terça-feira, 29 de dezembro de 2015

2015 || TOP15 Coisas Aleatórias


Mesmo que sejamos as pessoas menos materialistas do mundo, um ano não se faz sem coisas preciosas que nos ajudam a torná-lo mais fácil, simples, embelezado ou cheio de bons momentos. Produtos que nos acompanharam durante todos estes dias do ano e não nos falharam, descobertas e fizeram os nossos meses brutais durante vinte e quatro horas seguidas, coisas que sem elas, iríamos sentir-nos desamparados. É este o top que quero trazer, os produtos e coisas que, em 2015 não arredaram das minhas rotinas felizes! Mais uma vez, tudo estará disposto em ordem alfabética! Aquilo que for possível vai estar ilustrado clicando nos títulos dos produtos.


Agenda Lanybook 2015: Foi a minha parceirona. Da Lanybook, cor de rosa, semanal e pautada. Uma vez reparei que a organização da agenda era precisamente igual à da Moleskine e, é absurdo atribuir a patente de uma organização de agenda a uma marca, achei ridículo ver 18 euros tabelados na agenda quando a minha nem 10 euros chegou e era infinitamente mais gira. Fez o que prometeu, simples, sem grandes floreados, com espaço nos dias da semana para escrever todas as minhas tarefas e obrigações e aniversários e na folha ao lado as linhas de notas para divagar com o blogue, ideias e pensamentos. E ainda tinha uma banda para a fechar e um pequeno elástico no meio para prender uma caneta. É com tristeza que me despeço dela mas com um enorme sorriso por ter encontrado a substituta ideal para o ano que se segue!

Álbum: Este ano decidi que queria finalmente meter todas as minhas fotografias e memórias num álbum. Andei semanas e semanas à procura de um mas nenhum me agradava o suficiente até que o meu pai, do nada, ofereceu-me um que preenchia todas as medidas. Thanks dad! Durante todo o Verão diverti-me a complementar as fotografias de viagens com os bilhetes de avião e lugares que visitei nessa viagem, bilhetes de concertos com as fotos dos mesmos, com a história de como os ganhei e com o alinhamento dos meus artistas favoritos, das minhas aventuras aleatórias juntamente com as pulseiras ou com bilhetes e fotografias que ilustrassem as memórias que ia escrevendo, na minha letra.
É um objecto muito pessoal para mim neste momento. Nele estão as minhas aventuras, as músicas que ouvi nessas aventuras, as pulseiras que me abriram portas a grandes momentos, os bilhetes que proporcionaram memórias incríveis e as fotografias que eternizaram alguns dos fragmentos mais belos da minha vida. Cheio de pessoas que me aquecem a alma. A melhor decisão que fiz. E ainda hoje, antes de me deitar, gosto de dar uma olhadela e sorrir a cada página que viro.

Baby Lips "Berry Soft": Já tinha um deste tipo de cor da Labello com cor e cheiro a cereja mas quando encontrei este soube que as cores era diferentes. A verdade é que acabei por começar a preferir o Baby Lips ao Labello por algumas razões; A primeira delas a cor. Como são batons do cieiro não são os mais dotados de cor como um batom normal, mas eu não uso maquilhagem no dia-a-dia e os batons fazem-me confusão, por isso, se quero dar um ar mais vivo aos meus lábios, é aos do cieiro que recorro. E o Labello é um cereja mais avermelhado. O Berry Soft é cereja mas a puxar para o rosa. Ganham uma cor e textura muito diferente nos lábios e gosto mais de ver o Berry Soft em mim. Outra coisa que eu adoro no batom da Baby Lips é o cheiro a mentol. É inacreditavelmente bom e, quando o metemos nos lábios, sentimos alguma frescura muito agradável. Além de fazerem maravilhas no Inverno.

Bolsa verde Primark: Só a recebi no meu aniversário, mas foi a clara favorita. Pelo tamanho, pela elegância (se recebesse um euro pela quantidade de vezes que me perguntaram se era da Zara já tinha dinheiro para comprar uma mesmo na Zara!) pelo design, pela cor. Nunca pensei que fosse gostar de uma mala verde pinheiro, aliás, nem nos meus maiores sonhos essa mala existia e eis que esta veio contrariar as minhas suposições. Dá para a carteira gigante, para o telemóvel gigante, para as chaves, estojo and I'm good to go. O conforto e originalidade desta mala valeu-lhe o 1º prémio este ano.

Canetas Staedtler Triplus Fineliner: Não, não as comprei este ano, mas faço questão de as mencionar aqui por uma razão. Adquiri-as há três anos e até agora não me têm falhado. A única que tive de comprar nova foi a preta, mas dei-lhe uma utilização exaustiva. Três anos é imenso tempo com uso intenso, entre títulos, sinais, detalhes em que as utilizo. Têm cores magníficas e não borratam, são perfeitas para o efeito. Tenho o conjunto de 10 (o mais básico mas que, para mim, chega perfeitamente) a 0,3 mm e costumo usar uma cor por cadeira ao longo do semestre. Na altura, quando as comprei achei-as um pouco puxadas, dez euros, mas hoje reconheço que compensa. Um dos meus essenciais de Faculdade.

