terça-feira, 5 de dezembro de 2017

MUNDO || Ser feminina

Um dos conceitos que mais amadureci, à medida que fui crescendo, foi o significado de ser feminina. Sempre fui muito feminina; brinquei com Barbies, vestia-me de princesa, praticava ballet, amava brincar às casinhas — quando não estava na rua — e queria ser bailarina, quando fosse grande. Eu era o exemplo máximo daquilo que imaginamos quando falamos de uma criança feminina.

Mas na minha entrada para a adolescência, reparei numa percepção que, ainda hoje, perdura: a associação imediata que se faz ao "ser feminina" com "ser vulnerável". O expoente máximo onde isto se verifica é na escola; as minhas colegas preferiam dizer que eram "Marias-Rapaz" e eram mais admiradas por se lançarem para os campos de futebol porque "sempre joguei" (quando, na verdade, não jogavam, de todo) e a que praticava ballet era gozada por "usar tutus". Qualquer coisa mais próxima do universo feminino era absolutamente destruída e gozada por elas. Dizer "Eu dou-me melhor com rapazes do que raparigas" era o Santo Graal da inteligência, ponderação e desconexão do universo feminino.

Ainda hoje percepciono que as miúdas observam a característica feminina como um sinal de fraqueza. Que assemelharem-se mais a rapazes — no comportamento, nas preferências, nas relações — era uma garantia de auto-confiança e sensatez. Que ser uma miúda delicada, que preferisse cor-de-rosa depois dos dez anos, que tivesse um grupo de amigas e que não jogasse nada de futebol não só era ser feminina como também era ser fútil, fraca, e sem força de espírito.

É óbvio que há raparigas, de facto, nada ligadas ao universo feminino e que são "Marias-Rapaz". Quase todas as minhas amigas o eram (muitas ainda o são) e sempre haverá. É absolutamente normal. Mas eu sentia e quase que palpava esta concepção de que uma miúda só podia ser inteligente, sensata e interessante se se afastasse de tudo o que de mais óbvio há em ser feminina. E isto não podia ser mais errado.

O facto de os vossos gostos, comportamentos, preferências ou relações se aproximarem mais ou menos do universo feminino não vos torna mais frágeis ou menos interessantes. Vocês não são fracas por fazerem ballet e não mandarem uma para a caixa no futebol. Vocês não são pouco dadas à inteligência por gostarem de comédias românticas e não suportarem filmes de acção. Vocês não são mais interessantes se disserem que odiavam Barbies quando, na verdade, pediam uma todos os Natais. Vocês não são mais superficiais por adorarem o cor-de-rosa, e o facto de amarem ter amigAs não vos torna mais difíceis de relacionar — da mesma forma que terem amigOs não vos torna mais acessíveis, tolerantes ou pouco conflituosas —. Não gostarem de jogar consola não traduz que sejam insuportáveis ou pouco fixes. Simplesmente não gostam de consola.

É muito necessário que percebamos que ser feminino em nada tem a ver, na verdade, com estes gostos e preferências que acabei de referir — podem ser jogadoras de basquetebol, usar sweatshirts durante metade da vossa adolescência e continuarem a ser muito femininas (eu fui um exemplo claríssimo disso) mas é certo que concebemos imagens (um pouco justas, vamos ser honestos) de gostos e comportamentos mais femininos que outros. O importante é compreender que, o que quer que escolham para ser, fazer, conversar ou gostar não vos torna mais inúteis, vulneráveis ou inválidas por isso. Não tenham medo de ser femininas, independentemente dos vossos comportamentos e escolhas. Não tenham medo de admitir que são femininas mesmo quando continuam a não gostar de cor-de-rosa nem de maquilhagem. Não deixem que vos diminuam por uma característica que não tem absolutamente legitimidade nenhuma para vos diminuir. Podem continuar a gostar de princesas, podem gostar de se maquilhar depois de um torneio de futebol onde participaram, podem gostar de cor-de-rosa, podem ter mais amigas raparigas que rapazes, podem gostar de fazer compras e continuam a ter força para chegarem onde desejarem e capacidade para verem os vossos objectivos concretizados.

