quinta-feira, 2 de julho de 2015

PRONTO A VESTIR || Luz e Espelhos


Eu tenho esta ideia conspiradora de que, quando estão a planear a planta e arquitectura das lojas, há esta conversa:
«-Muito bem, o espaço o mais aberto possível, com paredes largas para todos os artigos de roupa, prateleira para as malas, bancos perto do calçado para experimentarem os sapatos e julgo termos o essencial.
-E quanto aos provadores?
-Quanto aos provadores, este é o objectivo: um cubículo, o mais apertado possível para que o nariz das miúdas bata no espelho, espelho esse que tenha um efeito distorcido, de forma a que se ela se agachar e voltar a subir vá ganhando e perdendo 5kg pelo caminho através do reflexo. Luzes sinistras que façam sombras estranhas, realcem celulite que não existe e mostre os pêlos que ainda estão a nascer e não se vêem em público. Ah, e um cabide. Vamos rir da forma como elas tentam pôr as seis peças (e a ficha do nº de peças) num só cabide mais a roupa que vão despir gargalhada maléfica conjunta»

Bom, talvez esteja só na minha cabeça, mas a verdade é isto que eu penso quando vou comprar roupa e me vejo no quarto do primeiro livro do Harry Potter com uma luz que me faz parecer um monstro. É uma clara razão para não comprar a roupa porque saio de lá com a auto-estima mais enterrada que o metropolitano de Lisboa.

Já houve alturas em que não sabia se havia de levar um par de calções porque as luzes dos provadores faziam-me questionar até se devia mostrar estas pernas em público. Ou braços. Ou cara. Ou existência. Mas depois arrisquei e voltei a experimentar em casa. Eis senão quando, a luz natural e espelho normal volto a olhar e a dizer "Wow! Será que fiz photoshop em mim própria?!"

Na verdade, não percebo. As lojas não têm nada a ganhar em pôr as mulheres a parecer tartarugas mutantes, muito pelo contrário. Mas ainda bem que, por outro lado, assim é. Por muito malvados que sejam os provadores, a verdade é que chego a casa e o primeiro pensamento que me vem ao espelho depois da recordação não muito amistosa do espelho do provador é "que brasa que és miúda". É que qualquer pessoa é uma brasa-brasa quando chega a casa e apaga da memória o seu reflexo no provador.

E a nossa auto-estima volta aos picos. Até os saldos começarem. É ou não é assim meninas?

10 comentários:

  1. realmente, as luzes dos provadores não dão com nada!

    ResponderEliminar
  2. É por isso que uso o provador para vestir e depois abro a portinha e vejo no espelho do corredor (ou no do provador mas a uma distância razoável onde essas coisas não aconteçam) (:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A distorção do espelho e as luzes são iguais, eu não noto diferença nenhuma com ou sem distância :b

      Eliminar
    2. Eu noto e muito! Sendo um espaço muito mais amplo a luz não incide tão intensamente (não é um foco sobre ti, é iluminação normal de uma "casa"). Além disso é uma questão de perspectiva porque tudo parece maior ao perto.. Se eu olhar para o meu reflexo em casa quase colada ao espelho acho tudo horrível na mesma... Mas concordo que dentro do provador é um soco na autoestima.

      Eliminar
  3. Por isso é que odeio experiementar roupa eheheh

    ResponderEliminar
  4. hoje mesmo fui às compras e sai de lá a sentir-me um troll.

    ResponderEliminar
  5. Também já cheguei a essa conclusão. Sorte a minha que as lojas onde costumo ir agora fizeram obras e têm provadores muito melhores, mais iluminados e mais abertos, ufaa!

    ResponderEliminar
  6. Não podia concordar mais! Cada vez que entro num provador, é como se me descobrisse defeitos que não sabia existirem sequer. E o pior é o salientar de todas as imperfeições ao nível facial! Para não falar das coxas...

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)