terça-feira, 5 de julho de 2016


Junho foi um mês muito, muito difícil. Daqueles meses que, num primeiro pensamento irracional, tive vontade que não tivesse existido e que fosse automaticamente eliminado de 2016. Mas depois o meu Grilo Falante falou mais alto e fez-me concluir algo de extraordinário: a imensidão de coisas que tenho para agradecer deste mês. Apesar de não ser um saldo totalmente positivo, em Junho eu experimentei coisas e momentos de valor incalculável.





Se há tendência que eu adoro é os ombros à mostra. Adoro os meus ombros (cada um com a sua mania, certo?) e sinto sempre que qualquer peça fica-me bem neste corte feminino que, para mim, revela nas medidas certas.
Tenho imensos tops ombro a ombro mas nenhum com este corte, da Bershka, com as mangas. Para ser sincera, sempre julguei que estes tops não me ficassem bem porque tenho braços muito fininhos e estas mangas, geralmente, ficam-me a nadar, nada bonitas. Mas resultou na perfeição com este top e foi o meu Favorito de Junho pela cor quente (adoro os vermelhos no Verão), pelo padrão, por me fazer sentir bonita, por me fazer lembrar Sevilhanas (não me perguntem porquê, simplesmente faz-me lembrar).


Ainda da mesma loja encontrei mais duas partes de cima que me deixaram maravilhada. A primeira, uma blusa/casaco absolutamente sensacional. Digo blusa/casaco porque possui este zip que, se estiver fechado, torna a peça numa blusa fantástica mas que, aberto, também o transforma num casaco maravilhoso para as noites de Verão. Adoro tantos detalhes nele a começar, uma vez mais, pela cor e padrão. Adorei a mistura de cores, as franjas minimalistas nas mangas super abertas (uma outra tendência que eu adoro) e o decote na medida certa. Por fim, os cordões finais dão-lhe os pozinhos de alegria que me convenceram a levar para casa.



A segunda foi esta t-shirt, que despertou em mim várias emoções. O meu primeiro pensamento quando a vi foi "Astronauta". Digamos que, sem dúvida alguma, esta é uma peça espacial. Pela sua textura (diferente das t-shirts habituais) pelo metalizado e pela pequena gola que dá o toque final mágico, fiquei conquistada pela peça diferente mas que é facilmente conjugável no nosso dia-a-dia. Não precisamos de coisas espampanantes (se não as quisermos) para nos destacarmos. Por vezes, basta apenas um material diferente, um brilho distinto no tecido, um corte alternativo, para tudo ficar diferente. Outro pensamento que tive quando olhei para ela foi o quanto ela me fazia lembrar o Natal. Não sei porquê, mas tem uma pinta muito natalícia, imaginava-me perfeitamente com ela na Noite de Natal. Tia, conto com o teu ar condicionado.

Fotografia do catálogo online
Por último, rendi-me a esta t-shirt quase dada da Pull & Bear. Os olhos desenhados num jeito tosco e a sua simplicidade fizeram-me imaginá-la com o meu casaco de cabedal. É tão Inês que dói. Estranha.
Habituei-vos mal. Este mês não tenho grandes produtos de corpo para vos falar a não ser do esfoliante da The Body Shop, e sobre ele já escrevi tudo, AQUI. Faz as minhas delícias.

Tenho tantas descobertas boas para partilhar convosco aqui. Primeiro que tudo, a Casanova, onde vos contei tudo ao pormenor, AQUI. Há tantos anos que a queria visitar e finalmente, este mês, tive a oportunidade de o fazer num guloso Domingo. Estou a contar com uma nova visita, talvez no Inverno, para a experimentar com as mantas que eles tinham lá guardadas.

Durante o meu estágio, uma das coisas mais complicadas para me adaptar foi a minha nova hora de almoço. Em casa sempre tivemos o hábito de fazer as refeições principais cedo mas em contexto de restauração, a hora onde mais trabalhas é a hora das refeições, o que te impede de comeres a uma hora normal ou, no meu caso, à hora que costumava comer. Para terem uma breve noção, a hora a que eu costumava almoçar em casa era a hora em que eu me preparava para enfrentar milhões de imprevistos, furacões e para chamar a atenção ou garantir que estava tudo operacional. Não havia tempo para turnos de almoço, mas a fome começava a apertar ao fim de algum tempo, pelo que tive de começar a introduzir bolachas na minha vida para não desfalecer a meio do trabalho. E encontrei estes dois snacks maravilhosos para vos recomendar.