Não há nada de interessante em serem femininas ou não, mas sim em abraçarem quem são sem medo nem vergonha de serem felizes e fiéis a vocês mesmas.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

FILMES || Coco


Apenas a Disney conseguiria fazer um filme de animação sobre a morte e a perda de entes queridos sem que se tornasse mórbido. Confesso que fui assistir a Coco por duas razões: a) era da Disney, logo, confio sempre que seja um serão de qualidade; b) a história ocorre no Dia de Los Muertos, um dia muito especial na cultura Mexicana, cujo conceito me desperta curiosidade e que até gostava de visitar o país precisamente nessa altura. Pouco mais sabia sobre a história. E fui tão surpreendida!

Admito que não sabia o que escrever porque acho que nada do que refira vai fazer justiça ao quanto este filme é arrebatador. Não é apenas mais um filme que nos fala sobre o amor, o perdão, a ganância e "Segue os teus sonhos/a tua paixão". Estamos a falar da Disney, que eleva todas as suas histórias para outro patamar. Aliás, esta é a mensagem das crianças, porque a verdadeira, para os adultos, é mais pesada e emocionante. Como sempre, não é um filme para crianças mas sim para nós. Embora as crianças tenham consciência da morte, são os adultos que compreendem o peso da perda e das memórias que carregam dos que partiram.

Os gráficos deste filme estão para lá de brutais, as cores e os detalhes são hipnotizantes, com muitas e excelentes referências da cultura mexicana (a abordagem artística - e adaptada a crianças - de Frida Kahlo é só soberba), as músicas são inesquecíveis e o final é de deixar o coração apertadinho. Fiquei de lágrimas nos olhos e a sala ficou num silêncio sepulcral quando os créditos começaram a passar.

Gostei tanto do filme e da sua mensagem que me arrisco a dizer que Coco está, certamente, no meu TOP de filmes preferidos da Disney e embora todos os filmes da companhia sejam extraordinários, há muito tempo que não via um com uma mensagem tão especial e importante. Este é um filme para quem sabe o quanto custa perder entes queridos e a importância de nunca esquecermos as boas memórias que guardamos deles bem junto do nosso coração. É um filme que nos reconforta, embora, quando saírem da sala de cinema, não sintam isso.

Poster

domingo, 3 de dezembro de 2017

DAILY || Sete Actividades que Quero Fazer Este Natal


Fazer um passeio para ver as luzes de Natal 
Não pode faltar, certo? Quero pedir um chocolate quente para levar e fazer o Roteiro das Luzinhas. Começo por uma ponta da cidade e vou caminhando devagarinho até chegar à árvore de Natal. Sem pressas e com muito espaço para a conversa e para me deslumbrar com cada luzinha que encontrar. Eu adoro fazer isto, especialmente porque na minha cidade há colunas com música de Natal nas ruas, o que torna todo o ambiente mais envolvente.

Ir a um Escape Room
Talvez esta actividade encaixasse melhor no Halloween, mas a data possível foi e esta e, sinceramente, não me incomoda nada. Estou ansiosa por, finalmente, viver esta experiência. Adoro este tipo de jogos de adrenalina, puzzles e mistério, e acho que vou com um grupo incrível — girl power! —. Pode ser uma experiência antónima ao Natal, é certo, mas é um pretexto para me divertir com amigas que me fazem feliz e para estarmos reunidas num objectivo comum o que, se pensarmos bem, é um gesto bem natalício. É o nosso presente de Natal umas para as outras e tenho a certeza de que vai ser uma história para contarmos depois. Talvez bebamos um chocolate quente no fim da experiência, só para a tornar mais natalícia!

