sábado, 27 de agosto de 2016

FILMES || A Canção de Lisboa


Confesso-vos que estava muito curiosa para finalmente ver uma destas adaptações actuais que estão a "bombar" no cinema. Não vi as outras anteriores e, com sinceridade, não as assisti porque os comentários negativos e o feedback desiludido desencorajavam-me. Mas estava com muita vontade de assistir à Canção de Lisboa, porque é a única que eu já conhecia minimamente! 

Mas aquilo que me fez mesmo, mesmo, meeeesmo querer ir, foi a música Será Amor? Okay, é lamechas, é super mel mas não lhe resisto. Acho que é uma música que expressa tão, mas tão bem o sentimento de estarmos apaixonados. Eu sempre vi o apaixonar neste prisma: o mundo continua naquela realidade obsoleta mas, para nós - cá dentro - está perfeito. Sem retoques necessários. E é uma música que me deixa genuinamente feliz!

Então, falemos do filme e do lendário Vasco Leitão; estudante de medicina desde os tempos dos dinossauros e completamente desligado de deveres e responsabilidades, que recebe uma mesada gigantesca das tias, que pensam que ele já é médico. Eis que tudo complica quando as tias decidem fazer-lhe uma visita e ver o seu consultório. Paralelamente, Vasco dá de caras com Alice, mulher que ele desconhece, mas que o recebe com impropérios, insultos e ameaças, evocando memórias às quais Vasco não se recorda, de todo. O que será que aconteceu?

Muito honestamente, e desconhecendo se a qualidade e a linha deste filme se mantém em relação aos outros, eu acho que as pessoas estão exageradamente críticas aos filmes portugueses. Se foi o filme da minha vida? Não. Aliás, é um filme em que, abordando o amor, tem certas "frases cliché" às quais eu não me identifico, de todo! Se é um filme que poderia ser melhorado? Evidentemente que sim. Mas não foi um filme horrível nem uma perda de tempo, achei que até tinha alguma qualidade e que há por aí muitas comédias românticas (ou nem tão românticas assim) estrangeiras que o pessoal delira ou aligeira nas críticas e que são bem piores do que A Canção de Lisboa. Talvez se fosse um filme francês, inglês ou até americano, não apareceriam tantos comentários críticos, na minha opinião.
Eu adorei a fotografia do filme, acho que está soberba e achei a história fantástica. Aquece o coração. Não é um filme de Óscar, mas é um filme português, que gostei de apoiar e que não deixa de ser um gatilho para a cultura cinematográfica portuguesa continuar a apostar nestes filmes mais leves, mais populares, que saem um pouco do estereótipo ao qual familiarizamos o cinema português e que aponta para mais trabalhos com melhoria de conteúdo e qualidade. Está bem giro, recomendo!

5 comentários:

  1. eu quero muito ver esse filme, mas tem sido uma agitação, não tenho conseguido fazer nada :)

    ResponderEliminar
  2. Não gostei muito do filme para ser honesta, gostei muito mais do Leão da Estrela! Esperava outro tipo de filme quando o fui ver ao cinema!

    ResponderEliminar
  3. Dos três esse foi o único que ainda não vi. Lá está, os filmes são leves, fazem rir, eu gostei e não percebi muito bem o tal excesso de criticas que por ai houve.

    ResponderEliminar
  4. Quando fui ver o filme há duas semanas só conhecia a canção que tem passado na rádio (que acho super amorosa), isto é, fui sem expectativas. Como disseste e revendo-me na frase, não foi de facto o filme da minha vida, mas gostei. Passei um bom serão e deu para rir.

    ResponderEliminar
  5. Confesso que não é um filme que me atraia muito a ver, porque parece-me ser muito cliché, mas depois do teu post vou ter que reconsiderar e talvez vá mesmo assistir :).
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)