domingo, 17 de maio de 2015

PASSAPORTE || Brincar às Princesas Exploradoras nos Jardins de Monserrate

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Concordámos que só iríamos aos Jardins de Monserrate se descêssemos a enormíssima rampa de relvado em frente ao palácio a rebolar. Já há muito que ele andava com vontade de me mostrar este lugar e finalmente conseguimos a tarde perfeita para o fazer, a céu limpo (apesar de ele dizer que com nevoeiro baixo também iria dar uma experiência gira, e eu acredito), em Abril. Os mapas na mão e a informação da bilheteira de onde se deveria começar a visita, conselho ignorado pelo meu guia especial que conhece o parque com a palma da mão e disse "Não vamos pelo atalho que toda a gente vai, não tem piada nenhuma, vamos ser exploradores".


Não sei se foi do guia, se da tarde, se da disposição, mas sei que foi dos parques mais belos que já visitei. Com paisagens de fazer a cabeça girar e a boca abrir, com surpresas a cada atalho que seguíamos que faziam-me querer ficar ali para sempre. Eu pensava que não havia nada mais belo que a Quinta da Regaleira, mas estava enganada. Monserrate pisou o calcanhar à Regaleira com a sua fauna tão bem tratada e envolvente. Como se estivesse num jardim de duendes e fadas, com a natureza a dominar as escadarias de pedra e madeira, com telhas velhas a fazer de carreira para os inúmeros riachos que terminavam em cascatas que encontrávamos pelo caminho. O som da água a correr, dos nossos pés a caminhar na terra batida ou nas gravilhas e o som dos pássaros eram a banda sonora perfeita.

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

E o Palácio? Encantador. Completamente saído de um caminho das Índias onde se funde de uma forma inexplicável com a serra verdejante de Sintra que, como estávamos num dia limpo, nos fez dar a volta toda ao palácio para vermos todas as paisagens e recantos possíveis. No interior uma decoração muito característica da cultura indiana, os detalhes e adornos, as paredes e portas, os jogos de luz nas varandas e os tectos trabalhados que nos faziam querer prestar atenção a tudo! Se há uma palavra para descrever o seu interior? Frescura. Num dia de imenso calor, as sombras e a própria estrutura interior do palácio davam uma sensação de frescura que nos fazia querer ficar ali a descansar para sempre, abrigados de humidade e Sol. Numa das salas vazias estava a tocar Beethoven, que imediatamente reconheci e fui convidada pelo meu namorado para dançar no centro do salão. A zona da biblioteca repleta de livros e de cheiro a papel antigo que ele fez questão de não me deixar passar ao lado, já que sabe que sou uma amante de livros. Os lagos à vista, uns menos escondidos dos arvoredos do que outros.

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

E por fim? Rebolar na relva. Bem em frente ao palácio havia essa descida, onde imensas pessoas sentaram-se para apreciar o final de tarde com os seus casacos a servir de assento. E nós atirámos as mochilas o mais longe que podemos e rebolámos pela encosta abaixo! Depois escolhemos o chorão mais escondido e com a melhor vista e ainda fizemos uma sesta enquanto ouvíamos toda a natureza e sentíamos o cheiro tão campestre e tropical.

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia

Fotografia da minha autoria, por favor, não a utilizar sem a minha autorização prévia


O bilhete custa 8 euros se fores maior de 18, caso sejas mais novo, 6,50, por isso é de aproveitar. E vale cada cêntimo mais precioso. Vale pelos minutos longos onde fazíamos pausas para sentar num rochedo qualquer pelos atalhos que íamos inventando para ter vistas incríveis enquanto a brisa leve nos soprava na cara e conversávamos sobre tudo e nada. Levem roupa confortável e velha para que possam explorar os caminhos que não estão marcados no mapa e para que possam viver a experiência completa! Vale pela experiência que vão ter. Vão! 

10 comentários:

  1. As fotografias estão lindas!
    E adorava ir aí!
    Bjs ^^

    ResponderEliminar
  2. Fiquei rendida! Adorei a Quinta da Regaleira mas essas paisagens são fabulosas.

    ResponderEliminar
  3. Fiquei fã *-* E as tuas fotografias, como sempre, fazem qualquer um de nós chorar por mais!

    ResponderEliminar
  4. Adorei as tuas fotografias e tenho muita pena de nunca lá ter ido! O meu irmão tirou uma fotografia lindíssima a esse lugar e parece mesmo algo que iria gostar (esses tectos são mesmo de delirar!).

    ResponderEliminar
  5. Devem ser mesmo bonito esses lugares onde tu fostes kkk *-*

    ResponderEliminar
  6. Olá! Usaste que câmara fotografica? Ou foi o iphone? Obrigada :)

    Fotos lindas! Fiquei tentada em visitar a Quinta ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana Filipa, isto não é a Quinta, este é o Palácio e o Jardim :) Usei o Iphone

      Eliminar
  7. Parece ser mesmo bonito o lugar e fiquei com vontade de lá ir (:

    ResponderEliminar
  8. Estou encantada só com as fotografias! Gostei imenso e já está na minha lista para, um dia, visitar :)

    ResponderEliminar
  9. Que giro! Vou já por na lista para visitar! x

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)