domingo, 22 de março de 2015

FACULDADE || E o Mestrado?


Ainda nem estagiei, ainda nem me licenciei, ainda nem entrei na Ordem, ainda nem chorei porque não encontro nada na minha área e já me perguntam onde vou fazer Mestrado e o que quero fazer no Mestrado, como se fosse imperativo tirar um Mestrado imediatamente. A verdade é que ainda não estou muito sintonizada com a vontade de tirar um Mestrado, para já.

Bem sei que, olhando para o retrato profissional do meu país, um Mestrado é mais um patamar seguro nas minhas habilitações. Que se só tiver a licenciatura "vão passar-te à frente". Tenho tudo isso presente na minha consciência e se dou algum exemplo de alguém que não tirou Mestrado logo a seguir à licenciatura, levo como resposta "Mas tirou agora, por alguma razão foi". E a razão tem de ser sempre a necessidade de tirar para continuar na corrida e nunca a sensação de estar preparado para outra etapa académica.

Eu não sinto, neste momento, essa preparação. Talvez mais uma certeza absurda da minha idade, mas é a verdade. Eu sinto que as pessoas hoje em dia olham para um Mestrado como nós em miúdos olhávamos para a zona de segurança para onde corríamos quando jogávamos à apanhada - aqui estamos bem, aqui é o refúgio. E eu não quero olhar para outra etapa académica dessa forma.

O meu curso tem 4 anos e é ridículo que não tenha Mestrado Integrado (outra história para outra publicação). E estou a começar a ficar exausta da pressão dos estudos, dos prazos de entregas de trabalhos para entregar, das catrefadas de matéria desnecessária que tenho de saber na ponta da língua por causa deste sistema de avaliação. Estou saturada e sinto que preciso de um desafio diferente daquele que estou há 15 anos a fazer. Talvez quando começar a contactar com o mundo do trabalho me arrependa e perceba que afinal quero continuar a estudar. Talvez esteja a dizer um disparate mas eu preciso de chegar lá por mim. Eu quero (se quiser tirar um Mestrado) olhar para esse desafio como uma experiência enriquecedora, motivadora e de concretização pessoal. Não como um troféu para por no CV e passar à frente 20 pessoas numa entrevista de emprego.

É um discurso ingénuo e de menina estudante, bem sei. Como já referi, tenho consciência da realidade mas, para já, Mestrado não está nos planos. Está nos meus planos conseguir terminar as cadeiras do meu curso sem percalços, sobreviver ao estágio e ir para a Ordem. E isto já me parecem coisas suficientes para eu reflectir e esforçar. As Mestrices parecem-me um assunto que pode perfeitamente ser adiado para quando eu tiver cabedal e coração para o fazer. Independentemente da opinião que me rodeia. Só eu sei as minhas capacidades e a energia que tenho ao meu dispor. Mais ninguém. 

10 comentários:

  1. Eu acho que a necessidade do Mestrado depende muito do curso/área, também. Tenho uma amiga que está em Fisioterapia e é como ela diz, o mestrado não é assim tão essencial para que ela possa exercer. Lá está, talvez passasse à frente de umas quantas pessoas, mas isso não é tudo. Há cursos que sem o mestrado ficam um pouco mais "frágeis", outros que não pedem por ele. E é como dizes, também depende muito do que tu queres e da tua disponibilidade, tal como das oportunidades que te surgem.

    ResponderEliminar
  2. Vou acabar a licenciatura de Ciencias da Comunicação em Junho e muita gente também já me perguntou "e o mestrado?" e eu respondo sempre "para já não". Já estou farta de estudar desde os 6/7 anos de idade, vou acabar o curso, tentar arranjar estagio e quem sabe, se a sorte tiver do meu lado, arranjar um trabalho na minha area se nao conseguir aí sim talvez me meta em mestrado só para não estar parada. Hoje em dia Mestrado já não significa muito, falo pelos amigos que muitos já têm mestrado e nem estágio conseguem, são (quase) sempre superados por alguem com apenas licenciatura mas com experiência. Bem, é assustador este futuro que nos espera mas pronto, vamos a isso! x
    http://dreamingwithpeaches.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Como eu te percebo, muitas vezes fazem me a mesa pergunta. Por enquanto quero, tal como tu, acabar as cadeiras e fazer e estágio bem e com o máximo profissionalismo a que me permito, o mestrado se tiver que ser será mas não é uma coisa que esteja muito preocupada, pelo menos por enquanto.

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida és tu que deves decidir isso e não deixar que o façam por ti. É um passo importante, mas que só deve ser dado com a certeza de que é o mais certo para ti ;)

    ResponderEliminar
  5. O meu curso tem Mestrado Integrado por isso é algo em que nem penso, estou mentalizada que só começo a trabalhar daqui a 4 anos (e já estou no segundo ano...). Eu percebo o que sentes e gosto da tua maneira de ver as coisas :)

    ResponderEliminar
  6. Apesar de estar cansada de estudar e de ter toda esta pressão em cima, tenciono fazer o mestrado logo que acabe a licenciatura. É algo que, desde que vim para a universidade, tracei para o meu futuro, e quero concretiza-lo. Isto porque o meu curso, sem mestrado, não dá para praticamente nada. E lá está, o Mestrado traz a segurança extra (embora o Mestrado em ensino, que é o que eu quero, não traga seguranças nenhumas!). Mas é o meu sonho e, para o seguir, tenho de fazer o mestrado. E acho que ia ser mais dificil parar e regressar ao "sistema" mais tarde... assim fica tudo "arrumado" e pronto, não penso mais no assunto xb Mas lá está, se não tivesse mesmo este sonho, se calhar deixava-me ficar pela licenciatura...

    ResponderEliminar
  7. Comigo acontece o mesmo: já me falam em mestrado há tanto tempo, mas, tal como tu, não tenho mesmo cabeça para o fazer. Ando tão cansada de estudar, e tirar um mestrado só porque sim, opá, para mim, não dá. Já me chega ter que fazer um segundo estágio para poder pertencer à Ordem... Se ainda tivesse que fazer um mestrado, isto nunca mais acabava. E não me parece que traga muitas vantagens na nossa área...pelo menos é o que vários colegas meus pensam, e eu até concordo. Mas chateia-me que muita gente não compreenda isto e que não compreenda que já ando tão cansada e ansiosa por despachar isto...

    ResponderEliminar
  8. Se não te sentes preparada para tal, acho que não tens que o fazer só porque deves. Sou da opinião de que devemos fazer algo quando estivermos completamente motivados e com certezas (o mesmo se aplica à ingressão no ensino superior).

    ResponderEliminar
  9. Eu tirei logo Mestrado mas no meu caso sem Mestrado não era Educadora de Infância (mariquices que o Bolonha veio implementar). Se eu me tornasse Educadora só com a licenciatura não tinha partido logo para o Mestrado por um simples motivo: também estava exausta. O próximo passo que eu gostaria de dar era uma Pós-graduação ou uma Especialização mas, por enquanto, estou a gostar de aproveitar o mundo do trabalho. Há que saber aproveitar todas as fases. E acho que fazes muito bem em experimentar o mundo do trabalho. É completamente diferente do que aquilo que nos fazem crer nas aulas ;)

    ResponderEliminar
  10. Eu tenho pensado em fazer mestrado mas não para agora. Mas quero ver o que para aí há que me possa atrair. Seja cá em Portugal ou numa ou outra cidade do estrangeiro na qual eu gostaria de viver :)

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)