domingo, 7 de agosto de 2016

PASSAPORTE || Havana Velha, Cuba


Finalmente chegamos à famosa Havana!!! De todas as capitais que já visitei, Havana foi a que mais superou as minhas expectativas. Foi surpreende, muito mais do que imaginava e derrubou todas as certezas que tinha sobre a mesma. Todo o sururu em volta da cidade é altamente compreensível: Havana é, numa só palavra, encantadora.

Havana é a cidade que faz mais contraste com todas as outras cidades de Cuba que visitei, o que é justificável, dado que é a capital e a cidade com mais habitantes no país (cerca de dois milhões). Se nas outras cidades, como em Trinidad ou Cienfuegos, eu reconheci-lhes pacatez e simplicidade, em Havana eu identifiquei sumptuosidade e agitação. 

Podemos dividir Havana por duas áreas: Velha e Moderna. É em Havana Velha que identificamos mais a pobreza que está inerente por todo o país; Era em Havana Velha que as famílias mais abastadas mandavam construir as suas mansões coloniais colossais e sumptuosas mas, após a Revolução, a maioria fugiu e deixou as mansões para trás, que foram envelhecendo, ruindo e degradando. São muito poucos os edifícios da cidade que receberam reparação ou reforma. Havana Velha transforma-se assim num ambiente muito abandonado onde quer que passemos, não por pessoas, mas por edifícios. Todas as ruas parecem degradadas e sem conserto. Ainda assim, identificamos a pobreza que já tinha referido por ser o ponto de moradia da maioria das famílias mais carenciadas, que se apoderaram dos edifícios abandonados ou degradados. É incrível passearmos pelas ruas e irmos observando o interior de edifícios completamente estragados mas que tinham entradas colossais, tectos de perder de vista e arames onde, em tempos, estaria um luxurioso candeeiro de tecto. Espreitamos o interior e encontramos famílias de cinco a ver televisão em sofás estragados no hall dessas mansões cheias de pó e de paredes a ruir, com escadas gigantescas e esculpidas, no interior. É um paradoxo extraordinário: uma família sem condições vive num edifício de riqueza arquitectónica digno das maiores capitais europeias, mas que ninguém deu a chance de recuperar e que se torna, simplesmente, num tecto e num abrigo.


Enormes edifícios dignos de palácios são divididos pelos cidadãos em diversos pisos, onde o rés-do-chão é utilizado para o comércio e os seus empregos (desde cabeleireiros, mercado negro de charutos cubanos, manicure, venda de quadros, mercearias) e os andares de cima para habitações. Foram imensas as casas onde eu vi que as portas de entrada eram as janelas do primeiro piso, onde o acesso era feito por escadas rudimentares de madeira. Não há portas em quase lugar nenhum, e não é difícil ver a rotina e as divisões interiores das casas na nossa passagem. Eles não se incomodam; andamos na rua e facilmente vemos os edifícios sem porta, mas com alguém a ver televisão ou uma família a almoçar pacatamente. Existem até conjuntos de casas, com claustros interiores onde estão disponíveis lojas para fazermos compras de souvenirs e cujos corredores de acesso passam mesmo pelas casas. É um mundo inacreditável e que só visto parece ser credível!


As cores típicas de Cuba prevalecem, podemos ainda entrar na antiga Universidade de Havana (absolutamente lindíssima, uma visita muito mais enriquecedora  do que a nova Universidade de Havana, que não tem absolutamente piada nenhuma e é um edifício sensaborão) e ver com os nossos próprios olhos a vida cubana no seu estado mais puro e genuíno; as crianças na rua a brincar descalças, saltando à corda ou jogando futebol, as pessoas sentadas à entrada de casa, nos passeios ou nos bancos a conversar, jogar ou ouvir música, muitas delas a vender comida caseira aos transeuntes, bicicletas por todo o lado e uma humildade sem precedentes.
Em Havana Velha eu despi-me de todas as influências, rotinas e concepções europeias. Havana Velha é um mundo por si só.


À esquerda, a antiga Universidade de Havana

Por uma questão de respeito e privacidade para com as famílias, eu não tirei fotografias ao interior das moradias.
Fotografias da minha autoria, por favor, não as utilizar sem autorização prévia

8 comentários:

  1. É impressionante a variedade de locais maravilhosos que Cuba tem. Nunca valorizei-a como deve ser, e agora é um dos lugares que eu adoraria visitar.
    É inacreditável a pobreza que existe na capital, sobretudo, como disseste, em edifícios que outrora foram ricos e majestosos.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  2. Que relato maravilhoso, Inês. E que mundo à parte mesmo! Não fazia ideia que havia essa fronteira tão ténue entre o mundo privado e a rua - é um contraste quase mágico com aquilo que nós conhecemos, e que vontade de o conhecer!

    Jiji

    ResponderEliminar
  3. deve ser uma pena ver esses edifícios lindos serem assim abandonados
    mesmo assim, fiquei com imensa vontade de conhecer
    beijinhos

    http://umacolherdearroz.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Cada vez tenho mais vontade de ir a Cuba, estou completamente fascinada.
    Beijinhos,
    http://semmediidas.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. A tua descrição foi maravilhosa... Senti-me lá de verdade :) E fiquei com imensa vontade de viajar! É tão bom sairmos do nosso nicho e conhecermos realidades tão diferentes da nossa! :)

    um beijinho,
    Sara

    ResponderEliminar
  6. qual o teu sabor de gelado favorito?

    ResponderEliminar
  7. Apesar de existir a pobreza, os edifícios coloridos acabam, de certa forma, por compensar todo o degradamento existente nos mesmos. Essas cores são capazes de dar luz às ruas; de chamar pelas pessoas; de, talvez, fazê-las querer viver mais do que um dia!
    As tuas fotografias estão incríveis Inês! Obrigada por partilhares connosco um bocado da tua viagem a Cuba!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)