Em primeiro lugar, estas bolachas de iogurte e frutos vermelhos. Eram o céu para mim pelo seu sabor doce e pela cobertura de iogurte por cima. Vinham em pacotes e assim podia guardá-las no bolso da bata e petiscar alguma na hora do pico da fome. Encontram-nas no Lidl e são das bolachas de frutos mais deliciosas que já comi.

Também no Lidl, encontrei este tesouro dos deuses. Eu já gosto de tortas de milho (as de arroz são péssimas) só pelo seu sabor de pipoca e também já as experimentei com alguns temperos, mas esta combinação é maravilhosa! São tortas de milho com cobertura de chocolate de leite. É divino. Os sabores ligam na perfeição e saciam com prazer. Aproveitava as horas ao computador para as picar e não pensar na hora de almoço longínqua. Para as gulosas mas maníacas da operação biquíni, está recomendado, embora eu seja a baleia que não se preocupa com essas coisas, eu simplesmente sou gulosa por tudo o que tenha chocolate. 
Finalmente estou a começar a ter tempo para entrar no universo das leituras, de novo, e apresentei-vos este apaixonante e latino romance da Laura Esquivel. Quem já leu a opinião? AQUI.
Em Junho fui a correr ao cinema para encontrar a minha querida Dory. Sobre o filme vocês já sabem que o adorei e contei-vos todos os pormenores da minha opinião, AQUI

Nem tudo foi só trabalho e stress. Houve também um pequeno tempo (meeesmo pequeno) para conhecer uma nova youtuber por quem me apaixonei, Talli Malvezzi. Brasileira mas que vive em Madrid, é um canal com ainda poucos vídeos mas que adoro os conteúdos, desde DIY, decoração, receitas, truques... É mais um canal generalista, sem dúvida, mas gosto da sua descontracção na câmara e das ideias mirabolantes para os seus vídeos. Entreteve-me e isso valeu milhões.

Ainda na onda de Youtube, encontrei esta saga de dois vídeos da Michelle Phan que simplesmente achei-os tão pertinentes que senti que tinha de os partilhar com vocês. Não tenham dúvidas de que concordo com a grande maioria dos conselhos e dicas. Considerem estes vídeos um miminho para quem estiver prestes a enfrentar estágios (sejam eles de que tipo).



O Verão chegou neste mês que passou e a vontade de músicas alegres e bem dispostas aumenta sempre. Porém, o meu mês não foi composto por muita praia e tropicalidades, muito pelo contrário, traduziu-se em muitos serões nocturnos a fazer estatística, preparar o artigo, escrever, escrever, escrever e as músicas entusiasmadas desmotivavam-me mais do que o suposto. E por isso, nesses momentos, dei preferência a melodias brilhantes mas calmas, como as de Ludovido Einaudi. Normalmente eu preparo-vos uma montagem com todas as músicas ouvidas mas a verdade é que eu acho que rentabiliza mais quando exploram por uma playlist composta. E como eu sou doida com playlists no Spotify, criei esta. No final do mês de Julho elimino-a e divulgo a deste mês e assim sucessivamente. Aqui ficam as mais ouvidas.