Visitar os mercados de Natal 
Estão espalhados um pouco por todo o lado. Costumam ter artesanato mas também são boas oportunidades para conhecermos lojas mais pequeninas. Muitas delas vivem praticamente do Instagram e esta é a altura certa para vermos determinados artigos que, de outra forma, só conseguimos através de uma fotografia — e todos sabemos que nunca é a mesma coisa —. Este também é o lugar ideal para encontrar aquele presente mais único ou pormenores que vão complementar os meus presentes e dar-lhes mais charme. É uma actividade que eu adoro fazer com a minha mãe. Reservamos sempre um dia de Dezembro para fazermos uma tarde de miúdas e passearmos por estes mercaditos.

Experimentar mais receitas de chocolate quente 
No ano passado, comecei esta actividade demasiado tarde, mas entusiasmei-me tanto que prometi que, este ano, a iniciaria assim que pudesse. Não há nada que me faça mais feliz do que chocolate quente (bom, talvez chá), mas tenho de vos confessar: odeio os chocolates em pó que se vendem por aí porque não sabem, de todo, a chocolate! Eu gosto de fazer à moda antiga, com chocolate verdadeiro e juntar especiarias e ingredientes que enalteçam os sabores. Já tenho algumas receitas guardadas e só falta ir às compras para começar a fazer. Não há nada mais maravilhoso do que beber um chocolate bem quentinho, numa manhã fria e lenta de Inverno.

Patinar no gelo
Não há actividade mais natalícia do que esta! Nunca se vêem caras infelizes numa pista de gelo e, se tiverem sorte, estará localizada numa zona linda da cidade, o que vai tornar toda a experiência mais bonita! É uma das minhas actividades preferidas para fazer, nesta época. Adoro deslizar, rodopiar, sentir a brisa fresquinha no rosto... Simplesmente é divertido e saio sempre de lá com olhinhos a brilhar, portanto, não pode faltar!

Assistir a um bailado
Associo sempre o ballet e os bailados ao Natal. A culpa é — e sempre será — d'O Quebra Nozes, mas um bailado clássico é um espectáculo tão elegante, brilhante e caloroso que não podia ter uma associação mais justa! É a minha mais recente tradição natalícia e quero mantê-la enquanto me for possível. Nos finais de Novembro/Inícios de Dezembro, lá estou eu a passear pelos cartazes para seleccionar qual é o bailado que quero assistir. É como um presente de Natal de mim para mim!
Este ano está um pouco mais difícil de conseguir encaixar a agenda para conseguir assistir a algum e temo não conseguir cumprir esta tradição, mas a esperança nunca morre dentro de mim e ainda torço para estar, este mês, sentada numa sala com os olhos a brilhar de encanto.

Rever os filmes de animação natalícios 
O (creepy) Quebra-Nozes na animação de 1991, A Barbie e o Quebra Nozes, Os Contos de Natal com o Donald, Pateta e o Mickey (lembram-se do conto do colar e da harmonica?), um outro filme da Disney que reúne imensos momentos de Natal, A Bela e o Monstro e o Natal Encantado, Tom & Jerry... Filmes não faltam! Costumo reunir a petizada e vemos em conjunto com as nossas pipocas e os chocolates quentes que — espero eu, este ano! — preparei com as minhas receitas. Não há nada mais hygge que isto!

sábado, 2 de dezembro de 2017

GIFT GUIDE || Até 10 Euros!

Nunca pensei que viria a escrever um Gift Guide no Bobby Pins. A minha relação com Gift Guides nunca foi muito boa no sentido em que nunca encontrei nos guias de prendas feitos pelos outros aquilo que um Gift Guide é suposto ser: utilidade. A maior parte dos Gift Guides que eu vejo não se enquadram na personalidade e gostos das minhas pessoas, são absurdamente caros e são de lojas que existem em Narnia. Espero que não sintam o mesmo com este, embora eu compreenda que são sugestões que não podem agradar toda a gente. 

