terça-feira, 26 de agosto de 2014

MUNDO || A perda de valores


Há algo que tenho dito há algum tempo que me preocupa nesta nova Era; Eu nem digo "geração" porque a verdade é que há muita gente da minha idade e alguns mais velhos com este problema também: a falta de valores.

Para mim, alguém sem valores é, de facto e como próprio nome indica, alguém sem o mínimo de valor para mim. E é o que se tem verificado, não nestas últimas semanas com todos os conflitos mas há anos. Não é de agora. A falta de educação, do respeito pelo outro, do valorizar de opiniões sempre esteve muito demarcado. 

Mas é de arrepiar quando começamos a ver o valor da vida a ser tratado de forma vulgar. Agressões violentas gratuitas feitas ao mínimo conflito e rixa é um motivo para questionar a humanidade da própria Humanidade. A partir do momento em que o direito à vida (decretado por lei! Sim, decretado pela nossa Constituição que todo o ser humano tem direito à vida!) é tratado como um video-jogo onde podemos disparar, esfaquear, esmurrar e açoitar qualquer pessoa que se oponha às nossas ideias, meus caros... é aqui que me começo a preocupar de verdade.

Este problema não é de geração. Não é os "miúdos de agora". Não é "estas pitas que agora arranjam confusão". Isto é um problema de Era, cuja educação é atirada aos professores como se tivessem os professores o dever de educar os filhos dos outros, é um problema de respeito e é, mesmo, um problema de valores morais. Num mundo de acessibilidades, liberalismo e comodidades, três grandes gigantes que existem para tornar o mundo mais aberto e pacífico, chegam o egoísmo, a falta de humildade e a violência. Ninguém tem o direito de brincar com a vida dos outros como se fosse um peão. E a partir do momento em que já se brinca com o valor da vida, que outro valor pode falar mais alto para educar pessoas que já deviam ter sido educadas há um bom par de anos atrás?

6 comentários:

  1. R: A que eu vou não é propriamente das melhores bibliotecas que conheço, mas não custa tentar.

    ResponderEliminar
  2. Ora ai está uma grande verdade, Inês. Tomara que mais pessoas pensassem assim e que a sua diferença cultural não fosse tão grande e tornasse tão difícil compreender algo tão básico quanto isto.

    ResponderEliminar
  3. Já a avó do meu namorado disse "As pessoas esqueceram-se do ser e só pensam no ter"

    ResponderEliminar
  4. Aceitei o desafio/prémio Liebster Award que me propuseram, foste uma das minhas nomeadas, fico à espera que aceites também :)

    ResponderEliminar
  5. Muito bem dito!
    Partilho da mesma opinião!

    ResponderEliminar
  6. Concordo!! Não podias ter falado melhor... infelizmente...

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)