Junho foi um mês muito complicado, como já foi registado. Começou com duas amigas minhas a terminar relações muito antigas de namoro e que eu fiz questão de dividir a dor, as lágrimas e de reforçar as palavras de encorajamento porque elas são incríveis e merecem dar a volta por cima, merecem ser felizes. Começou com uma amiga minha a ter um acidente de carro que me fez levar as mãos à cabeça e não saber o que dizer, apenas agradecer à vida, ao destino, a um Deus que exista o facto de nada de grave ter-lhe acontecido a não ser o susto que ela jamais irá esquecer.
Mas Junho não me poupou também. Vivi um grande susto de trabalho que derrubou todas as minhas convicções e o chão. A ansiedade acumulada pela preocupação pelo bem estar de todas as minhas amigas (físico e emocional) e do susto de trabalho fez com que experimentasse, pela primeira vez na minha vida, um ataque de pânico em plena Lisboa, o que tornou o acontecimento três vezes mais assustador pela necessidade de não deixarmos passar nenhuma mensagem do interior do nosso corpo lá para fora (mais numa vertente de protecção pessoal do que de orgulho). Mas Junho não se ficou por aí e trouxe consigo muitos entraves e contra-entraves no meu projecto de estágio, que fez com que ficasse durante horas altas a fazer contas, tabelas, relações, a lutar contra o sono e a ignorar o relógio que me fazia questão de dizer que amanhã havia um dia inteiro de trabalho pela frente.
São detalhes gigantes que não se convertem, de todo, em Favoritos do mês. Porquê colocá-los aqui, então? Porque trouxeram consigo momentos de igual importância positiva e, esses sim, tornaram-se favoritos maravilhosos.
Em Junho eu amparei as lágrimas de amigas mas também tive alguém que dividisse comigo as horas vagas do dia para partilhar pizza comigo no Dia da Criança. Trabalhei muitas horas em pé mas também caminhei muito aos Domingos por esta Lisboa fora, conhecendo os seus cantinhos mais encantadores e explorando novos lugares gastronómicos que me levaram às nuvens. Tive um enorme susto de trabalho que me deixou com um ataque de pânico em plena cidade mas também tive um Diogo incrível que se pôs no carro descalço para me ir buscar e tirar dali para me levar à praia e sentir a brisa do mar. Para respirar com as ondas. Que fez questão de comprar uma pizza para dividirmos os dois, que me fez rir nos momentos em que os olhos estavam avermelhados e a boca seca. Que continuou a acreditar em mim. Em Junho eu tive muitas reuniões pesadas mas também muitas gargalhadas com a mãe, em conversas descontraídas, muitos beijinhos e abraços do João e muitas melguices do pai. Em Junho fui ao bailarico popular, onde rodopiei mil voltas ao som de música alegre com o meu parceiro favorito de danças descoordenadas e de vida. Em Junho houve fim de semana prolongado para desligarmos o e-mail e conectarmo-nos às coisas boas e culturais da vida. Visitei o Colégio Militar, o Castelo de S. Jorge e o Palácio da Vila de Sintra. Fui à praia pela primeira vez, mas continuo mais branquela que um Magnum branco. Não faz mal, porque as cores da bandeira dos cachecóis trabalharam nisso por mim, na hora de vibrar com os jogos da Selecção. Jantei no jardim, aceitei os primeiros convites de churrascadas, recebi mensagens de saudades das amigas da vida que nestas ocasiões ficam sempre desfalcadas pela ausência de tempo para se ser o que quisermos, mas que é tão bom sabermos que elas se lembram de nós tanto quanto nós nos lembramos delas. Fui a uma Feira Medieval e o Diogo conseguiu convencer-me a provar fruta desidratada, que é óptima. Almocei no nosso restaurante, sem olhar a horas e deveres. Aloquei-me num outro ambiente de estágio que foi extraordinário, onde conheci pessoas maravilhosas e com um coração tão grande como a sua garra. Fui ao cinema, às compras, demorei-me nos banhos e nos cuidados para mim porque mereço e porque também sou filha do mundo. Comi muito bolo de aniversário e pedi segundas fatias. Fui à Feira de S. Pedro e a jantares estratégicos da mãe para me pôr a sair de casa e não dar em louca (não me enganas, mãe!), andei a explicar o meu estudo aos meus pais para que eles me entupissem de perguntas para ir trabalhando a minha defesa, escrevi muito, escrevi ainda mais e dormi pouco. E no seu último dia, acabada e de rastos, com olheiras a chegar a Portimão, fome da falta de tempo para comer, sono da falta de tempo para dormir, encontrei uma viagem surpresa marcada em cima da mesa, para me fazer ver que, no final, seremos sempre recompensados por darmos o melhor de nós. Junho foi assim: inesperado e intenso, nos dois sentidos.