Recentemente, pus-me a reflectir sobre a minha dificuldade em arranjar presentes e apercebi-me que aquilo que mais me dá trabalho, na verdade, são as Lembrancinhas. Toda a gente sabe o que são; ou porque queremos dar um miminho a alguém (lá está, a Lembrancinha), ou porque queremos arranjar um pormenor que eleve o presente principal sem que abata ainda mais a nossa carteira, ou porque neste Natal estamos mais apertados e não podemos distribuir presentes tão dispendiosos quanto gostaríamos e o pior de todos (para mim)... o Secret Santa. Não há nada que odeie mais no mundo do que Secret Santa porque é um desfile de preguiça. Fico de rastos quando vejo que uma pessoa se esforçou imenso para arranjar um presente com personalidade dentro do orçamento estipulado (geralmente, os dez euros) e em troca recebe um porta-chaves de alguém sem pachorra para perder tempo a procurar algo melhor. No entanto, não é assim tão condenável: hoje em dia é bem difícil encontrar presentes muito giros a preços mais singelos, e como, normalmente, são pequenos pormenores, ficam muito mais engolidos na imensidão de estímulos megalómanos que as lojas oferecem. Fica muito difícil encontrar estas Lembrancinhas se não tivermos já presente na memória o que queremos comprar!

Foi precisamente a pensar nisto que decidi fazer este Gift Guide. Propus-me a este desafio porque é precisamente o presente que me dá mais trabalho, logo, o exercício ajudou-me imenso, quis mesmo escolher um orçamento baixinho por todas as razões que referi acima — e, perdoem-me, a maior parte dos Gift Guides que vejo a orçamentos curtinhos são lamentáveis (estou com muito receio que pensem o mesmo do meu!!) — e porque quero mostrar que o dinheiro não tem de comprar a personalidade ou o toque irreverente e único de um presente. Há presentes giros e muito baratos, sim(!), e é essa a mensagem que eu gostaria de vos passar. E (quem sabe?) ajudar-vos a encontrar o presente ideal para alguém que gostam muito (ou tornar-vos na pessoa fixe do Secret Santa — toda a gente sabe do que estou a falar —) sem dar um golpe na vossa carteira. Também fiz questão de escolher presentes de lojas que podem encontrar facilmente (porque já basta ser complicado encontrar o presente, quanto mais a loja). Entre decoração, acessórios, cuidados e outros tesouros, seleccionei mais de vinte artigos e espero que encontrem o tal (e que fiquem orgulhosos de mim!). Comprar presentes de Natal devia ser menos stressante e inseguro do que é.





1. Gorro ZARA - 9,95€ // 2. Carteira MANGO - 9,99€ // 3. Coluna à prova de água PRIMARK - 9€ // 4. Apoio para escova de dentes Patman BAIRRO ARTE - 8,99€ // 5. A Breve História de Quase Tudo WOOK - 9,90€ (ao comprares o livro através deste link, estás a contribuir para o crescimento do Bobby Pins. Review do livro aqui) // 6. Caneca Game Boy PRIMARK - 7€ // 7. Caneca de porcelana com tampa de silicone Donuts WOMEN'S SECRET - 7,99€ // 8. Caixa de óculos NOTE (papelaria do Continente - podem usar o vosso cartão de cliente na loja) - 6,90€ //

9. Quadro LOJA CASA - 10€ // 10. Caixa de Porcelana H&M - 9,99€ // 11. Letra luminosa de madeira (tem mais caracteres) STRADIVARIUS - 7,95€ // 12. USB Robô BAIRRO ARTE - 7,99€ // 13. Cesto de arrumação H&M - 9,99€ // 14. Moldura H&M - 7,99€ // 15. Porta-jóias de veludo STRADIVARIUS - 7,95€ //

16. Manteiga corporal THE BODY SHOP - 6€ // 17. Batom gloss mate THE BODY SHOP - 9€ // 18. Capa de tecido STRADIVARIUS - 4,95€ // 19. Boina de pêlo STRADIVARIUS - 7,95€ // 20. Estojo MANGO - 4,99€ // 21. Capa com flamingo (com pompom) BERSHKA - 5,99€ // 22. Necessaire MANGO - 7,99€

