sábado, 10 de janeiro de 2015

AMOR || We Accept the Love We Think We Deserve


A primeira vez que li esta frase (em 2012, no livro The Perks of Being a Wallflower) tive uma interpretação da mesma um pouco diferente da que tenho hoje. A frase, por si só, é bastante explícita, sem necessidade de dezenas de entrelinhas mas inicialmente achava que estava ligado ao amor que eu ia querer para mim. Isto é, julguei que eu escolheria a pessoa para me amar que eu achasse que merecia ter.

Mas hoje já não penso da mesma forma. Acho que quando dizem que nós aceitamos o amor que pensamos merecer trata-se de decidir, com base em todos os gestos de amor que damos, quanta dor estamos dispostos a aceitar em proporção à quantidade de amor que vamos receber. É uma balança que avaliamos diariamente. Acho que tem muito mais a ver com o amar acima de todas as desilusões, tristezas e chatices do que propriamente quanto amor eu mereço receber. Não se trata de quanto amor eu mereço receber. Trata-se de quanta dor eu estou disposta a passar tendo em conta a quantidade de amor que posso vir a receber. Da mesma pessoa.

Vamos sempre magoar-nos no amor, é inevitável, mesmo que fiquemos com uma pessoa para sempre (utopia, mas prossigamos). Há coisas que nos moem e nos desiludem. Atitudes que a outra pessoa tem para connosco e que nos vão ferir, coisas chatas de se dizer, dias não. E aí é que está o ponto de reacção:

Quantos dias "não" pensas merecer em comparação com dias "sim"? Quantas lágrimas aceitas deitar em troca de sorrisos?

A verdade é que quando chegam dias mais "não" do que "sim", chegamos ao nosso limite. Não merecemos tanta dor para o amor que damos. E é aí que abrimos mão de um amor que não é o nosso. Porque não o merecemos. Não merecemos chorar mais do que sorrir. 

E é aí que eu penso que a frase é mágica. Porque a vida é tão real que acreditar que a pessoa será perfeita para nós para sempre, é incrivelmente estúpido e aborrecido. Mas aceitarmos passar tempestades por ela e aguentar o barco por só mais um dia de Sol, é um incrível ato de amor altruísta. 

8 comentários:

  1. É mesmo... Nunca tinha pensado dessa forma ao ler a frase

    ResponderEliminar
  2. Tu fazes magia com as palavras, querida Inês.

    ResponderEliminar
  3. Gostei bastante da interpretação que deste à frase e concordo ;)

    ResponderEliminar
  4. Curiosamente não interpreto a frase dessa forma. Apesar de também achar que faz todo o sentido amar de acordo com aquilo que conseguimos superar, penso que a frase significa algo diferente. Interpreto-a assim: "se nós nos acharmos uma desgraça e se acharmos que qualquer pessoa será infeliz ao nosso lado, acabamos por afastar qualquer sentimento bonito que poderia eventualmente existir. Por não nos sentirmos merecedores de tal afecto e por não nos acharmos no direito de magoar. As pessoas só nos amam realmente se nós deixarmos. Só se aproximam se permitirmos e a verdade é que só o permitimos se tivermos confiança para acreditar que conseguiremos fazer a outra pessoa feliz". (:

    ResponderEliminar
  5. Continuas a escrever maravilhosamente! É incrível como uma simples frase pode dizer tanto...

    ResponderEliminar
  6. Essa frase ficou gravada em mim desde o filme :)*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)