quinta-feira, 7 de maio de 2015

Estudo Ciências da Nutrição e lido com isto


1. 100g é o número de ouro. Tudo o que pese 100g é um alimento mágico e maravilhoso;
2. Começamos a descobrir como se fazem determinados pratos e a saber de cor determinadas receitas;
3. Escrever q.b. é uma dádiva de Deus porque não tens de quantificar mais nada, é só escrever q.b. Quem nos dera poder escrever "Carne de vaca q.b.". O mundo era mais belo;
4. Nas vésperas de entregas de trabalhos, à madrugada, a nossa turma é a única online no chat do Facebook. E quando pensas "São 5h da manhã, é indecente enviar a minha parte do trabalho porque aquilo vai notificar com barulho e acordar a pessoa" e depois vê-la online. I feel ya, bro.
5. 50g também é aceitável porque é metade de 100g. Deixamos passar sem refilar muito;
6. A Tabela de Quantificação de Alimentos está nos marcadores do pc;
7. Estamos a par de quais as melhores plataformas online para compras de supermercados porque passamos lá a vida a fazer cálculo de custos de ementas;
8. Passamos a vergonha de ter de pesar uma cenoura, uma cebola, porque precisamos do peso em unidade e não no conjunto ao kg e ninguém sabe aquilo de cor;
9. Os nossos amigos estão até às tantas a fazer trabalhos sobre cenas astroquimicodifíceis. Nós estamos até às tantas a fazer quantificação de lasanhas;
10. Planificas montes de vezes que o teu paciente vai comer Pão com Ar. O que é Pão com Ar? Abres o pão. Abana-lo no ar. Fecha-lo e comes;
11. É quase matematicamente impossível conseguirmos fazer planos complexos até ao fim sem dizer 18 milhões de asneiras. Nós fazemos tudo à mão e não a excel;
12. "X, quanto te deu?" "67. Deu-te o mesmo?" "135 milhões. Está lá perto, é só por causa dos arredondamentos";
13. Nós começamos a olhar para a comida e a pensar em equivalentes na nossa cabeça. É horrível;
14. Nós ouvimos as coisas mais absurdas das pessoas e conseguimos não dizer nada insultuoso;
15. Consegues inventar casos clínicos num ápice;
16. Cada vez que vemos um caso clínico de um paciente renal, 15 Ave Maria são rezados;
17. Nós estudamos que os Kinder Bueno são maus mas nós saímos das aulas com um tamanho cabeção que a única coisa que nos vai fazer sentir completos é um Kinder Bueno delicioso na nossa belly-belly.
18. Come o que eu planifico, não comas o que eu como.
19. Sempre que alguém nos diz que comeu um bife, estendemos logo a palma da mão. "A mão toda ou metade?"
20. O que não está na Tabela de Quantificação de Alimentos não existe. É um alimento de Narnia.

17 comentários:

  1. Ahahah, o que eu me ri com isto. Adorei especialmente a 12 =P

    ResponderEliminar
  2. Ahahaha morri com o pão com ar :) Eu gosto

    ResponderEliminar
  3. Ai o que me ri com este teu texto...
    Eu e os meus 130kg -.-
    CREDO!

    ResponderEliminar
  4. Percebo perfeitamente a 12, porque acaba por me acontecer o mesmo na única cadeira em que lidamos com arredondamentos xD

    ResponderEliminar
  5. Costumo dizer que a 18 vai ser o meu lema, ahah xD

    ResponderEliminar
  6. "18. Come o que eu planifico, não comas o que eu como."

    Casa de ferreiro, espeto de pau. Um dos melhores ditados populares de todo o sempre!

    ResponderEliminar
  7. Ri-me tanto com a do pão com ar xD mas já agora por curiosidade: devemos comer um bife com o tamanho da nossa mão ou metade?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem nada a ver com o "devemos comer" o facto de usarmos as palmas da mão. Está relacionado com o facto de, quando perguntamos a alguém o tamanho do seu bife, dificilmente elas conseguem dizer-nos tamanhos correctos ou gramas correctos e, se usarmos as mão, elas têm uma noção melhor do tamanho do bife que comeram. É só para simplificar quantificações. Um bife normal é a mão inteira, geralmente.

      Eliminar
  8. Ahaha gostei muito ;)
    Beijinhos, Cátia *

    ResponderEliminar
  9. Fiquei na parte do "pão com ar" mas a parte da mão que faz o tamanho do bife fez-me morrer por completo! Excelente post, ri-me muito!

    ResponderEliminar
  10. O pão com ar matou-me adorei o post ahah xD

    ResponderEliminar
  11. Inês, ando perdida nos arquivos do teu blog (a devorá-lo!) e este post deixou-me curiosa, porque convivo de perto com a doença renal crónica. A minha pessoa doente renal teve uma ou duas consultas com uma nutricionista, mas não foi nada de dramático; ela falou essencialmente sobre a fruta e os legumes, que agora têm que ser super controlados por causa do fósforo e potássio e etc. Portanto, por curiosidade: porquê as avé-marias? x) um beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque todos os nossos cálculos e casos clínicos são resolvidos à mão e não através de excel (como a maior parte das nutricionistas clínicas e, acredito, a tua também se inclui, fazem) e à mão é dificílimo acertares à primeira tudo e conseguires fazer os cálculos todos de forma perfeita :)

      Eliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)