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017


E eis que chegamos aos últimos Favoritos de 2017! Céus, como passou depressa!! Se já sentem algum desconsolo no coração, não se entreguem já: os Favoritos só voltam em 2018 mas isto também significa o regresso dos habituais TOPs que faço anualmente! E aproveito esta ocasião — e o facto de ter novos leitores — para vos perguntar se há algum TOP que gostariam que fizesse. Já faço sobre as fotografias preferidas do Instagram, músicas que saíram este ano, publicações que mais gostei de escrever e artigos aleatórios. Acrescentariam mais algum (sem ser blogs)? Ficarei grata com todas as sugestões e pedidos que deixarem nos comentários!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

FILMES || O Guarda-Costas e o Assassino


O que acontece quando um agente de protecção, que perdeu toda a sua popularidade, tem de defender um assassino de primeira classe e exímio na arte do crime? Comédia, é certo.
Michael Bryce terá de proteger Darius Kincaid de uma série de perigos e mante-lo vivo para que possa testemunhar contra um político criminoso sem escrúpulos. A tarefa não se revela fácil, mas promete bons momentos de gargalhadas.

Eu já cheguei a partilhar convosco que não sou de riso fácil. Sou capaz de assistir a comédias inteiras sem rir, e não confesso isto com orgulho ou vaidade, porque é uma chatice, portanto, quando assisto a filmes que me fazem chorar ou doer a barriga de tanto rir, faço questão de recomendar e partilhar convosco.

É um filme que segue a fórmula do sucesso, actualmente: muita acção intercalada com momentos de humor. E a escolha do elenco não podia ser mais certeira para este registo. A história é previsível, não tem um ponto alto surpreendente, mas é bem disposta e deixa-nos animados. É a minha recomendação para quando estiverem entre amigos e não arranjarem consenso no que assistir ou quando estiverem mais cansados com o peso do dia e quiserem desanuviar com parvoíce pegada. De mau humor não ficam, prometo.

Ah, e conta com a nossa clássica participação portuguesa, Joaquim de Almeida. Adivinhem qual é o papel que ele faz? Nunca lá irão chegar (quando digo que o filme é previsível, é a este nível...)

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

VÍDEOS || Maluco Beleza


Chego tarde à festa? Sinto que sim...
O Maluco Beleza não é um projecto recente mas só há poucos meses é que prestei a devida atenção e não podia deixar de partilhar convosco o quanto gostei, mesmo que — talvez — vocês já o adorem há mais tempo que eu.

Com o rosto do Rui Unas, o Maluco Beleza apresenta-nos os mais diversos convidados para conversas sobre os mais aleatórios assuntos, contando sempre com perguntas do público no final. Pode parecer uma fórmula pouco surpreendente, mas o factor que faz com que o projecto vença é precisamente o facto de ser apresentado no Youtube (e num Podcast), o que permite que o formato seja muito mais livre e natural — a nível de tempo, de conforto para falar sobre algumas temáticas mais tabu na televisão e também para os convidados divagarem o tempo que quiserem na sua resposta, sem cortes desconfortáveis por parte do anfitrião —. 

Já referi que podem assistir nos dois formatos — Youtube ou Podcast — e, normalmente, os episódios costumam ser um pouco longos, portanto, adapto os formatos disponíveis às minhas tarefas (aproveito os Podcasts para quando vou fazer uma viagem longa — ou ficar presa no trânsito — ou quando tenho algumas tarefas para tratar e vejo no Youtube quando tenho mais tempo livre ou estou a cozinhar). Tenho gostado imenso do leque de participantes (de Diogo Morgado vai para Gustavo Santos seguido de Salvador Sobral, por exemplo) mas, mais importante, gosto dos temas que abordam e de ver uma espontaneidade que não consigo observar na televisão. Sinto que ficamos a conhecê-los melhor através deste projecto. Super recomendo e, se não sabem por qual convidado começar e se me permitirem uma sugestão, assistam ao episódio com o Ricardo Araújo Pereira.

