sexta-feira, 26 de junho de 2015

Respiras fundo e mergulhas


Quando me vejo numa tomada de decisões em que tenho de optar por uma das duas opções e as duas me assustam, automaticamente lembro-me de quando estou no mar. Quando temos aquelas ondas que demoram muito tempo a rebentar, que são altas e das duas uma: ou furo a onda e levo com a sua força incrível, que me fazer rebolar debaixo de água, sem respirar e sem saber se, quando voltar à superfície, não terei outra para me apanhar desprevenida ou, na falta de coragem, levo com o embate da onda no rosto e no corpo, rebolo à mesma, como areia e a probabilidade de me magoar com o ímpeto da onda é maior.

Nenhuma das duas me agrada, mas a onda vai acontecer a qualquer momento e fugir não é opção. Por vezes, mesmo quando temos escolha, nenhuma é do nosso agrado, mas conduzem a um destino melhor, como a sensação de adrenalina que dá ao viver uma aventura destas.

Claro que poderia simplesmente ter-me ficado pelo areal sem me meter no meio das ondas. Mas se ficar sempre em terra segura e seca, nunca iria saber quão boa é a frescura e a adrenalina de entrar no mar, com coragem. Mesmo que às vezes seja apanhada por ondas menos fantásticas. Faz parte de sermos corajosos e de deixarmos a cobardia enterrada na areia. 

10 comentários:

  1. Adoro como pegas em algo tão simples e quotidiano e transformas numa reflexão com tanto sentido :) Parabéns Inês :)

    ResponderEliminar
  2. Gostei desta comparação da tomada de decisões difíceis e as ondas do mar, é a comparação que melhor descreve esse tipo de dilemas. :)

    http://amiudasempreaandar.blogspot.pt/ *

    ResponderEliminar
  3. Verdade. Adorei o que escreves-te, não podias ter arranjado melhor comparação para te exprimires :) beijinho

    The eyes of a Mermaid | Facebook Page | Youtube channel

    ResponderEliminar
  4. Adoro muito o que tu escreves :) Adorei

    ResponderEliminar
  5. É verdade. As coisas fáceis não têm o mesmo impacto que as mais difíceis, que as que levam mais tempo a conquistar. E, embora estivessemos mais seguros na areia, qual seria a piada de ver tudo a passar-nos à frente, sem (querer) arriscar?
    Gostei da comparação :)

    ResponderEliminar
  6. Bem, que texto inspirador e que faz refletir!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)