sábado, 6 de junho de 2015

PASSAPORTE || Em Edimburgo, a culpa é das estrelas


Em Edimburgo havia um centro de exposições completamente dedicado a ilusões do cérebro. Foi lá que vivi uma das experiências mais cómicas e mind fuck de sempre. Havia de tudo lá, desde figuras que te criavam ilusões para outras figuras, experiências científicas, quadros que, quando te punhas frente a frente ficavam a 3D (havia um de uma tarântula gigante e não vamos falar do berro que dei). Havia também um labirinto de espelhos, entre muitas outras coisas, mas a diversão alvo da experiência que vos disse ali em cima que vivi foi um túnel.

Estava num canto e era um túnel com uma ponte normalíssima de ferro, rendilhada no chão para vermos o que estava por debaixo dela. Estava envolta por um cilindro que tinha projectado uma espécie de estrelas, como se estivesses a ver o universo e as estrelas circulavam à volta do cilindro no sentido dos ponteiros do relógio. Se nos colocássemos à entrada ficávamos maravilhados porque parecia um túnel do tempo, algo que nos convidava a atravessar e a querer viver todo um mundo galáctico no interior. Era sedutor e fascinante. E isso fez com que não lesse a placa que explicava o objectivo do túnel, portanto, quando eles me disseram para ser a primeira a entrar não via, de todo, a malícia escondida naquele acto tão cavalheiro.

Assim que entrei dentro do túnel, aquilo começou a andar para o lado direito. A ponte estava a inclinar-se e tudo começava a rodar e eu, em pânico, agarrei-me imediatamente ao corrimão à espera que a ponte parasse. Mas não parava e quanto mais eu esperava, mais se inclinava e mais tonta me sentia. Num acto de reflexo, fechei imediatamente os olhos e encostei-me no canto da ponte para não embater contra o corrimão. E só aí tive concentração suficiente para perceber que todo o meu grupo ria. E para me aperceber também que, de olhos fechados, a ponte não se mexia. Lá abri os olhos e vi-os quase a chorar a rir e a ponte a andar outra vez. Voltei para trás (que nem foi muito, só dei um passo antes de aquilo tudo rodar) e finalmente percebi: as estrelas.

As estrelas rotativas no sentido dos ponteiros dão a ilusão ao teu cérebro de que tudo à tua volta roda e perdes o equilíbrio. Completamente, começas a andar para a direita e nem por sombras consegues equilibrar-te de forma a prevaleceres para a esquerda. Vês a ponte girar e sentes a necessidade inata de te agarrar, até porque as tuas próprias pernas estão a falhar. Quando vi de fora todos eles a entrar, fiquei parva a ver a figura, tudo direito e eles a andarem para o lado como se tivessem despejado 3 garrafas de vodka. É mesmo de chorar a rir e nem todos conseguiram atravessar a ponte. Mas eu quis, e de olhos abertos, portanto, arranjei balanço e estômago e atravessei aquilo em marcha o mais rápido que pude, e quanto mais andava, mais aquilo inclinava para o lado ao ponto de tropeçar nos meus próprios pés. Mas consegui chegar à outra ponta!

Foi das experiências de ilusão mais loucas que tive e mal posso esperar por um dia voltar a ver aquele túnel, era sensacional.

4 comentários:

  1. Não fazia ideia que algo assim existia!! Brutal! Sem duvida um sitio a procurar se lá for!! Adorei a tua historia! ^^

    ResponderEliminar
  2. A Escócia é o meu país de sonho e isso deve ter sido brutal! Eu acho que não sairia daí viva x)

    ResponderEliminar
  3. Fiquei com imensa vontade de ir lá :)

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)