Já conheciam? Qual foi o vosso episódio preferido?

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

BOM GARFO || Gutsy


Num domingo soalheiro, decidimos ir almoçar a um lugar despreocupado e que fosse perfeito para conversar e partilhar gargalhadas. Decidimos que o Gutsy era o espaço que encaixava nas nossas exigências.

O Gutsy encaixa na família de hamburguerias que, nos últimos anos, tem invadido Lisboa e podem-na encontrar em inúmeros pontos da capital. A nossa escolha recaiu na de Carcavelos por ser a mais próxima de nós e recomendo imenso se o vosso plano for almoçar bem e depois dar um passeio pela praia — o restaurante é praticamente a cinco minutos da praia de Carcavelos —.

O espaço é pequenino e o ambiente era completamente familiar, repleto de famílias que estavam a aproveitar o Domingo de Sol para sair de casa. Quem me acompanhou já sabia perfeitamente aquilo que queria pedir, já que esta não era uma estreia para eles, no Gutsy. Comigo, o caso era diferente. Decidi jogar pelo seguro e pedir o hambúrguer Audaz, com o clássico queijo cheddar e bacon, mas eles vinham com o desejo de repetir a experiência de comer o Gutsy Family. 
Hoje em dia, quando vou a hamburguerias, tento sempre encontrar algo que as diferencie das outras centenas, o que é cada vez mais difícil. A qualidade é, em quase todas, garantida, portanto, gosto de procurar algo que proporcione uma experiência diferente ou uma opção mais difícil de encontrar em outros lugares. No caso do Gutsy, é a opção Gutsy Family, um menu composto por oito mini-hambúrgueres que fazem parte da carta normal. Achei a ideia fenomenal e perfeita para dividir entre todos mas devo desde já advertir-vos que, para pessoas que gostam muuuuuito de comer, o Gutsy Family chega apenas para duas pessoas. Quem ficar saciado com pouca comida, certamente conseguirá dividir com mais.

O meu hambúrguer estava maravilhoso — e recomendei-o nos meus Favoritos —, o molho das batatas era viciante e standard mas as batatas fritas não me convenceram muito. São boas, mas já fui mais feliz com outras. 
Ainda cheguei a provar alguns hambúrgueres da Gutsy Family e gostei bastante da diversidade de sabores que estão naquela tábua redonda. Os hambúrgueres não são, de todo, iguais uns aos outros e isso permite-vos ter várias experiências de sabores, o que eu acho sempre incrível — desde carne, vegetariano, peixe e até marisco! Se gostam de explorar sabores e de experimentar muito, esta é a opção indicada para vocês. Os hambúrgueres que fazem parte do Gutsy Family vêm discriminados na carta.

No final, saímos de barriga feliz e com a certeza de que foi um almoço recheado de sabor e boas conversas. Se estão com as vossas pessoas preferidas para estar à mesa e querem um lugar descontraído, a minha sugestão recai neste espaço. Aprovado!

______________________________
Praça do Junqueiro 6B, 2775-597
Carcavelos
Contacto: 214 571 569

sábado, 25 de novembro de 2017

BLOGOSFERA || De: Joaninha

Em Outubro, uns dias antes do meu aniversário, a Joaninha contactou-me e pediu o meu endereço para enviar um postal de celebração do meu aniversário. Na altura, fiquei completamente grata e enviei, de imediato, todas as informações. Mas, entretanto, o tempo passou e esqueci-me completamente. Até ter chegado a casa, há uns dias!

Dentro do envelope estava um postal num padrão super aquático — que me fez lembrar A Pequena Sereia — e, no interior, uma mensagem absolutamente amorosa, um desabafo sincero, genuíno e que me deixou de lágrimas nos olhos, que imediatamente deram lugar ao espanto quando vi a capa do Stitch que a Joaninha tinha escolhido a dedo para mim e que adorei.

