quinta-feira, 27 de março de 2014

NUTRIÇÃO || Nutrição e Cardiologia


Ter cadeiras específicas é também ter contacto com profissionais da nossa área de trabalho. Nutricionistas, das mais diversas áreas, em campos diferentes. Geralmente, na 1ª aula, costumam dar um resumo da sua carreira e, um dos percursos que mais me impressionou é o de uma actual professora que tenho. Quando se licenciou e fez mestrado em Nutrição clínica, foi colocada num hospital que, para a época, pouco ou nada estava familiarizado com Nutrição. Ela era a única nutricionista de um hospital inteiro e isso fez-me admirá-la profundamente. Muito trabalho, para muitas alas, para muitos tipos diferentes de pacientes. Mas também reconheço: ganhou uma experiência, uma prática, uma estaleca incomparável e difícil de igualar.

Com o avançar dos anos, colocaram mais algumas nutricionistas e dietistas no hospital e dividiram as áreas por cada, sendo que a minha professora é a Chefe. Puderam, portanto, escolher o tipo ou a ala hospitalar que queriam acompanhar com regularidade. Umas escolheram oncologia, outras pediatria and so on. Penso que, se não tivesse ouvido a minha professora, também teria escolhido Pediatria.
Mas depois ouvi a sua escolha: Cardiologia. E a minha admiração cresceu mais.

Sempre tive uma enorme perdição por cérebros e corações humanos, mas nunca tive o desejo de ser médica, nunca quis os "curar". Os cérebros e corações são como os peixes no Oceanário: eu gosto só de os ver ao máximo, mexer se possível, nada de tratar. Nunca tive medo de mexer em corações nas aulas, era a primeira a calçar as luvas, pegar no bisturi e abri-lo ao meio, explorá-lo. O cheiro, a cor, a textura, nada me incomodava e acabava sempre por ser a única a mexer por mais ninguém querer fazer esse trabalho. Os corações fascinam-me e os corações dos outros fascinam-me ainda mais.

Tratar de pessoas com falências cardíacas, vítimas de trombose, AVC, ataques ou com hipertensão perigosa seria como um sonho para mim. Cuidar de pacientes que sofreram de AVC e se vêem limitados das suas capacidades, saber que os pude ajudar, é uma sensação de conforto inexplicável, de paz. As pessoas raramente dão valor à alimentação, comem porque têm fome, porque morrem se não comerem, esquecem-se apenas que a alimentação é a nossa primeira via de remédio e veneno.

Agora compreendo porque é que abrimos ainda corações na Faculdade e medimos tensão e fazemos uma série de procedimentos maioritariamente médicos. Temos de conhecer o nosso inimigo. E eu nunca fiquei tão fascinada com este inimigo. Trabalhar em nutrição com pacientes cardiológicos era como oferecerem-me um Mini no Natal. Trabalhar em nutrição com pacientes neurológicos era como oferecerem-me 15.000 Iphones.

Não vos consigo explicar o meu fascínio. Amo nutrição, sinto que é a minha vocação educar as pessoas para a alimentação, ajudá-las. Gosto do mistério da mente humana, das reacções, dos neurotransmissores, dos indutores e inibidores e também gosto do que mete um coração a mexer. Juntar a minha maior paixão (nutrição) com estes pontos de curiosidade que eu tenho, era um grande auge na minha (ainda inexistente) carreira.

Entrei no curso sabendo que o meu destino era a nutrição clínica. Até agora, verifico que é este o caminho e já pensei em nutrição desportiva e nutrição pediátrica. Mas nutrição em alas hospitalares de cardiologia? É o pote de ouro no arco-íris.

Foto

3 comentários:

  1. Oh, adoro :D
    Vê-se logo que gostas do que fazes! Abrir corações e analisá-los deve ser tão awesome :o

    ResponderEliminar
  2. Adorei a parte em que falas da tua adoração pelos corações e pelos cérebros. Eu sou igual, e adorei vê-los (e mexer neles, eheh) nas aulas de anatomia :D

    ResponderEliminar
  3. http://www.apn.org.pt/scid/webapn/defaultArticleViewOne.asp?articleID=1853&categoryID=873

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)