terça-feira, 27 de outubro de 2015

ISTO É TÃO INÊS || A ciência e a arte


Eu sou uma pessoa muito científica. O meu raciocínio é muito metódico, muito estruturado para os factos, para as provas, para identidades de credibilidade e para descobertas reais, justas, físicas. Mas se por um lado eu sou alguém que facilmente vêem a discutir algo ou a procurar algo nesse mundo também sou alguém muito ligada à música. À literatura. À arte. À História. À filosofia de simplesmente viver. E sinto que são dois lados que facilmente não combinam mas tornam-me naquilo que sou. Sinto-me mais equilibrada e harmoniosa por ser assim.

Porque nem toda a gente o é. Se dissermos que a arte, a música, o cinema, a História, a literatura, o amor são as melhores razões de se viver e a ciência a essência de estarmos vivos, não serão todos os que compreenderão. Se eu disser que a música é importante para ser viver muitos respondem-me "O que é a descoberta de Marie Curie em relação à radioactividade comparada com a música?" é tudo. Nenhum se sobrepõe ao outro. De que adianta sabermos como viver melhor se não temos razões para viver felizes? De que adianta descobrirmos outros universos se não queremos descobrir o que sentimos por alguém? De que adianta prolongar a longevidade se não há nada por que manter a vida? A música é ciência. É matemática. E a literatura também e a arte igual. Retrata, exprime, descobre, explica. Tal como a ciência. Nua e crua.

Eu tenho uma família de letras. Ninguém de família próxima está em saúde ou ciências. São todos letrados, mas com muita curiosidade para áreas diversas e acho que isso foi essencial. Porque abriu-me a mente e deixou-me apaixonar por coisas que a muita gente passa ao lado. Eu quero descobrir e inventar um mundo melhor mas quero também apreciar esse mundo com uma expressão que nenhuma fórmula no mundo conseguirá inventar: criatividade, identidade, vocação. Inspiração. E acho que estes dois lados de mim, tão opostos e trocados fazem de mim um ser humano não só mais completo mas também mais sensível. 

12 comentários:

  1. Identifico-me com isto! Sendo eu uma quase-matemática (ai, que quase pequenino!), estou muito ligada às ciências. No entanto, não vivo sem livros, sem ler, sem escrever, imaginar, inventar. Não vivo sem a música. Se a minha vida se resumisse apenas à matemática, à ciência... Acho que acabava por desesperar...

    ResponderEliminar
  2. Também sou assim. Sou da área científica, mais propriamente da saúde; gosto de saber mais acerca da minha área e fico fascinada com certas coisas que aprendo e com o modo como certas coisas funcionam (especialmente no que diz respeito ao corpo humano). Mas também tenho o meu lado artístico. Adoro música e adoro ler, e tenho como actividades preferidas desenhar e escrever. Coisas que nada têm a ver com a minha área profissional, é certo. Mas gosto deste equilíbrio. Até porque, na minha opinião, uma pessoa não pode viver apenas para o seu trabalho :P
    Por isso, se for a pensar qual dos meus hemisférios cerebrais é o dominante, eu nem sei dizer xD Acho que estarão a meias... :P

    ResponderEliminar
  3. oh adorei o texto e fez me pensar sobre o assunto....acho que sou um pouco como tu e a combinação dessas características resulta de um balanço que, na minha opinião, proporciona uma maior felicidade eheh
    já agora, em que curso estas?
    beijinhos <3

    http://umacolherdearroz.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está na descrição mesmo ao lado...
      Ciências da Nutrição :)

      Eliminar
  4. Sempre fui mais ligada às letras e às artes e sempre deixei um bocadinho de lado as ciências!

    ResponderEliminar
  5. Podes fazer um post em jeito de comentário ou opinião sobre a recente polémica do aviso da OMS em relação às carnes vermelhas e à sua relação com o cancro? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há grandes comentários a fazer mas atenção que o teu comentário está muito baralhado. Não se tratam das carnes vermelhas e a sua relação com o cancro mas sim carnes PROCESSADAS. São termos diferentes, neste incluem-se os presuntos, fiambres e bacon, que pela quantidade de aditivos, corantes, conservantes (daí o processado) terem relação com o cancro do colo-retal.
      A carne vermelha é uma "possibilidade" o que significa que pode ser um risco mas que ainda há pouco estudos ou estudos limitados para garantir numa declaração que provoca ou induz cancro. Por isso é que a OMS ainda não emitiu um comunicado semelhante com a carne vermelha mas emitiu para a processada (porque já há estudos suficientes e de diferentes métodos ao longo de diferentes períodos de tempo de que efectivamente pode provocar cancro).

      Mas isto não significa que devam deixar de comer o que quer que seja. Serve apenas de alerta a quem come estes alimentos em demasia, até mesmo a carne vermelha. Cortar ou proibir quando se gosta destes alimentos só pelo seu risco não me parece uma solução ideal. Mas reduzir e comer com moderação é essencial, coisa que não se faz actualmente e daí a importância destas declarações. Para alertar e avisar as pessoas e sensibilizá-las. Mas esta conclusão não é nova, não me surpreendeu de todo e passou-me um pouco ao lado, talvez porque já estejamos todos (no nosso curso) carecas de saber isto :)

      Eliminar
  6. Eu também tenho uma costela de cada lado e não há muita gente a perceber isso. Sou da área de engenharia, com um gosto enorme pela área da alimentação e saúde, e pelas artes. Gosto de pessoas assim, interessantes!

    ResponderEliminar
  7. Identifico-me imenso com esta forma de ver o mundo e de me definir a mim própria. Tanto que quando tive de tomar a decisão sobre que curso iria seguir fiquei muito dividida, mas a área das ciências falou mais alto. No secundário ganhei um novo amor pelas ciências e descobri uma nova forma de ver o mundo. A verdade é que fiquei surpreendida com o quanto o meu mundo mudou, mas o meu amor pela leitura, pela escrita, pela música e pelas artes em geral continua e não sei se não estará maior também. Acho que é uma maneira excelente de viver e estou agradecia por isso, uma vez que conseguimos conciliar o bom de dois mundos.

    As Confissões da Andreia

    ResponderEliminar
  8. Identifico-me tanto com isto... Tanto, tanto, tanto... :D O texto está delicioso!
    Beijinho*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)