facas.

É sempre um momento alto quando alguém aparece com uma torre de torradas caseiras fumegantes, prontas a serem barradas. O chá é essencial. Cá em casa bebemos imenso chá, de forma inglesa - sim, metemos o leite no chá e vocês não sabem o que estão a perder -. Temos canecas gigantes, em especial, para estes Domingos. A roupa quer-se o mais lounge possível e as mantinhas são cruciais. Com o filme/série escolhido e a lareira a trazer à sala e aos nossos corações um calor apaixonante, estamos prontos para a nossa sessão de torradas.

Metemos sempre o chá e o leite primeiro, para ir arrefecendo. E aqui, é de acordo com a criatividade; uma faca para ali, uma manteiga a cruzar a mesa para acolá, e vamos barrando as torradas com as nossas delícias preferidas. Ver tudo a derreter no pão é terapêutico, admito. E não há nada mais apaziguador do que sentir a cerâmica da caneca a aquecer-me as mãos, o calor pujante da lareira a deixar as minhas maçãs do gosto rosadas e o sabor de uma torrada cheia do que eu quiser no paladar. E assim vamos ficando ao longo do Domingo, assistindo ao filme e conversando, sentido o estômago quentinho e o mundo lá fora frio e distante.

As semanas são sempre agitadas, especialmente se gostarem de ser activos e intensos como eu. Uma agenda preenchida é uma agenda feliz, para mim. Eu gosto de não parar. Mas os Domingos, para mim, são para desacelerar e ficar com quem gosto, com quem faz a minha alma ficar quentinha. São para serem saboreados devagarinho e com todos os elementos quentes (directa ou indirectamente). Aos Domingos eu desacelero e deixo o mundo fluir muito devagar, para entrar em pleno numa nova semana. E eu adoro esta tradição - que já partilho com quem amo também e que me deixa completa por poder dividi-la ao seu lado -.

11 comentários:

  1. Que tradição aconchegante. Consigo imaginar o vapor a sair das chávenas, o cheiro das torradas a invadir-me as narinas, a gula por manteiga de amendoim e compota, que bela tradição. Uma excelente forma de te desligares e relaxares com quem mais gostas do teu lado. E descreveste-o como só tu o poderias fazer. Parecia que estava a ver um filme. Obrigada Inn por isto. Um beijo gigante!!! És mesmo um doce de pessoa.

    ResponderEliminar
  2. Hygge :')
    Ainda tens de me dizer que chá é que bebes com leite.. estou há tanto tempo para experimentar, mas tenho medo que fique uma bela porcaria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Preto é o ideal! Começa com pouco leite (uma colher de sopa), só para experimentar e depois, se gostares, adiciona o quanto quiseres :D

      Eliminar
  3. Tão lindo, tão aconchegante. Adoro, Inn <3

    ResponderEliminar
  4. não tenho assim nenhuma tradição com a minha família. mas confesso que adorava ter. parece ser mesmo acolhedor.
    quanto ao chá com leite, sou como a catarina, tenho medo de não gostar :)

    ResponderEliminar
  5. Não gosto de domingos, mas isso e porque vivo longe da família, por isso os domingos para mim são sempre aborrecidos, por isso ocupo o meu tempo sempre a estudar, já que nesse dia é raro ter companhia. Uma lareira é a melhor coisa nesta altura de frio! Confesso que nunca experimentei colocar leite no chá xD
    Por onde anda a Sofia?

    ResponderEliminar
  6. Só gosto de chá de limão! Mas estes momentos parecem mesmo ser das coisa mais cutes de sempre.

    ResponderEliminar
  7. Não gosto de domingos porque logo a seguir é segunda e eu odeio! Mas este dia é passado a ver filmes e séries!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  8. Só a leitura transmite uma sensação de conforto enorme! Um texto mesmo muito bonito e cheio de emoção e sentimento, obrigada pelo partilhares connosco!
    http://sunflowers-in-the-wind.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Adoro o modo como descreves as coisas/ambientes nos teus textos Inês, faz-me sentir como se pudesse lá estar a observar tudo a acontecer

    ResponderEliminar
  10. Ler este teu testemunho fez-me ficar com um peso enorme na consciência haha. Também tenho lareira mas raramente a utilizo porque acabo por passar os fins-de-semana na cama, isolado no mundo dos lençóis. Tenho mesmo que perder a preguiça, acender a lareira e conviver mais com o pessoal cá em casa :)

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)