Escrever num blog não é nada fácil. Por vezes, mesmo quando sabemos que já temos alguns leitores muito assíduos e fiéis ou que o nosso blog é estimado, as inseguranças atacam. Às vezes sentimo-nos como quando começámos a jornada: parece que estamos a falar para o boneco. Ou que ninguém quer saber do tema que quisemos apresentar. Ou que toda a dedicação que estamos a depositar não vale a pena porque já escrevemos sobre tudo, mesmo quando estimamos este projecto ao máximo e mesmo quando queremos que ele dure o maior número de anos possível. Às vezes, acontece.

E depois temos aquelas pessoas completamente leais, que nos escrevem sempre. Comentam como se estivessem a escrever uma carta, com o coração na ponta dos dedos. É o caso da Joaninha, com uma infinitude de mensagens carinhosas, motivadoras ou simpáticas dentro de si. À Joaninha, nunca faltam palavras — o mesmo já não posso dizer de mim —. A Joaninha tem sempre as palavras certas e bondosas para dizer sem que deixe de ser genuína, observadora, atenta e com uma opinião. E é isso que me faz gostar tanto dela: ela sabe sempre ser simpática mas é, também, convicta das suas opiniões e dos lados que escolhe.

Ao ler aquele postal, fez-me lembrar que vale sempre a pena. A verdade é que eu nunca sei quem está do outro lado a ler. Pode ser a Joaninha — por quem eu nutro tanto carinho —, pode ser uma amiga de longa data, pode ser uma colega de faculdade que nunca mo disse, mas acompanha, pode ser uma leitora desconhecida que nunca se dirigiu a mim e apenas escolhe ler as minhas publicações. E da mesma forma que nunca sei quem está do outro lado a ler, também não sei pelo que essas pessoas estão a passar e o meu poder para as fazer pensar, sorrir, motivar ou inspirar. Posso ter esse efeito em apenas uma pessoa ou posso ter em centenas. Mas uma pessoa já vale a pena e a Joaninha recordou-me disso, ao ler o seu postal. Vale sempre a pena quando escrevemos de coração aberto.

Muito obrigada, Joaninha. Por toda a atenção. Pelo cuidado das tuas palavras e pelo presente tão bem escolhido para mim. É a minha nova capa preferida e combina a 100% com a minha personalidade e com os meus interesses. Não há ninguém que olhe para esta capa e não diga "Isto é tão Inês". Obrigada por me conheceres tão bem e saberes como arrancar um sorriso do meu rosto. O teu coração é uma Disneyland e este miminho foi apenas mais uma prova.


sexta-feira, 24 de novembro de 2017

WEB || Picodi


Sejamos sinceros, quem não gosta de descontos? Em qualquer altura do ano, especialmente agora que se inicia o período em que começamos a pensar nas pessoas a quem queremos dar presentes escolhidos a dedo e que também cedemos um pouco mais aos nossos desejos. Para a deixar a nossa carteira também mais feliz, o Picodi veio dar uma ajudinha.

O site Picodi reúne todos os descontos disponíveis em todas as lojas do país, ao longo do ano. Tem as mais variadas marcas, informa, de imediato, até quando é que a promoção ou desconto são válidos, disponibiliza-vos um link directo para acederem ao site da marca e confirmarem os descontos, e ainda tem códigos exclusivos de desconto para algumas marcas parceiras. E podem aceder a todas estas informações de forma automática assim que introduzem o site no vosso telemóvel ou computador. Genial, certo?

Esta é uma altura em que os descontos podem fazer uma diferença maior e que sabe sempre bem poder poupar mais uns euros na carteira ou conseguir um preço mais interessante para um artigo que já andam a sonhar há muito. É um aliado nas minhas compras de Natal e quando quero fazer um investimento em algum artigo mais caro e preciso de saber a altura certa para o adquirir. É só vantagens, portanto, tinha de o partilhar convosco. Boas compras!