sábado, 10 de outubro de 2015

FACULDADE || A Última Recepção


Mesmo desconhecendo o que o futuro do meu semestre, do meu estágio ou até da minha Licenciatura me reserva, estas foram as minhas últimas semanas de recepção ao caloiro da minha Licenciatura. Fiz por ir a todos os dias e gozá-los como se fossem os últimos, porque eram. E senti-me eternamente nostálgica durante todos os minutos.

Tivemos muito menos caloiros do que nos anos anteriores (os media e os pais não ajudam) mas gozei cada segundo com este grupo, que foi impecável, divertido, esforçado e empenhado. Este ano quis curtir a valer uma das actividades académicas que mais adorei fazer. Por isso praxei, disciplinei, diverti-me a dançar e saltitar entre eles enquanto cantavam as músicas do curso, ensinei-lhes todas as canções, expliquei-lhes tudo sobre o apadrinhamento, chinelei pelo campo fora com os meus sapatos de traje (que já estão largos e estragados do uso) e gritei o mais alto que pude todas as músicas. Acabei esta semana com a voz tão inexistente como no meu ano de caloira, coisa que até à data não se tinha igualado. Tracei a capa mesmo com um calor infernal, apareci às oito mesmo quando, ao sair de casa, ainda era noite cerrada. 

Não vos sei explicar como é estar nesta posição quando sabemos que é a última vez, mas senti o traje agora mais do que nunca e todos os momentos foram intensos para mim. Foram marcantes. Parece que tudo tem mais sabor e é melhor aproveitado e mesmo assim sinto que podia ter feito tantas coisas mais e não fiz pela falta de tempo e recursos. Não contava ser Madrinha. Eram muito poucos para taaaaantos trajados disponíveis e considerei que, no meio de tanta escolha possível eu não fosse opção e iria passar despercebida.

A Baixa-Chiado inundada com os nossos gritos de curso ensurdecedores. Uma das ruas mais movimentadas de Lisboa parou para nos ver descer, trajados e caloiros, todos a gritar os cânticos de curso. Nada mais se ouvia a não ser a nossa voz e as pessoas juntavam-se para nos ver passar. As capas negras à volta da fonte do Rossio a contrastar com o branco da calçada e o som da fonte atrás de mim. Os salpicos na nuca que aliviavam o calor que sentia nas costas pretas do Sol que fustigava-me o casaco. Olhar para a Vanessa emocionada por, após três anos, eu acabar da mesma forma que começámos: juntas. Lado a lado. Com um sorriso gigante nos lábios e os rostos mais limpos do que em 2012.

Só tivemos dois rapazes (corajosos) na nossa praxe e um deles correu para a minha capa de carta verde na mão. Acho que, para sempre, ele irá lembrar-se deste momento como eu ficar boquiaberta de espanto. No ano passado a experiência foi incrível e emocionante e senti que este ano não ficaria abalada se ninguém me escolhesse, pelas mesmas razões apresentadas em cima. Mas enganei-me. O peso da emoção foi precisamente igual ao do ano passado e, embora não tenha chorado (quando são momentos demasiado emotivos, com muita coisa a acontecer e muita gente a ver eu tento controlar-me) ele entregou-me a carta com um sorriso gigante nos lábios e os meus dedos tremiam a tentar abri-la com cuidado sem rasgar. Não conseguia controlar as mãos com o nervosismo. Toda eu tremia de emoção pela nova responsabilidade, tal como tremi quando os meus primeiros afilhados correram até mim. 

Apadrinhar é a maior responsabilidade que levamos connosco na Faculdade. É saber que já não estamos sozinhos a guiar-nos mas a guiar outros também. É ser um pilar mesmo que eles nem imaginem que nós temos imensas inseguranças também. E sei que ser Finalista e Madrinha vai exigir muito de mim. Especialmente pelo novo membro que entrou e tem tantas cerimónias por participar, nas quais conta com a minha presença e entrega. E quero que ele conte com isso porque o merece, como todos os seus irmãos mereceram e como eu mereci da parte do meu Padrinho.

Ontem eu conheci o meu último Afilhado de Licenciatura e assim termino a minha família. Independentemente do que acontecer no futuro, eu quero terminar o meu ciclo de praxante este ano lectivo e, assim, conto com uma viagem extraordinária acompanhada de 5 miúdos maravilhosos que me fizeram rir, chorar baba e ranho e desdobrar-me em 15 para os ajudar. E são tão bons miúdos, tão dedicados e extremosos que merecem tudo de bom desta vida académica, que ainda agora está a começar para eles.

Ontem eu baptizei-o com a maior inveja do mundo: ele estava prestes a começar. E o meu maior desejo do mundo é que ele tenha um percurso tão extraordinário como eu estou a ter. 
Termino a minha última recepção ao caloiro com um sorriso gigante nos lábios e babada até Bragança por estes 5 filhotes. E Padrinho, espero que estejas orgulhosa da tua última Afilhada de Licenciatura.

Imagem

4 comentários:

  1. Parece mesmo ter sido super divertido!
    Beijinhos :)
    http://those-colorful-words.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Dá para sentir a tua emoção através deste texto Inês! Excelente, aproveita muito!

    ResponderEliminar
  3. Gostei imenso do que escreveste e, por momentos, consegui vislumbrar e sentir uma parte daquilo que sentiste e conseguiste, com sucesso, transmitir neste texto.
    Estou cada vez mais ansiosa para poder entrar na Faculdade e experimentar as praxes, longe de todas as opiniões macabras que andam por aí acerca desse assunto.
    Desejo-te toda a sorte do mundo para esta nova fase da tua vida.
    Beijinhos.

    https://avidadelyne.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Adorei, adorei! Nota-se claramente que esta é uma jornada que levarás para sempre no coração, com o maior carinho!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)