Casaco "Marshmallow": O meu maior achado de 2015 foi encontrar este casaco na Pull and Bear a um preço muito justo, quase que acessível para a qualidade. Chamo-lhe casaco marshmallow porque é um casaco que me faz um pouco texuga, quase que peluche. Tem pele a imitar aquela de carneiro fofinha por fora e pêlo por dentro com um enorme capuz. Conquistou-me porque o tamanho da manga era perfeito, porque, apesar de ser texugo, movimentava-me perfeitamente e não preciso de usar mais casacos por dentro (não preciso de ser uma cebola, posso só ser um peluche) e porque tem o comprimento ideal. Uma amiga minha adora dizer-me que saí com o roupão mas quando aparece aquele frio cortante e horrível é ela que se encolhe no seu casaco todo cintado e eu estou de mãos a ferver sem sentir frio nenhum. Pela minha saúde, este ponto é o mais essencial. E cada vez que o visto o Diogo abraça-me a dizer que sou um peluche e eu faço de aquecedor de mãos oficial. Muito jeitinho ainda vai dar em Janeiro e Fevereiro and so on...

Daisy by Marc Jacobs: No Verão de 2014 encontrei o meu perfume. Aquele que eu achei que dizia Inês por todo o lado e, no Verão deste ano, decidi-me a não o largar. Neste momento, é o que mais gosto e aquele que não quero trocar por nada. Talvez um dia isso mude, mas não foi em 2015. O seu aroma fresco, doce mas pouco enjoativo conquistou-me, mesmo no Inverno. Acho que, na minha pele, além de conferir um aroma muito feminino, dá-me alguma maturidade, se é que me faço entender. Eu associo muito os perfumes das pessoas a cheiros mais jovens e infantis e a cheiros mais maduros e de mulher. E apesar do frasquinho fofinho e do cheiro muito jovem, em mim se transforma. E agora que tenho os cremes vou adorar passar ainda mais os pulsos pelo nariz de vez em quando. 
Outra vantagem: Deixa a roupa com um cheiro fabuloso e sinto o cheiro o dia inteiro, embora não seja intenso. E o namorado adora (nunca deixa de ser um big plus, right?)

A Head Full of Dreams - Coldplay (álbum de 2015): Foi o álbum que mais aguardei e o que me deixou mais feliz. Questões técnicas MUITO à parte foi o que me arrancou sorrisos, movimentos de dança pela cozinha, viagens de carro alegres e músicas que me emocionaram, embora quase todas elas tenham um ritmo demasiado alegre para pensarmos em emoção. Só nasceu em Dezembro, mas foi o álbum do meu ano. Nenhum outro despertou o mesmo efeito em mim.

A Idade de Adaline (DVD de 2015): Já estou careca de vos falar do filme, não vos maço mais. Já pertence à minha prateleira cada vez mais cheia de DVD's (estou tão orgulhosa de ter atingido o meu objectivo) e foi definitivamente o meu filme.

iMusic (app de 2015): Quando recebi o iPhone, o iTube estava no auge mas como ainda me estava a adaptar à passagem Android-IOS não a instalei logo. E quando finalmente decidi fazê-lo, saí altamente desiludida. Era esta a aplicação que todos adoravam, tão má, sem vídeos originais nenhuns e só covers? Impossível. Depois percebi que a aplicação começou a receber limitações e perdeu a sua qualidade. Durante imenso tempo não tinha música no telemóvel até o Jota me fazer a recomendação da iMusic (thanks Jota!), que faz exactamente o mesmo que o iTube: permite ouvir as músicas de youtube de forma offline. Faz as minhas delicias quando quero uma música nova mais acessível ao meu toque mas não me apetece metê-la logo no iTunes, especialmente se eu perceber que é um hit que daí a 2 semanas estou farta de ouvir.

iPhone 6 Plus: Faz agora um ano que o tenho e não quero abordar demasiado este assunto porque estou a dever uma review à Mafalda, que tão encarecidamente ma pediu por comentário em Julho (I know, I'm very late). Mas está para breve.
Não saiu das minhas mãos e tenho imensas coisas a referir sobre este mundo Apple. Um dia destes. Breve, prometo.

