quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

2015 || Retrospectiva


"Deus dá-nos as cruzes que julga nós sermos capazes de suportar" foi o que um rapaz me disse, nas escadarias do espaço onde celebrei a entrada deste novo ano. Apesar da minha falta de proximidade com qualquer tipo de religião e de talvez ele já nem se lembrar, aquilo que ele me disse ficou-me gravado na memória durante todos estes dias.

Se em 2014 escrevi-vos que ia entrar em 2015 sem quaisquer expectativas e motivações, pois no último dia do ano termino com um sorriso por saber que foi o melhor ano da minha vida, tão curta. Quando gritámos "Feliz 2015" e desatámos aos abraços, eu jamais imaginaria que este ano reservava-me tantos momentos maravilhosos.

Em 2015 eu recuperei a minha auto-estima e voltei a ser a Inês de sempre. Essa foi a minha maior vitória do ano, começar a gostar cada vez mais de mim. Apaixonei-me sem esperar ou procurar tal coisa e descobri pelo Diogo o amor doce, dedicado, que só faz sentido com aquela pessoa, com promessas cumpridas, gestos bonitos e momentos mágicos que nunca são demais. Em 2015, no Carnaval, levaram-me o pequeno-almoço a casa e dancei no dia dos namorados à chuva.
Em 2015 andei pela primeira vez em 15 anos de comboio, milhões de vezes e andei por Paris sozinha. Perdi-me e reencontrei-me, nos passeios cinzentos da capital e nos meus pensamentos. Fiz um passeio romântico pela Quinta da Regaleira que me abriu as portas para Sintra inteira. Em 2015, conheci cada recanto de Sintra, muito além do que apenas os turistas conseguem ver.

Em 2015 ouvi muito boa música e em especial, fui surpreendida quando menos esperava. Um bilhete para o NOS Alive para poder ver alt-J, como sempre sonhei. Tornei-me um cromo de caderneta mas, em contra-partida, arrumei as sapatilhas do basquetebol e disse adeus aos pavilhões por tempo incerto. 
Em 2015 iniciei um projecto de investigação que só vai ser apresentado em 2016 e que deixa o meu coração descompassado de alegria. Passei a todas as cadeiras do terceiro ano e investi muito mais nas minhas pessoas, em dizer sim a planos, sim a convites inesperados, sim a fins-de-semana só para nós, sim à vida além das exigências académicas. Em 2015 decidi, definitivamente cortar com quem encarava a vida uma competição e que não apresentava os mesmos valores que eu. Em 2015 eu deixei pessoas sem sentir que foram perdas e senti-me aliviada por ter ao meu lado amigos que genuinamente lutam por mim e querem ver-me feliz. Em 2015 eu senti-me altamente exposta quando falei com o meu namorado e com a minha melhor amiga sobre a minha ansiedade e nunca me senti tão amada e cuidada com os seus abraços de volta, a sua compreensão e, acima de tudo, o seu respeito.

Em 2015 os laços com a família foram cada vez mais fortes e bonitos. O João cresceu e eu continuo a aproveitar cada oportunidade para o ir buscar à escola. Em 2015 eu vi o João a ler e contar sem espinhas e fiquei emocionada. 
Corri sempre que pude e vi o meu pai terminar 42km em França com o maior orgulho possível. Fui a um spa e comprei muita roupa gira e que me deixou com um estilo mais sofisticado (segundo os meus amigos!). Em 2015 o violinista que hoje tenta bater recordes a tentar tocar violino nos sítios mais inóspitos tocou Coldplay e Sting para mim enquanto falávamos de música, tu-cá-tu-lá. Fui ao NOS Alive com a melhor pessoa deste mundo e ouvimos James Bay juntinhos, jantámos ao som de Metronomy, cantei-lhe as letras que mais significavam para mim em alt-J e abanámos juntos o capacete em Muse. Recebei as mais bonitas declarações de amor e as mais incríveis provas de amizade.

Em 2015 eu mergulhei às dez da noite numa piscina em Vilamoura e passeei pelos caminhos campestres da Serra da Estrela. Li muitos livros e tive tempo para tudo e para todos. Disse mais vezes sim a cafés do que não. Comi muitas pipocas a ver filmes bonitos. Adormeci centenas de vezes no sofá com o Diogo. Tracei a capa das minhas afilhadas e mantive a minha firmeza sobre a mensagem de praxe contra todas as adversidades e caprichos que estavam a acontecer. Baptizei capas, atirei maltisers, recebi um agradecimento público da Presidente de Praxe que me deixou de lágrimas nos olhos e recebi ainda mais lágrimas da Vanessa quando, em Outubro, ela disse "É a tua última recepção. A última que vou passar contigo". Descobri que era finalista, mas ainda estou em negação. Recebi mais um afilhado contra todas as minhas previsões por serem tão poucos e tantos trajados à disposição. A família de praxe cresceu mais um bocadinho. Felicitei e espicacei muito o meu padrinho com o trabalho e a tese em farmácia. 

Em 2015 vi o pôr do Sol inteiro numa praia deserta enquanto falava sobre tudo e sobre nada com o Diogo e queimei a pele ao Sol a ler em belas tardes de praia. Dancei imenso, reencontrei-me com velhas amigas do Secundário que tantas saudades me deixaram. Subi a Serra inteira até ao Palácio da Pena e emocionei-me quando lá cheguei por finalmente concretizar um sonho antigo.

