sábado, 12 de setembro de 2015

PASSAPORTE || Paris at night


Na primeira noite em Paris, depois de termos jantado na zona onde nos instalámos (pertíssimo do Louvre) fizemos a caminhada até à Torre Eiffel. Não é, de todo, perto, mas em 2005 - por razões que ainda hoje desconheço - não pude ver a Torre iluminada durante a minha semana por lá, o que me entristeceu. 10 anos depois não quis perder a oportunidade.
Em pleno Abril não fazia frio e levei o meu casaco beje por mera precaução. De mãos nos bolsos fui acompanhando o rio que me levava alguma brisa no rosto e impedia os meus cabelos de virem para a frente. Fui reconhecendo os lugares que estive e os museus que visitei outrora, com as luzes exteriores a desenharem uma silhueta clássica e cheia de sombras nos mesmos, sempre com a linha do horizonte na mira para ter os vislumbres da Torre. Não levámos mapa e simplesmente nos guiámos pelo seu recorte elegante, luminoso e amarelado no céu. Foi uma caminhada tão grande que deu para saborear e pensar em tudo.

Passei pela rua da Universidade, uma rua infinita e cheia de estudantes. Alguns a sair, em plena noite, atarefados de cadernos, outros nas escadas das casas a beber e a conversar. Apanhei um grupo português com as sweats da Universidade no alpendre a discutir qualquer coisa com alguém de sotaque brasileiro. A rua nunca mais acabava e a Torre estava sempre na minha mira à esquerda. As ruas tinham uma penumbra alaranjada dos candeeiros e lembro-me de invejar a vista que cada uma das janelas daquele lado proporcionava. Muitas delas o telhado era com janelas gigantes e não pude deixar de me perguntar como é que alguém consegue estudar com semelhante vista no quarto. 

Lembro-me de ir a passo lento e de passeio nos jardins com a gravilha a fazer o único som daquela caminhada e de falarmos sobre o inédito caso do avião que passou pela Torre Eiffel, que agora se erguia tão alta e em tanto esplendor que tinha de curvar a cabeça para trás para ter um panorama inteiro da mesma. Desejei tanto que ele estivesse comigo para ver tudo e para tagarelarmos até à base. Mas, concluo, nunca estamos sozinhos em Paris. Bom, eu não me senti. É uma cidade que nos recebe, preenche e deslumbra. E naquela noite, tão simples e tão turística, eu senti-me num elemento quotidiano e não estranho. Talvez porque seja cada vez mais uma miúda do mundo, que tem sempre mais um espacinho para uma nova localidade. E que não me importo de dividir esses espacinhos com quem mais gosto.

5 comentários:

  1. Só vi a Torre Eiffel iluminada do ar! Que texto magnífico Inês! Não paras de me surpreender com a tua escrita!

    ResponderEliminar
  2. Nunca vi a Torre Eiffel e muito menos fui a Paris , mas está na minha lista de desejos e é sem dúvida o lugar que mais quero visitar :)

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente Paris ainda é um destino da minha lista de sítios a visitar.

    Já tinhas falado da tua ida a Paris aqui no blog? É que ou ainda não te seguia ou então passou-me completamente ao lado :O

    ResponderEliminar
  4. Espero ter a oportunidade de visitar :) beijinhos *

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)