domingo, 8 de março de 2015

MUNDO || Eu e o dia da mulher


Sou a miúda mais insegura e cheia de neuras sobre mim própria. Não tanto sobre o meu próprio corpo mas sobre as minhas atitudes e comportamento. Quando digo que não tenho neuras sobre o meu próprio corpo não estou a dizer que me sinto a próxima Sampaio a desfilar na rua mas a vida e o meu curso fizeram-me entender que a genética e os hábitos assim o ditam e que se sou assim, sou assim, por isso é bom que comece a criar alguma convivência pacífica com as minhas coxas, com o meu nariz entre outros. 

Mas sou insegura na minha pessoa. No sentido de me sentir suficiente para tudo, seja o que for: nos meus desafios diários, na minha própria possível profissão, nas relações, no desporto ou até mesmo no blogue. Sinto que sou muito mas nunca o bastante e como sou a maior crítica de mim mesma, reconheço a léguas todos os meus defeitos e manias, as minhas birras e amuos, o meu feitio complicado, o meu mau-feitio e todos os outros lados obscuros e complicados de mim. Porque sei que não sou uma miúda fácil de lidar e essa noção faz-me sentir insegura quando se aproximam de mim. 

Enquanto mulher, tenho tentado ter mais força sobre mim mesma. Certo, eu tenho tentado melhorar o meu humor, tenho tentado ser mais paciente e menos teimosa sobre as minhas convicções, tento controlar a birra da fome e o mau humor, tento não ter um ar tão extravasado mas, tal como o meu corpo, a genética e os hábitos não perdoam e sei que continuarei assim. Tenho tentado ver-me como uma pessoa que, mesmo com todas as neuras do mundo, merece ser amada e bem amada, merece que se sinta suficiente e merece que lhe reconheçam o esforço. Cada vez mais tenho tentado viver as coisas no presente, sem promessas, sem sensações de ilusão. E se gostam de mim, perfeito. Se gostam de cada detalhe de mim e se estão comigo mesmo quando faço birra, têm-me para sempre, mas se não têm pachorra e vão-se cansar, por muito que custe, eu respeito e sigo em frente. Porque eu sou assim. E tenho de me sentir suficiente para mim mesma, até quando sinto que não encaixo no mundo.

Tenho-me sentido muito importante e isso emociona-me, a tal ponto de até vir uma lagriminha no olho a meio de um abraço (que tento esconder porque aparecer a chorar do nada a meio de um abraço num momento alegre traz um milhão de perguntas). Mas quero estar mais firme. Com todos os meus defeitos, eu amo-me como sou e isso faz com que todas as relações que tenho à minha volta sejam mais suportáveis e menos dependentes, por muito medo que tenha de perder as minhas pessoas. 

E eu acho que isso é que é ser mulher e amar-se. É reconhecer que não sou perfeita, de longe, mas reconhecer também que, como qualquer pessoa no planeta, as minhas imperfeições não justificam o meu desdém pelo meu carácter e corpo nem justificam que as pessoas tenham menos afecto por mim. Nem vou amar-me menos só porque as pessoas não conseguem fazê-lo da mesma forma. Coragem nos dias mais difíceis e emoção e conquista nos dias mais fáceis. Ser mulher é difícil mas (porra) é bom.

6 comentários:

  1. Eu, pelo que te "conheço" do blogue, nunca na vida diria que és um pessoa insegura. :)

    ResponderEliminar
  2. És linda, Inês. É só isso. Espero que tenhas tido um feliz dia!

    ResponderEliminar
  3. Todos nós temos as nossas inseguranças os nosso defeitos, que não nos quer aturar, boa viagem. Podia ter sido eu a escrever isto, mas obviamente não escrevo tão bem como tu :)

    ResponderEliminar
  4. Até me impressionou como compreendi cada linha do teu texto! Não é fácil termos perfeita noção de todas as nossas imperfeições e falhas e ao mesmo tempo, termos um feitio complicado para lidar com isso e mostrá-lo aos outros. Há uma frase muito conhecida pela internet que diz "por vezes sinto que as pessoas quando olham para mim estão a ver todos os defeitos que eu admito a mim mesma" e não é mentira... Mas pouco a pouco, com convicção, coragem e força vamos aprendendo a lidar connosco e sabemos aceitar-nos. Chega a uma altura que já sabemos bem o nosso valor e já não aceitamos nada ou ninguém na nossa vida que não nos traga boas energias! Não é bom para nós, é seguir em frente.
    Obrigada pela genuidade das tuas palavras, como sempre :)

    ResponderEliminar
  5. Fantástica mensagem para todas as mulheres, Inês. Temos de nos aceitar com todas as imperfeições e inseguranças. Partilho de muito do que disseste neste texto :)

    ResponderEliminar
  6. Que texto lindo :) Acho que devias adorar cada pedaço teu e, mesmo que condenes algumas das tuas atitudes, como dizes, mereces ser amada assim dessa forma!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)