domingo, 11 de janeiro de 2015

FILMES || A Dama de Ferro


É certo que é um filme que já estreou há bastante tempo e que até já passou na televisão e tudo mas só tive oportunidade de o ver há pouco - ainda que estivesse morta de curiosidade para o ver desde que estava nos cartazes do cinema...



O filme retrata a vida de Margaret Thatcher de uma forma que me pareceu irreverente, tendo em conta os típicos filmes de personalidades históricas: começa com um fim, com um estado mental degradado da grande 1ª mulher ministra e que, se nos é permitido assim comentar, leva-nos a ter alguma pena. Ao longo do filme vamos acompanhando os flashbacks de Maggie e observando a sua evolução de carreira.

Este é um filme que apreciei por não ter floreados. Não há infâncias, não há longos períodos de filme a encher chouriços sobre o brinquedo favorito dela e da lembrança de um perfume (como muitos exageram fazer). Este é um filme puramente focado na sua carreira e evolução política, sem mais detalhes. Aliás, tudo o que no filme não está focado na política é, de facto, as imagens da época actual de Margaret - que alucina com a presença do marido morto -.

Outra coisa que marca a diferença é que este é um filme de uma personagem história feito com imparcialidade. Sabemos pela História que Margaret Thatchet foi uma mulher bastante controversa e se durante longos anos esteve no topo da ribalta, depressa ganhou o ódio e a revolta do seu povo. E o filme assim retrata os dois lados de Margaret: a heroína da nação e a dureza da Primeira Ministra, pelo o que o título do filme está mais que apropriado, para o bem e para o mal.

Maggie era uma mulher com uma personalidade bastante vincada, de alguma teimosia mas que, acima de tudo, soube que foi essa obstinação que a levou a conseguir posição num mundo de homens e que a levou a ganhar as mais diversas batalhas. Mas foi também a sua convicção e teimosia que a levou a perder aliados, enfrentar decisões sozinha e, ainda mais a enfrentar decisões sozinha, enfrentar um povo em crise. Uma mulher marcante à qual não podemos deixar de admirar tudo o que conquistou com coragem, determinação. Estas foram muitas das coisas que consegui absorver do filme.

Não tem uma fotografia para além de genial mas a prestação de Meryl Streep é irrepreensível e fantástica, com grandes mensagens de poder e coragem que todos deveríamos carregar connosco, um pouco, da audácia de Margaret. Aconselho (a quem se estrear como eu) que o vejam sem expectativas. O filme ganha pela maravilhosa actriz. E, se não for muito mauzinho de dizer, é mesmo isso que o torna mesmo bom.

7 comentários:

  1. Nunca vi o filme, mas agora fiquei curiosa!

    ResponderEliminar
  2. adoro este tipo de filme!!
    r: não sabia que havia continuação!! não me perdoo :o ahah

    ResponderEliminar
  3. Ainda não vi mas adoro esse tipo de filmes por isso quero muito ver :)

    ResponderEliminar
  4. Confesso que nunca o vi porque nunca me chamou à atenção. No entanto gostei de ler o teu ponto de vista (:

    ResponderEliminar
  5. eu nunca vi o filme, mas é sem dúvida um filme a ver nos próximos dias!

    ResponderEliminar
  6. Eu vi o filme mas achei-o um bocado aborrecido.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)