Nívea Body Milk para Duche: Só descobri este ano mas fez as minhas maravilhas todos os dias. Cheguei a apresentá-lo num dos meus favoritos do mês e continuo a usar e abusar deste creme de duche. Seja no Verão ou no Inverno, eu sou altamente preguiçosa para perder minutos entre sair do banho e vestir-me a pôr cremes. Criar esta rotina, no próprio duche, de incluir um creme com um cheirinho a biscoitos maravilhoso (aquilo diz que cheira a cacau mas o meu namorado diz que eu cheiro a biscoitos e até faz algum sentido) fez toda a diferença na minha pele, que tem tendência a secar rapidamente, especialmente nas pernas e nos cotovelos. É perfeito também para passar após a depilação, o toque, para mim, foi completamente diferente. Tenham só cuidado para não deixarem cair o produto na banheira, é autêntica manteiga debaixo dos nossos pés. Está recomendado e tenho a certeza de que vai acompanhar-me para o ano.

Olaf + Stitch: Tenho o melhor namorado do mundo por compreender a minha paixão por Disney e por me conhecer o suficiente para saber que não só eu babava para o Stitch desde sempre como também ia adorar o boneco de neve mais totó do mundo. São peluches, não têm uma enorme utilidade e já tenho 21 anos mas são as coisas mais queridas do meu quarto. E, especialmente por isto, cada vez que pego neles (mesmo que seja para os desviar) vem-me à memória a recordação da surpresa que me fez e das nossas expressões e sorrisos. E isso aquece-me o coração todo.

Secret Charm by Victoria's Secret: Como já vos disse, só ganhei os cremes do meu perfume este Natal e, como este ano usei IMENSO a minha bolsa de viagem de gatinho do Natal passado (não estava mesmo à espera) tinha sempre medo de pôr o perfume lá. Eu tenho esta ideia de que o perfume vai partir e nunca o levava. Então trazia o creme da VS para servir de "perfume". 
Comprei-o na minha chegada de Barcelona e uso-o para estas ocasiões porque não gosto de misturar cheiros. Se não existisse o Daisy, este seria o meu cheiro. Muito fresco, muito elegante e feminino, para mim um pouco frutado e com tendências primaveris, agarra bem à pele. Ficam com o seu aroma durante o dia todo e adere à roupa também, como um verdadeiro perfume. Aliás, se tirarem com o dedo uma noz do creme e passarem nos pulsos e pescoço, têm precisamente o mesmo efeito de um perfume, duradouro e envolvente. Por isso mesmo utilizo-o como alternativa segura. Não tive uma utilização constante e diária para comprovar efeitos benéficos na pele mas se o que querem é um creme que vos deixe sensualmente cheirosas o dia todo, a Victoria's Secret cumpre o que promete. Para mim, o melhor creme da gama (cheirei-os a todos antes de seleccionar este)

Tangle Teezer: Recebi-a em Novembro de 2014 mas, como foi mesmo na recta final desse ano, considero que o verdadeiro uso foi feito este ano. Fez milagres no meu cabelo. Toda a gente fala dos cabelos encaracolados que, acredito, são um drama para pentear. Mas se têm cabelos lisos e fininhos, digo-vos já que não é cinco estrelas e que, quando decidem fazer nó, lágrimas sairão dos vossos olhos para o desfazer. Desde que tenho esta escova (com um ar frágil e duvidoso, eu concordo) nunca mais passei dramas com o meu cabelo. Tenho uma que tanto dá para cabelo molhado ou seco e cumpre o que promete. Penteia-me, desembaraça-me e não causa electricidade estática. Quando lia as reviews da escova, toda a gente dizia que não provocava dor nenhuma; Vamos a factos um pouco mais realistas: há nós que, embora esta escova desembarace muito bem, ainda doem quando os tento desfazer. Mas a vantagem da Tangle Teezer é que, pelo menos no meu cabelo, não doem nem um terço do que doía em qualquer outra escova. Às vezes até me confesso um pouco bruta a desfazê-los e jamais sofri horrores ou deitei lágrimas pelo meu cabelo. Não vão sentir as mesmas dores e talvez nem sintam nenhuma em outros tipos de nós. Além disso é pequena, perfeita para andar na mala se quiserem e excelente para dar o retoque final de penteado. Um presente dos deuses.

6 comentários:

  1. Curiosidade: A tua coleção de DVD's já conta com quantos?

    ResponderEliminar
  2. Awesome posssst! Por momentos, vi-me a fazer uma lista mental de coisas que eu própria requisitaria para mim daqui :)

    ResponderEliminar
  3. Tenho de experimentar esse Bâton, adoro batons do cieiro :)

    ResponderEliminar
  4. É uma parte de ti que está em cada coisa dessas.
    Realmente adoro ver estes top15, são uma coisa fantástica e ficamos a conhecer ainda melhor a pessoa.
    Adorei muitas das coisas que aqui puseste e provavelmente usaria no dia a dia

    ResponderEliminar
  5. O álbum é uma ideia genial e o Stitch e o Olaf são uns fofinhos!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)