sexta-feira, 1 de agosto de 2014

LIVROS || As Intermitências da Morte


Antes que se benzem por falar de Saramago, aviso-vos de ante mão que o livro em nada tem a ver com o Memorial. No meu 12º ano, o meu pai deu-me as Intermitências para ler antes do Memorial por ser mais "digestivo" de ler, e ele tem razão. Além do número de páginas significativamente inferior, tem uma leitura muito mais confortável e uma história caricata.

É tão simples quanto isto: a Morte decide fazer greve num país. Decide deixar de matar pessoas num determinado país não discriminado. E o que acontece quando a Morte deixa de querer matar? O que acontece ao número populacional, aos hospitais, ao Governo, à Segurança Nacional e às fronteiras? Se é preciso atravessar a fronteira para podermos morrer, como impedimos os outros países de quererem ser imortais também? E o que acontecem aos moribundos que estão no fim da linha?

Este é o desenrolar das Intermitências da Morte. A meio do livro há uma nova revelação, da qual evidentemente não vou partilhar, têm de ler!

A escrita de Saramago não é fácil nas primeiras páginas mas depressa apanhamos o seu ritmo. A história de os livros de Saramago não terem pontuação é um mito, a única carência que ele apresenta e que eu pessoalmente detesto é a ausência de discriminação de discurso directo. 

É um bom livro para quem ainda tem o Memorial para ler, uma excelente introdução no seu mundo literário e é um bom livro que ganha pela originalidade do tema. Porque já passou por todos nós o pensamento: e se a Morte deixasse de matar?

Autor: José Saramago
Número de Páginas: 208

*Ainda há muitos pormenores que quero melhorar nesta rubrica, mas tenho imensos livros para falar e pouco tempo de férias para o fazer, portanto*

14 comentários:

  1. Ter até têm, é isso que nos ajuda a ver quem fala e diz o quê...Eu adoro Saramago.

    ResponderEliminar
  2. Foi o primeiro livro que li de Saramago e fiquei rendida. Achei a história bastante interessante.

    A primeira vez que apareceu um diálogo fiquei confusa, não estava a perceber e tive que reler para perceber que era, de facto, um diálogo.

    Já leste o "Caim"?

    ResponderEliminar
  3. Eu ADORO Saramago! :)
    Por acaso esse livro ainda não li, fiquei curiosa :)

    ResponderEliminar
  4. é um livro que vou querer ler.
    R: Ainda bem que gostaste :)

    ResponderEliminar
  5. Parece interessante! També o tenho cá por casa, pode ser que lhe dê uma chance.

    http://coucoucaroline.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Fiquei curiosa! Mas lá está, depois de ler o Memorial, tenho tendência a pôr Saramago de lado...
    Já agora, gostava de te fazer um "pedido". Tens algum e-mail ou assim para que te possa contactar? Torna-se mais fácil do que através de comentários :)

    ResponderEliminar
  7. Ainda só li "Memorial do Convento" e gostei muito.
    beijinhos, autora do blog http://newblackis.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Já te enviei o e-mail, obrigada :)

    ResponderEliminar
  9. Dei o Memorial no Secundário mas confesso, não li. A minha professora fazia testes de quinze em quinze dias e eu no dia antes lia na diagonal. Não sei se era da escrita ou de estar a ser obrigada a ler.
    O ano passado li "O ano da morte de Ricardo Reis" e apaixonei-me por Saramago. Mas concordo com o que dizes relativamente ao discurso directo. Muitas das vezes tive que ler em voz alta para entender onde começava uma fala e terminava a outra. Ainda assim devorei o livro.
    Com o que aqui escreveste fiquei super curiosa com esta história. Vai ser o meu próximo livro dele.
    Para o fim vou deixar o tão "temido" Memorial. Quem sabe não acabo por gostar.

    ResponderEliminar
  10. Tenho esse livros na estante e, estou para lhe pôr as mãos em cima à algum tempo. Este post motivou-me!

    ResponderEliminar
  11. Foi o primeiro livro que li de Saramago e apresentei, inclusive, um trabalho em Português sobre a minha leitura :)
    Achei uma história super interessante!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)