terça-feira, 1 de março de 2016

FILMES || Room


Joy foi raptada aos 17 anos e trancada num barracão pelo seu raptor "Velho Nick", com quem teve um filho, Jack. A história começa quando Jack faz o seu 5º aniversário mas, tendo ele nascido num barracão pequeno que a mãe intitula de "Quarto", Jack nunca conheceu o mundo lá fora. Tudo o que conhece e a sua realidade encontra-se entre quatro paredes que divide com a mãe.

O incrível de Room, é que consegue fazer uma mistura equilibrada de duas visões da mesma situação; Por um lado temos Joy, uma mulher completamente infeliz por estar há 7 anos raptada, sofrendo de abusos, trancada e maltratada mas que tenta não transparecer essa infelicidade ao filho pequeno e faz de tudo para o ver feliz, protegido e cuidado.
Por outro lado, temos a versão inocente e doce de Jack. Curioso com o mundo lá fora, a realidade é o seu quarto. Pergunta-se sobre o que será real ou apenas imaginação e se o que vê na tv (as pessoas, os programas, os desenhos animados) é magia. Durante todo o filme vai relatando-nos como é viver no "seu" quarto (e depois no mundo lá fora), com descrições tão doces que é impossível não sorrirmos.
Desesperada e com vontade de dar ao filho uma vida melhor, Joy inventa um plano para conseguir libertar o filho do seu quarto e mostrar-lhe que o mundo é tão maior do que ele pensa.

Apesar de o filme cativar-nos principalmente pela doçura, inocência e curiosidade de Jack, não nos deixa abstrair da temática real do filme: estamos a falar de um rapto de uma menina de 17 anos que, ao ver-se livre já é uma mulher (por dentro e por fora) e com um filho de 5 anos nos braços. Ser livre, infelizmente e a nível psicológico, nem sempre significa ser feliz instantaneamente e todo o processo de adaptação da nova vida de Joy, as conversas, os sentimentos e a própria adaptação de Jack em relação a um espaço infinito cheio de coisas e pessoas está muito bem caracterizadas. Os detalhes psicológicos estão muito bem demarcados, os pequenos comportamentos, as questões, as discussões. Como se volta a uma vida que já não reconhecemos? Está tudo lá. E um filme que pensa nestes detalhes todos só pode ser maravilhoso.

Room deixa-nos com as emoções à flor da pele. A confusão para perceber tudo o que se passa, a doçura que sentimos pelo pequeno Jack (que miúdo mais adorável), a tristeza que partilhamos com Joy, a raiva que sentimos pelo Velho Nick. Ficamos tão depressa angustiados e nervosos com todo o processo de fuga como, no momento a seguir, partilhamos com Jack o deslumbramento do mundo. E no meio de tanto profissionalismo, a Academia deixar escapar a prestação de Jacob só vem a dar-me razões para não gostar nem dar a mínima credibilidade para estes senhores.

Ensina-nos tanta coisa especial; A força dos laços familiares, o amor verdadeiro (existe, senhores, não faz parte apenas das princesas da Disney), a inocência, a auto-valorização. Desafio-vos a não chorarem neste filme. Para mim foi um choque de realidade tão grande que me fez valorizar muito mais tudo à minha volta. O privilégio de ver o mundo. De ter uma família do meu lado. De ter pessoas que me amam do meu lado. O privilégio de ser livre e de ser feliz. A maior lição de Room. Não é recomendável ver este filme. É obrigatório ver este filme.


13 comentários:

  1. Já não é a primeira vez que consigo observar que este filme é, de facto, muito especial! :) Uma colega minha ficou exactamente como tu! Chorou tanto! E eu estou tão, mas tão curiosa para vê-lo! Obrigada, despertaste-me ainda mais a curiosidade, Inês :)

    ResponderEliminar
  2. Quero mesmo ver isto! Vou tentar tirar um tempinho hoje a noite :)

    ResponderEliminar
  3. Pelo que disses-te, quero imenso ver o filme!

    ResponderEliminar
  4. Ontem vi esse filme e partilho tanto da tua opinião! Jack prendeu-me ao ecrã, pela doçura, pela sua prestação e talento. Ainda hoje veio-me à cabeça a cena na carrinha, aquela expressão facial quando viu pela primeira vez o céu. Que talento.

    ResponderEliminar
  5. Confesso: só li o primeiro parágrafo. Quero MUITO ver este filme...e depois venho cá opinar. Mas assim lendo na diagonal já vi que gostaste :)

    Jiji

    ResponderEliminar
  6. Não vi, mas quero tanto ver esse filme!!! Bolas, toda a gente na blogosfera está a aumentar-me muito a lista de filmes que eu quero ver, mas a faculdade gasta-me o meu tempo todo e ainda não tive tempo de ver nenhum.
    A fazeres posts assim é difícil eu conseguir-me concentrar em Farmacologia xD.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  7. Vi o filme no domingo á tarde e partilho a mesma opinião que tu sem dúvida alguma :-)
    OH DEAR JOANNE

    ResponderEliminar
  8. Sem dúvida um dos meus filmes favoritos do ano passado. Fartei-me de chorar! Assim que o terminei tive a certeza que a Brie ganharia o Óscar, dois meses depois, dito e feito haha.

    Ricardo, The Ghostly Walker.

    ResponderEliminar
  9. Este está definitivamente no top da minha watchlist. Quando perguntei a uma amiga se valia a pena ver, só me disse "Prepara os lenços porque vais chorar".

    ResponderEliminar
  10. Adorei este filme! (: Realmente foi uma pena o pequeno não ter sido nomeado, merecia-o completamente, deixou toooda a gente apaixonada por ele!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  11. Se gostaste do filme tens mesmo de ler o livro :)

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)