terça-feira, 19 de agosto de 2014

MUNDO || Papa Francisco


A minha postura perante a religião é talvez uma das maiores bipolaridades da minha personalidade. Dificilmente consigo destacar uma opinião minimamente definitiva e há muitas questões flutuando e que me fazem levantar as mais diversas perguntas quando o tema é aberto.
Em soma a este meu resguardar religioso, estava a minha falta de crédito por Papas. Pouco ou nada me diziam e pouco ou nada traziam de novo para que o meu pensamento sobre a religião andasse para um porto seguro e, portanto, aqui confesso que quando houve a nomeação do novo Papa Francisco, a minha atenção foi bastante reduzida e a minha desconfiança e descrédito ali permaneceu.

Aqui reconheço o espanto que este novo Papa tem revelado e me faz sentir uma certa admiração. Por inúmeras razões mas, em especial, pela irreverência pelo bem. Qualquer Papa conseguiria garantir destaque, é algo fácil dada a sua posição, mas um destaque em prol do próximo é algo raro e muito altruísta. É um facto que este Papa já foi notícia por coisas mais afastadas da religião como selfies ou o seu constante desafio à segurança (que me faz pensar na dor de cabeça que o núcleo de segurança deve passar cada vez que o mesmo desafia os limites) mas, para mim, o Papa Francisco revelou algo que, finalmente, me fez perceber no que me faz ainda manter um pé preso à religião, não a abandonando por completo: os valores.

Se despirem a religião de orientações, deuses ou tradições, a religião é um culto não só de fé mas de fé pelos outros, de ajudar os outros. Do perdão, da tolerância e do amor. Seja qual for o passado, o presente ou o futuro de todos os acessórios que compõem a religião, estes são os valores que assentam na fé. E é isso que o nosso novo Papa tem revelado: a humildade, a fé, a tolerância e o perdão, que são valores quase esgotados e inexistentes na sociedade hoje em dia e no entanto, a cada gesto novo que ele executa, uma nova lembrança a cada um de nós para sermos um pouco mais bondosos. Eu gosto de admirar pessoas que fazem puxar o melhor de mim, quer a nível académico, profissional, desportivo ou pessoal. E acho que este Papa Francisco (abençoado seja) tem feito um dos melhores trabalhos desta última década: dignificar a fé e a religião e mostrar o lado bom de sermos crentes sem sermos cegos em relação à ciência e às coisas exactas.

Eu espero que este Papa viva e viva muito. Assim que me apercebi do seu dinamismo e irreverência, da sua pouca preocupação com a segurança, concluí que não faltará muito até que tentem terminar o seu caminho. Não é um pensamento isolado, em conversa com outras pessoas, parece-me que temos todos o mesmo presságio: a tentativa de o silenciar. E se, na minha condição tão pouco religiosa, me permito, eu rezo para que este Papa viva o máximo que puder e continue a espalhar os valores mais belos da Humanidade.

7 comentários:

  1. Sou da mesma opinião que tu! Não sei bem qual é o meu pé em relação à religião mas este papa p~e-me a pensar e fez mostrar que ainda tenho alguma fé no mundo! Que ela viva mesmo por muito s e longos anos!!!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho um carinho muito especial por este Papa!

    ResponderEliminar
  4. Uma das coisas que detesto no mundo da religião, são as pessoas que se assumem convictamente religiosas e depois não têm valores, sentido moral nem respeito pelos outros.

    Felizmente conheço pessoas que ainda me fazem acreditar que a religião tem um propósito nesta vida.

    ResponderEliminar
  5. Que texto bonito e diferente! Também espero que este papa viva muito! Tem feito um ótimo trabalho!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  6. O exemplo de testar a segurança é só um de muitos. Abdicou das "vestes" habituais de designers com renome e já foi notícia por ter ido almoçar à cantinha do Vaticano, coisa que não deve ser de todo normal. Concordo com o que escreves embora não acompanhe tudo sobre este assunto como gostava.

    ResponderEliminar
  7. Concordo completamente contigo! Também não dei muita atenção ao assunto quando foi escolhido o novo Papa, mas assim que começaram a surgir as notícias sobre as suas ações tão radicais e altruístas, a minha crença e a minha fé na humanidade ressurgiu.

    Também acho que esta história toda não vai acabar bem para o Papa, mas acho que este pelo menos, devia viver longos e bons anos!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)