quinta-feira, 20 de março de 2014

FACULDADE || O Laboratório


Muito dificilmente vão apanhar-me a trabalhar num laboratório - assunto para outro post - o que não significa que não o tenha de fazer para ter o canudo da licenciatura na mão. Porque tenho. São cadeiras infinitas de laboratório e experiências, na qual se podem observar muitos comportamentos caricatos.

O primeiro é a colocação da luva; Para muitos, o momento de encarnarem aquela personagem que ansiavam há anos fazer e colocar a luva no mais alto puxão, para depois a soltar de uma só vez, qual cirurgião de série, qual Dr. House. Outros parece que estão no meio dos Saldos, procurando desesperadamente pela luva que satisfaça o seu tamanho e a frustração diabólica quando só há S e não há M ou L. Por fim, temos ainda o momento mão-hulk, na qual toda a luva se rasga com a força interior da ira de uma mão que só quer trabalhar (muitas vezes consequência da "encarnação Dr. House" e da "Loucura dos Saldos") e, por último, a que mais acontece comigo: "Onde é o polegar e o dedo mindinho?". Faço uma tour por quase toda a luva para a pôr correctamente e ainda tenho a luta de fazer a luva entrar na minha mão.

Depois, há vários tipos de personalidade em laboratório: O que faz tudo; Podemos pedir-lhe para mexer em urina nuclear e ele fá-lo, se necessário, sem luvas sequer. É o Batman de laboratório, que consegue tudo e salvar o dia (ou a experiência) de afundar em desastres protocolares. O Esquisitinho; que confesso, há uma parte de mim que é assim: faz tudo com luvas e, quando não pode fazer, está a lavar as mãos a seguir. Vê tudo o que vai mexer antes de mexer e faz as coisas com cara de criança de 2 anos a provar limão.
Há ainda o Só Estorva: aquele que está ali só para ocupar espaço, impedir o acesso fácil à bancada, que normalmente se senta quando o professor não vê e pergunta se é preciso fazer alguma coisa mas que toda a gente sabe que não quer fazer e, se fizer, fará mal. É a mobília.
Por último, há o Perdido na Selva: o que não sabe absolutamente nada do que está a fazer. Não sabe o que está a pipetar, quando tem de pôr, como regular a micro-pipeta ou quanto diluir. Faz as perguntas como se fosse uma confirmação quando, na verdade, quer desesperadamente que alguém lhe diga o que fazer. É aquele que, muitas vezes pergunta a alguém, baixinho "o que é um balão volumétrico?" (sim, há pessoas ainda a fazer esta pergunta).

Por fim, existem várias formas de "agir" em relação ao protocolo; existe o Ipsis Verbis: que responde às questões da professora ou acompanha um procedimento dizendo exactamente o que está no protocolo, sem falhas (e não diz "vírgula" porque não pode e porque não se diz). Existe o Gordon Ramsay (que sou eu): substitui toda e qualquer fórmula, solução, diluente, meio ou material por "merda": "Pegas nessa merda, metes nesta porra e depois agitas a merda toda até ficar uma merda cor-de-rosa. Se não der, fodeu." e existe ainda o "Ai aquilo!" que denomina todas as soluções com um ar de quem se esquece o nome, aponta, estala os dedos, fecha os olhos e diz "Metes... Metes... Ai aquilo!".

Não faço dos laboratórios o meu desejo de vida futura, mas reparar em comportamentos e tiques é algo que me satisfaz de ver. Fiquem atentos e observem!

7 comentários:

  1. r: Tens razão quando dizes que esquelético não é isto. Mas isto é só um exemplo. Eu garanto-te que já vi modelos da Zara esqueleticas e não sou a primeira pessoa a admiti-lo. Quanto às modelos da victoria's secret, eu acho que elas têm um peso bom para a profissão que têm. Continuam a ser mais magras que as tipicas raparigas/mulheres? Sim, no entanto têm peso, têm carne, fazem desporto. Aliás, o conceito da marca tem como objectivo aproximar as modelos das pessoas ditas "normais"... Mas são opiniões! Também não gosto nada desse estilo ahahah x)

    ResponderEliminar
  2. O que eu me ri às gargalhadas a ler o teu post, a sério. És demais!!

    ResponderEliminar
  3. Vistas as coisas sou, sem dúvida, o "Batman do Laboratório", adoro aulas práticas e laboratoriais!

    Em relação às luvas, normalmente estou "no meio dos saldos" porque nunca há S (sim, tenho mãos minúsculas) e tenho de me contentar com um M (que me fica a boiar)!

    ResponderEliminar
  4. ahahahah concordo contigo xD
    Eu gosto das aulas laboratoriais mas também depende do professor xD *

    ResponderEliminar
  5. Ahah, óptima descrição! Eu também não gostava de trabalhar para sempre fechada num laboratório :s

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)