É inacreditável, mas tenho muito a agradecer por este mês. Tenho a agradecer as tardes livres dos primeiros dias de Junho que me permitiram ser Inês numa série de tarefas e o mesmo para o fim de semana prolongado. Por estes dias me terem permitido descansar e ganhar um pouco de paz, libertar-me da ansiedade e de muitas preocupações. Agradecer ter sido tão bem recebida no meu último local de estágio, onde o terminei. Obrigada por me deixarem fazer tão bem o meu trabalho e por alinharem nos meus projectos e ideias. Por acreditarem em mim, por os vossos bons dias para mim terem sido sempre acompanhados de um sorriso. Obrigada pela partilha das vossas histórias e confidências de vida, que jamais esquecerei. Obrigada Chef. César, por ter feito um semi-frio sem iogurte de banana de propósito para mim, especialmente num dia tão desmotivante. Obrigada Júnior, pelo abraço apertado e pelas palavras embargadas "Adorei conhecer-te". Obrigada ao Sol de Junho que ajudou a tornar os dias mais coloridos, saborosos e fáceis. 
Agradeço às minhas colegas de estágio. Junho não foi fácil para nós mas revelámos que somos feitas de ferro e que podemos com tudo. Obrigada pelo espírito de equipa, por olharem para mim e dizerem "vou ter tantas saudades tuas" e pelas promessas de que não ficamos por aqui.
Obrigada mãe. Por seres a mãe que só uma mãe pode ser. Por me abraçares de uma forma curativa, por me deixares desabafar contigo o peso do mundo que carrego quando não quero sobrecarregar nos ombros dos outros as minhas tristezas. Por teres sempre uma coisa ridícula que te aconteceu para me contar. Por me obrigares a sair de casa e me levares a jantar fora entre guerras de pauzinhos do chinês e passeios despreocupados na feira. Por teres lido vezes sem conta o meu Relatório de Estágio, quando to pedia. 
Obrigada à minha equipa. Serão sempre a minha equipa de unidade, a que criei de alma e coração. Obrigada por dizerem que "És a alegria desta casa". O que vocês não sabem é que se não fosse "desta casa" a minha "alegria" não seria a mesma.
Agradecer ao pai que tem uma pachorra elástica para me aturar.
Diogo. Obrigada não chega. Mas é o que, neste momento, só saberei escrever. Obrigada por me aceitares com cada defeito que tenho e mesmo assim gostares de mim. Por saberes sempre como arrancar um sorriso de mim, por saberes quando preciso de dormir, de chá, de mimos ou de ir ao cinema ver a Dory. Por ires comigo à praia e por dizeres sempre que estou linda quando experimento uma roupa nova ou quando estou com um pijama velho. Por me deixares ver os episódios anteriores da minha série preferida, mesmo quando não percebias patavina do que estava acontecer, mas sabias que isso me estava a fazer feliz. Obrigada por teres pedido à tua mãe para fazer camarão além das moelas sob desculpa de te apetecer muito, por saberes que não gostava das últimas mas que eu não queria que ninguém soubesse. É por isto que gosto tanto de ti. Por cuidares tão bem de mim quando a rotina não me deixa fazer isso por mim mesma.
A vida, às vezes, desafia-nos e põe-nos à prova. Experimentamos limites e erros e aprendemos com eles. Mas a vida devolve-nos também momentos incalculáveis e pessoas inacreditáveis que fazem com que tudo fique sempre melhor, só por existirem. Junho foi prova disso.

Em Julho aguarda-me a minha maior prova académica até agora e uma viagem há muito sonhada. Os nervos são muitos, a ansiedade também e a vontade de ver tudo para trás das costas ainda mais. E se o mês não estiver do meu lado, confio nas pessoas que sei que, certamente, estarão.

Nota: Todas as ilustrações presentes nos separadores são da autoria de Evelyn Henson.
Fotografias da minha autoria, por favor, não as utilizar sem autorização prévia

15 comentários:

  1. Toda a força do mundo para ti ! Porque mesmo as pessoas mais fortes e capazes, por vezes têm de quebrar e expulsar o que acumula aqui dentro e faz o coração apertar. Que Julho te traga força para a prova académica, motivação para a viagem, paz de espírito e calma! Respira fundo e pensa: o que estava aí dentro, já foi expulso. Não te define. Não está aí mais. E tu és muito mais que isso :) e abre espaço para te sentires bem, motivada, com confiança em ti mesma. Sinto que não disse exatamente o que queria, mas podes confiar que percebo essas manifestações. E acredito em ti :)
    Mais uma vez, força! ❤

    ResponderEliminar
  2. tanta coisa boa! boa sorte :D

    beijinho
    the-not-so-girlygirl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  3. Por muitas que sejam as dificuldades, haverá sempre um dia que nos diz: Já passou. Agora podes estar bem. Está tudo bem, de novo.

