segunda-feira, 24 de novembro de 2014


Lembro-me perfeitamente de no meu 9º ano ter tido uma disciplina com um professor que era deveras peculiar: começou a primeira aula pedindo para que nos agrupássemos e fôssemos para a direita ou para a esquerda de acordo com a opção que desejássemos, ou as nossas preferências. As primeiras foram fáceis de decidirmos, íamos constantemente alternando-nos entre os sentidos de acordo com chocolates preferidos, clubes, hobbys. Mas houve uma pergunta que ele fez - e infelizmente já não me lembro - que fez com que toda a turma se dividisse excepto eu e mais um colega da minha turma que ficámos estáticos no meio, sem saber para que lado nos virarmos. E foi então que ele começou a dizer "Nem sempre as escolhas são tão lineares como pensamos, não é?". Se me perguntarem qual era o nome da disciplina, não faço ideia.

Mas falámos sobre muitas outras coisas. Foi através dele que percebi tudo sobre, por exemplo, seguradoras. Falávamos de coisas reais, falávamos de o que era um Seguro do Carro, de Vida, Saúde, sobre o que é um salário e impostos, falámos sobre como gerir o nosso dinheiro de acordo com bens de primeira necessidade, compras de casa, compras de roupa, idas ao cinema, jantar fora e como poupar. Tivemos um "jogo" em que cada um tinha um emprego num papel e que nele estava denotado o salário bruto e líquido e cada um discutia como conseguiria pagar as contas (a mim tinha calhado ser florista e lembro-me de ficar chocada por perceber que nem para pagar as contas básicas o meu dinheiro iria chegar). Eu dei por mim a pensar no quão importante seria termos esta disciplina mais vezes, em todas as escolas. No quão importante foi para mim enquanto humana perceber que nem todas as escolhas são a preto e branco e no quanto a vida é feita de escolhas, de rearranjos, de alternativas. 

É certo que a matemática, as ciências, a história e as línguas são importantes. Mas saber como desenvencilhar em coisas banais da vida - e entender que é normal termos apertos de vez em quando - também é realmente interessante.

7 comentários:

  1. Seria realmente interessante termos essa disciplina em todas as escolas.

    ResponderEliminar
  2. Ainda estou no básico e olha que fiquei curiosa com essa disciplina!

    ResponderEliminar
  3. Adorava ter falado disso nalguma disciplina!

    ResponderEliminar
  4. Concordo plenamente! Devia haver sei lá uma hora qualquer na escola onde se falasse desse tipo de coisas!

    ResponderEliminar
  5. que interessante, gostava de ter tido um professor assim!

    ResponderEliminar
  6. Lembro-me de ter uma disciplina no 5º e no 6º ano que era formação cívica. Hoje em dia acho que já nem existem, mas para mim foi tão importante como ter matemática por português.
    Entre muitas coisas, tais como nos ensinar para que serviam as lojas do cidadão, ou o que era o dever cívico, ensinou-nos a aceitar e a perceber melhor a fase da adolescência. Durante uma aula ouvimos aquela música "não há estrelas no céu, a dourar o meu caminho, por mais amigos que tenha sinto-me sempre sozinho" e a professora perguntou-nos o que nos fazia sentir. Toda a gente praticamente concordou que descrevia a fase da vida em que estávamos. Ainda hoje ao ouvir a música me lembro do que aprendi naquela hora e pouco que havia por semana, como isso me ajudou (e continua a ajudar). Acho que é importante haverem aulas assim, só para discutir assuntos sérios ou nem por isso, para nos fazerem pensar.

    ResponderEliminar
  7. É isso que falta actualmente nas escolas!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)