O Bobby Pins fez um ano e vocês não me deixaram ficar mal com boas referências, entrevistas, parcerias e elogios bonitos. Cumpri o meu objectivo e consegui comprar e receber imeeeeeeeeeensos DVD's. Tive o melhor aniversário de sempre com muito amor, surpresas, família e momentos de ternura que ainda hoje me fazem lacrimejar só de lembrar. Maquilhei-me e fui senhora por uma noite, uma verdadeira Cinderela. Vi os peixes mais incríveis no Oceanário e morri de saudades. Remodelei o meu quarto de cima abaixo, com muita força de vontade. Subi até às árvores e fiz arborismo pela primeira vez. Fiz uma Páscoa alternativa no Jardim Zoológico. Escrevi a fita de uma das minhas melhores amigas e festejei a primeira Licenciada do nosso grupo. Dei-lhe um empurrão de coragem para a nova vida em Aveiro. Prometi-lhe uma visita (que se vai cumprir). Vivi um Natal idílico, com luzes de Natal de mão dada, chocolate quente, presentes bonitos, família feliz.

Em 2015 eu passei tantos e tão bons momentos que, mesmo que agora tenha um texto infinito, eu não me importo. Fui eu, em 2015. Fui feliz, tão feliz que nem podem imaginar. Passei momentos tão bons, tão bonitos, com tanta aventura e aprendizagens que chego ao fim e olho para 2015 como um ano em que não parei: de fazer coisas, de experimentar coisas, de saber, de trabalhar, de reinventar e de sonhar.
Nunca fui tão amada e tive tão boas provas de amor, tão carinhosas. Estreitei ainda mais os meus laços de amizade e valorizei os de família. Fui empenhada e dedicada sem pisar ninguém. Passei bons valores a quem mos pediu para passar. Aproveitei cada segundo deste ano como se de um bolo delicioso se tratasse.

Termino sem saber o que dizer, mas de coração cheio. No meio de tantas memórias que por aqui deixei, como se estivesse a despejar uma caixa cheia de fotografias sei que este ano foi pleno. De saúde, de paz, de amor, de dinheiro, de estudos. Foi um ano maravilhoso e apaixonante, como nunca antes tive um igual. Um ano que longe estava de prever naquela madrugada de 1 de Janeiro. E, aconteça o que acontecer em 2016, eu fecho este livro de 2015 com um sorriso gigante nos lábios, um reconhecimento muito mais bonito da pessoa que sou, um monte de memórias geniais para contar, uma dezena de experiências incríveis e com um grande amor nos meus braços, dando-me força. Em 2015, eu fui muito feliz. E estou grata por isso.

Desejo a todos, do fundo do coração, um feliz 2016!

15 comentários:

  1. Nota-se que tiveste um ano cheio e feliz! Espero que 2016 seja ainda melhor! :)


    www.asofiaworld.com

    ResponderEliminar
  2. Texto fabuloso Inês! Felicito-te pelo fabuloso ano que tiveste! Continua a ser incrível! Bom ano!

    ResponderEliminar
  3. Depois de ler este magnífico e maravilhoso texto só posso dizer uma coisa: 2015 foi sem dúvida o teu ano. O ano da tua vida, o ano em que simplesmente tudo mudou e mudou para melhor. Sem dúvida alguma que também foi um ano em grande para o Bobby Pins e isso só me deixa extremamente orgulhosa de ti! Para o ano há mais, e espero que seja tão bom como este!

    ResponderEliminar
  4. entre com os dois pés e de cabeça erguida! bom ano :)

    ResponderEliminar
  5. Mas que ano espetacular! É tão, mas tão bom quando nos reinventamos e nos encontramos nos piores momentos. E o melhor de tudo é que essa tua força é uma fonte de inspiração para muitos. Espero que 2016 seja muito melhor para os teus lados e que continues a ser feliz.
    Beijinhos.

    avidadelyne.blogspot.com

    ResponderEliminar
  6. Que em 2016 possas viver momentos como esses! Bom ano!

    ResponderEliminar
  7. Não tenho lágrimas nos olhos mas quase. Querida Inês, um 2016 ainda melhor que 2015 para ti, é o que te desejo do fundo do meu coração. Tiveste um 2015 maravilhoso, sem o esperares, e é assim que as melhores coisas acontecem na vida. Sem as esperarmos. Mas a lutarmos por elas. 2015 ensinou-me isso. E penso que a ti também.

    ResponderEliminar
  8. Tudo isso num ano ! Como digo " Um baú de memórias "
    Feliz 2016 para ti

    ResponderEliminar
  9. Um ano em grande, de facto! ;) 2016 ainda vai ser melhor! Bom ano!

    R: I hope so.

    ResponderEliminar
  10. Tão bom ler esta tua retrospectiva. 2015 foi um excelente ano para ti e eu só espero que 2016 seja ainda melhor que os últimos doze meses. Mereces tudo de bom! Happy new year, Inês. Sê feliz :)

    ResponderEliminar
  11. Sei que este post já tem um tempinho! Mas foi o texto mais bonito que já li! Adorei

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)