    E esse dia está perto. Bem perto! Vais arrasar, Inês. :)

    ResponderEliminar
  4. És apaixonante de ler, Inês! Tenho que ir já ver esses canais de youtube! Que julho te traga descontracção e dias muito felizes, tu mereces!

    Inês, posso sugerir-te coisas deliciosas para experimentares? :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com certeza que sim, Leonor :)

      Eliminar
    2. É que há coisas tão deliciosas que vale mesmo a pena partilhar! Não sei se tens um supermercado Aldi perto de ti mas aquilo é um poço de coisas deliciosas! Primeiramente, o bolo do caco que fica de babar quando torrado e com a manteiga de ervas deles (ou a de alho, mas a de ervas é muito melhor!), já estou a salivar! O incrível gelado de caramelo/doce de leite que é provavelmente dos melhores que já provei e ainda as bolachas mega gordichonas com caramelo no meio!

      Eliminar
    3. Há Aldi em Torres, sim! E já experimentei algumas dessas coisas que já falaste, são óptimas!
      Gosto também porque eles têm temperos orientais mega diversificados e ingredientes difíceis de encontrar noutros hipers :)

      Eliminar
  5. Inês, é um gosto ler-te. É um gosto ver a forma como consegues ver o lado bom em tudo, isso faz tanta falta a todos nós! Muita força, e que Julho te corra bem melhor! <3

    Jiji

    ResponderEliminar
  6. Adoro sempre os teus favoritos! :)
    Deste gostei imenso do primeiro top e das tortas de milho com cobertura de chocolate!

    ResponderEliminar
  7. Inês, as publicações dos favoritos são geniais! Que prazer enorme poder ler estas coisas! Um beijinho enorme :)

    ResponderEliminar
  8. os teus favoritos são os que eu mais gosto de ler! São simplesmente incríveis.

    ResponderEliminar
  9. Olá inês :D
    Os favoritos estão deliciosos como sempre. Perguntinha: quanto é que deste pela blusa/casaco??
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Os teus posts de favoritos são um dos dois que mais gosto de ler na blogosfera, sem dúvida! E já que estamos numa de deixar as coisas más para trás, eu venho pedir desculpa. Independentemente de ter ou não razão, gosto sempre de me desculpar (há quem chame ingénua e é feitio) e como quero ficar de consciência tranquila, venho pedir-te desculpa. Eu sou a anónima do post que gerou alguma polémica sobre a partilha de matérias na universidade. Não sei se do teu ponto de vista, falei mal ou não e ainda tive uns minutos a pensar no que escrevi e não queria de todo ser má naquele aspecto. Apenas dar a minha perspetiva, sem confusões e dramas. Por isso, se levaste aquilo a peito ou a mal peço desculpa aqui. Infelizmente não posso dar a cara porque não tenho conta, mas desde já fica aqui registado. Espero que aceites o pedido e que os maus pontos de vista fiquem em Junho. Beijinhos :)

    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tens de pedir desculpa por teres uma opinião completamente distinta da minha! Também tenho amigos meus exactamente com a mesma opinião que tu e a minha resposta é a mesma, embora respeite o seu ponto de vista :)
      Foi um tema que gerou polêmica e acredito que assuste um pouco, mas foi uma polémica saudável! Eu gosto de ler a opinião de outras pessoas, especialmente se for educada e diferente, como foi o teu caso! Uma vez mais, nada a desculpar :)

      Eliminar
  11. Consegues sempre surpreender-me! É inacreditável a forma como nos consegues cativar e transportar para um mês que já lá vai, mas que mesmo assim aqui permanece... De uma mulher tão forte e capaz, não esperaria outra coisa que não uma superação, uma prova de que tendo as pessoas certas ao lado, a Inês consegue vencer os seus demónios e aprender com eles! Apesar do teu mês de Junho ter sido um meio termo para tudo, espero que as coisas melhorem neste Julho que tanto promete! Muita boa sorte para o futuro, e nunca te esqueças, nunca deixes de ser a Inês linda e maravilhosa que és!

    Beijinhos!
    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)